Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/920
Title: Esterilidade ovocitária : contribuição para o diagnóstico etiológico da ausência de fecundação in vitro e definição de uma nova classe de esterilidade.
Authors: SANTOS, Ana Teresa Moreira de Almeida 
Orientador: Regateiro, Fernando Jesus
Barri, Pedro Nolasco
Keywords: Patologia
Issue Date: 2003
Abstract: A esterelidade conjugal afecta 10-15% dos casais sendo as causas desta situação habitualmente classificadas em femininas, masculinas e mistas. No entanto, mesmo depois de um estudo exaustivo do casal não é possível determinar uma etiologia para o insucesso reprodutivo sendo, por isso, tais situações designadas por esterilidade idiopática e correspondendo a 10-30% dos casos, segundo diferentes autores. O objectivo desta dissertação é a avaliação multiparamétrica de situações de falência inexplicada na fecundação verificadas após técnicas de Procriação Medicamente Assistida, no sentido de detectar as causas do insucesso. Nesta perspectiva procedemos a: 1) análise citogenética clássica e através de técnicas de citogenética molecular (FISH) de 482 ovócitos não fecundados e de 83 ovócitos excedentários, não inseminados, que considerámos como grupo controlo; 2) estudo imunocitoquímico com anticorpos anti-tubulina e coloração simultânea da cromatina pelo DAPI; 3) activação partenogénica experimental através da exposição de ovócitos não fecundados a um inibidor da síntese proteica (puromicina) e subsequente avaliação citogenética dos “embriões” resultantes, comparando os dados obtidos com uma população controlo constituída por ovócitos activados espontaneamente; 4) determinação através da técnica de PCR em tempo real do conteúdo em DNAmt de 205 ovócitos não fecundados, pertencentes a quatro grupos de pacientes (esterilidade feminina, masculina, idiopática e situações em que o único parâmetro anómalo determinado na investigação da esterilidade foi uma alteração da interacção gamética in vivo, rotuladas de teste pós-coital insuficiente). Os resultados obtidos permitiram-nos concluir que não existe um padrão uniforme de anomalia na fecundação numa mesma paciente e que o estudo complementar dos ovócitos não fecundados in vitro permite detectar a causa da falência na fecundação. Verificámos ainda que a ausência de fecundação ovocitária é um fenómeno mais frequente nas situações rotuladas de idiopáticas e que, nestas circunstâncias, o conteúdo citoplasmático em moléculas de DNAmt e a taxa de fecundação são inferiores aos verificados nas pacientes em quem foi identificada uma causa para a esterilidade. A confirmação de situações de infecunbilidade intrínsecas ao gâmeta feminino, decorrentes de alterações subtis no processo meiótico e na maturação citoplasmática levam-nos a defender a existência de uma nova sub-classe de esterilidade que propomos seja designada esterilidade ovocitária.
URI: http://hdl.handle.net/10316/920
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 50

496
checked on Nov 21, 2022

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.