Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/401
Title: Direitos fundamentais e ordens profissionais : em especial, do direito de inscição nas ordens
Authors: Amorim, João Salvador Velez Pacheco de 
Orientador: Canotilho, José Joaquim Gomes
Keywords: Ciências Jurídico-Políticas; Direito
Issue Date: 16-Dec-2005
Citation: AMORIM, João Pacheco de - Direitos fundamentais e ordens profissionais : em especial, do direito de inscição nas ordens. Coimbra, 2004.
Abstract: 1.ªtese: O profissional licenciado não é só titular da liberdade de profissão. É também, pela habilitação, titular da liberdade de ciência. Por isso se dá aqui um vero concurso, por cruzamento, das duas liberdades. Isto porque: (1) A liberdade de profissão é antes do mais vida e liberdade, leia-se liberdade geral de actuação, leia-se direito ao livre desenvolvimento da personalidade. Os bens jurídicos contíguos são esses. A inserção sistemática do direito na Constituição portuguesa demonstra-o. (2) Assim sendo, sobreleva nela a dimensão subjectiva; e é a partir dessa dimensão subjectiva que se deve delimitar o grau de liberdade de conformação do legislador ordinário. (3) Embora tal não decorra, textualmente, do enunciado do direito fundamental, deve distinguir-se – como no direito alemão e no direito espanhol – entre liberdade de escolha (de profissão) e liberdade de exercício. A liberdade de conformação do legislador que a Constituição lhe confere para harmonizar a liberdade – de pendor primacialmente subjectivizante – com os seus vínculos sociais é menor no momento da escolha e maior no do exercício. (4) O conteúdo essencial do direito está na imagem social da profissão. (5) A harmonização entre este núcleo irredutivelmente protegido e a vinculação da liberdade à satisfação de outros bens e interesses constitucionalmente protegidas é feita pelo direito infra-constitucional, que exige a existência de profissões tituladas. (6) Mas a habilitação técnico-científica é a única restrição admissível à liberdade de escolha de profissão. (8) Ora, tal habilitação, quando universitariamente titulada, tem por fundamento a liberdade de ciência, na sua vertente objectiva. Mas ao invés da liberdade de profissão a liberdade de ciência é de pendor sobretudo objectivizante. Exerce-se graças a direitos que resultam da sua dimensão positiva: direito à efectivação de estruturas organizacionais e procedimentais aptas a apurar, com justiça e imparcialidade, quem sabe e quem não sabe. Quem se preparou – quem se habilitou – sabe. É capaz, como o exige a Constituição. E preparou-se e habilitou-se graças ao exercício da liberdade de ciência, na sua dimensão objectiva – e, logo, na sua dimensão positiva. O profissional licenciado é (também) titular desta liberdade. 2.ª tese: Há uma identidade de natureza entre os direitos subjectivos fundados na lei (direito potestativo de inscrição nas Ordens profissionais) e na Constituição (liberdades de profissão e de ciência como feixes de posições jusfundamentais que incluem verdadeiras «competências»), pois o direito fundamental como um todo é tanto composto por liberdades quanto por competências, estando adstrita à norma consagradora da liberdade (possibilitadora de comportamentos alternativos) outras normas constitutivas de poderes ou competências, as que regulam a inscrição nas Ordens. Aos deveres públicos de organização e procedimento que decorrem, positivamente, da dimensão objectiva das liberdades de profissão e ciência, corresponde um vero direito potestativo à inscrição na respectiva Ordem do titular dessas liberdades.
Description: Tese de doutoramento em Direito (Ciências Jurídico-Políticas) apresentada à Fac. de Direito de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/401
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Teses de Doutoramento
FDUC- Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s)

310
checked on Jan 21, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.