Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/400
Title: O Plano Urbanístico e o Princípio da Igualdade. Coimbra, Livraria Almedina, 1990, p. 708.
Authors: Correia, Fernando Alves 
Keywords: Ciências Jurídico-Políticas
Issue Date: 1990
Abstract: A obra está dividida em duas partes. A primeira (Introdução) engloba quatro capítulos, cujos títulos são os seguintes: Noções Preliminares (Cap. I), onde são abordados a noção e a evolução histórica do urbanismo, o conceito, objecto, natureza e importância do estudo do direito urbanístico e as relações entre o direito urbanístico e outras disciplinas jurídicas afins, tais como o direito do ordenamento do território, o direito do ambiente e o direito da construção; Linhas de Evolução Histórica do Direito Urbanístico (Cap. II), onde são analisadas as principais metamorfoses históricas por que passou o direito urbanístico, em alguns países europeus e em Portugal, desde o período da vigência do direito romano até ao actual Estado social de direito; O Plano como Instituto Fundamental do Direito Urbanístico (Cap. III), no qual são expostos vários aspectos do regime jurídico dos planos urbanísticos: conceito, funções, tipologia, natureza jurídica, procedimento de elaboração e princípios jurídicos estruturais; e O Plano Urbanístico e o Direito de Propriedade do Solo (Cap. IV), o qual abarca matérias atinentes à garantia constitucional do direito de propriedade privada, à vinculação social da propriedade do solo, aos efeitos do plano urbanístico sobre o direito de propriedade do solo, ao direito de propriedade como limite à liberdade de conformação do plano urbanístico e, finalmente, à relação entre o plano urbanístico e o denominado jus aedificandi. A segunda parte versa especificamente Os Instrumentos de Garantia do Princípio da Igualdade em face das Medidas do Plano Urbanístico e abrange três capítulos, a saber: O Princípio da Igualdade nas suas Relações com o Plano Urbanístico (Cap. I), no qual o autor, depois de analisar o conteúdo e o significado do princípio da igualdade, distingue duas dimensões de relevância deste princípio no plano urbanístico: o princípio da igualdade imanente ao plano ou princípio da proibição do arbítrio e o princípio da igualdade transcendente ao plano, descobrindo neste último uma dupla incidência: como princípio da igualdade perante os encargos públicos e como princípio da igualdade de chances ou de oportunidades urbanísticas; As Medidas Expropriativas do Plano e o Princípio da Igualdade (Cap. II), onde são definidos os conceitos de expropriação acessória ao plano e de expropriação do plano e vincados os princípios específicos da indemnização por expropriação, enquanto instrumento de garantia do princípio da igualdade em face de medidas expropriativas do plano urbanístico; e As Medidas não Expropriativas do Plano Urbanístico e o Princípio da Igualdade (Cap. III), no qual são abordadas algumas técnicas de garantia do princípio da igualdade em direito comparado e analisados os instrumentos de garantia do princípio da igualdade em face das medidas não expropriativas do plano urbanístico no direito português. A obra termina com uma Conclusão, na qual o autor salienta, entre o mais, que a constatação da existência de uma antinomia, a nível dos efeitos jurídicos, entre a ideia de igualdade e o plano urbanístico, já que este é, pela sua natureza ou na sua essência, desigualitário em face dos proprietários, na medida em que não pode deixar de prescrever tipos e níveis de intensidade diferentes de utilização para as parcelas de terrenos por ele abrangidas, não pode servir de fundamento a qualquer tese peregrina, segundo a qual o plano urbanístico e o princípio da igualdade não têm nada em comum ou que vivem de costas totalmente voltadas um para o outro. Daí que o autor defenda que o princípio da igualdade, entendido como um direito fundamental do cidadão (art. 13.o, n.o.1, da Constituição) e como um limite a todas as formas de actividade discricionária da Administração, incluindo a actividade de planificação urbanística (art. 266.o, n.o.2, da Constituição) exige ao sistema jurídico a criação de instrumentos ou de mecanismos correctores dos efeitos desigualitários dos planos.
URI: http://hdl.handle.net/10316/400
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FDUC- Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 10

767
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.