Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/95297
Title: O terceiro setor de radiodifusão em Portugal: mapeamento e caracterização das rádios comunitárias
Authors: Midões, Miguel Ângelo Rodrigues
Orientador: Santos, Sílvio Manuel Rodrigues Correia dos
Keywords: rádios comunitárias; terceiro setor; media alternativos; participação nos media
Issue Date: 27-May-2021
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Em Portugal, a rádio tem vindo a ser paulatinamente mais estudada pela academia, porém, sem que haja estudos específicos acerca das rádios comunitárias. A lei da rádio portuguesa não prevê a sua existência, mas o potencial da Internet e a massificação de ferramentas e de recursos de produção e edição de som abriu espaço à criação destas emissoras de índole comunitária que transmitem exclusivamente online. Por conseguinte, abordamos as rádios locais pela sua ligação com as comunidades e a sua génese de localidade, muito embora este elo esteja a enfraquecer nos últimos anos devido ao contexto económico frágil que o setor atravessa e à crescente absorção em emissões em cadeia. A diversidade da realidade internacional é aqui caracterizada, com o intuito de melhor enquadrar a especificidade do caso português. Estas emissoras desempenham uma função social de relevo e, em muitos casos, estão previstas na lei que regula o setor da radiodifusão, recebendo apoios estatais ao seu funcionamento e estando estabelecidas como um terceiro setor de radiodifusão, alternativo aos setores público e privado. Esta pesquisa foca-se no mapeamento das rádios comunitárias portuguesas, nomeadamente na identificação de projetos existentes e na sua caracterização, no que concerne aos seus objetivos e missão, tipo de propriedade e receitas, gestão e participação comunitária, e comunidades envolvidas na sua dinamização. A etapa inicial desta pesquisa consistiu na realização de estudos exploratórios que permitiram identificar emissoras que se autonomeavam de comunitárias, eram abertas à comunidade e transmitiam online. Estes projetos são vocacionadas para comunidades específicas e não têm registo na ERC (Entidade Reguladora da Comunicação). Concretamente, é nestas que a investigação se centra, não descurando a existência de outras que, ainda que possam ter caraterísticas de comunitárias, estão identificadas como rádios locais e rádios universitárias, à luz da lei da rádio portuguesa. Excluídas ficam também aquelas que estão à margem de emissões online, como por exemplo as rádios-escola. A metodologia utilizada foi mista, cruzando métodos qualitativos e quantitativos, sustentados no mapeamento como processo de investigação. Primeiramente, com vista à recolha de dados foram analisados os sites e as redes sociais em que estas emissoras estão presentes e divulgam os seus programas. Para complementar a informação recolhida por esta via, foram realizadas entrevistas a fundadores, diretores ou voluntários das rádios. Posteriormente, visando analisar a informação obtida, foi criada uma grelha, que permitiu efetuar uma análise de conteúdo e adir ao mapeamento efetuado. Foram identificados 21 projetos online com potencial de rádio comunitária, entre 2015 e 2018, através da definição de conceitos primários e conceitos secundários, pesquisados em motores de busca; uma identificação complementada com recurso a pesquisa bibliográfica. Os resultados demonstram que, ainda que tímido, existe um terceiro setor de radiodifusão em Portugal, confirmando-se a existência de rádios comunitárias. Estas emissoras não têm fins lucrativos e são criadas por grupos de cidadãos, maioritariamente sem qualquer representação legal. Conclui-se também que existe uma componente musical acentuada nas suas emissões, com programas musicais de autor ou de playlist. A diversidade de conteúdos é, ainda assim, significativa, com o tempo de antena a ser preenchido com programas de notícias e informação, entrevista e magazines culturais. Motivado pela ausência do seu estatuto legal, confirma-se que as emissões são exclusivamente online e dinamizadas por voluntários. Evidencia-se que as rádios comunitárias portuguesas estão abertas à participação das comunidades, nomeadamente ao nível da gestão e na criação das grelhas de programas, denotando-se que a acessibilidade é, em vários casos, condicionada pelas estruturas das emissoras.
Description: Tese no âmbito do doutoramento em Ciências da Comunicação, apresentada ao Departamento de Filosofia, Comunicação e Informação da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/95297
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Comunicação - Teses de Doutoramento
UC - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE DOUTORAMENTO - MIDOES - FINAL.pdf3.9 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

12
checked on Jul 23, 2021

Download(s)

18
checked on Jul 23, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.