Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/904
Title: A Ecografia de Imagem Dinâmica no diagnóstico de Algumas Doenças Gastrenterológicas
Authors: Leitão, Maximino José Correia 
Keywords: Medicina Interna (Radiologia e Imagiologia)
Issue Date: 1986
Citation: LEITÃO, Maximino José Correia - A Ecografia de Imagem Dinâmica no diagnóstico de Algumas Doenças Gastrenterológicas.Tomar, 1985. 300 p.
Abstract: O trabalho apresentado ao longo dos capítulos precedentes visa aferir o valor semiológico da ecografia de imagem dinâmica em algumas doenças do aparelho digestivo, manifestadas predominantemente por alterações anatómicas macro-estruturais. Procurando na «Introdução» justificar o interesse do tema o A., depois de evocar alguns passos históricos do desenvolvimento da ultrassonografia em Medicina, aborda sumariamente questões de natureza técnica relacionadas com o método e respectivos equipamentos. A análise do valor semiológico da ecografia compreende duas etapas distintas. Na primeira, chameda «Revisão da Literatura», o A. regista os conceitos epidemiológicos, patológicos e clínicos apurados da vasta bibliografia consultada, relativos às matérias que se propõe tratar (hepatopatias difusas e focais, patologia vesicular, pancreatopatias, colestase, patologia gastrintestinal, ecografia invasiva); assinala a importância dos respectivos métodos iconográficos, em especial a ecografia, de que aprofunda a pesquisa bibliográfica com a finalidade de apurar critérios de semiologia e confrontar resultados de outras experiências, objectivados por parâmetros estatísticos de sensibilidade, especificidade, acuidade global, valores de previsão positiva e negativa. Na segunda parte intitula «Contribuição Pessoal» o A. apresenta a sua própia experiência da utilização da ecografia dinâmica em situações coincidentes com as referidas na Revisão da Literatura». Dos resultados decorrentes da discussão à luz de outras experiências, se dá conta, no final de cada capítulo, das conclusões possíveis. As que se registam aqui não são a repetição literal das anteriormente formuladas, mas produto de ideais fundamentais bem amadurecidas que prevalecentemente acodem ao espírito do autor ao encerrar o seu trabalho. Assim: 1º - A ecografia dinâmica face à ecografia estática tem vantagens apreciáveis: é mais versátil, de execução mais rápida e na generalidade das situações patológicas revela acuidade igual ou superior. 2º - A inocuidade, excelente tolerância, elevadas potencialidades semiológicas, maneabilidade dos aparelhos, baixo custo por exame, colocam esta técnica na primeira linha dos métodos complementares de diagnóstico das doenças do aparelho digestivo. 3º - Nas hepatopatias difusas a ecografia dinâmica, à semelhança da tomografia axial computadorizada, possui reduzida sensibilidade (RA:S =38,5%) muito inferior à alcançada pela cintigrafia isotópica ou peritoneoscopia. A utilidade diagnóstica nestas doenças advém-lhe da boa acuidade na identificação dos sinais acompanhantes (ascite, esplenomegália) ou das complicações (hepatoma). 4º - Na detecção das hepatopias focais a ecografia dinâmica é sensivel e muito específica (RA:S = 70%;E = 94,8%). Embora suplantada neste domínio pela TAC, tem sobre ela vantagem da inocuidade e do baixo custo, aspecto relevante quando se impõe controlar repetidamente lesões rapidamente evolutivas. 5º - A abordagem semiológica das doenças vesiculares tem na ecografia dinâmica o método que simultaneamente associa vantagens de total inocuidade, fácial e rápida execução e elevada acuidade. No diagnóstico da litíase vesicular é insuperável (RA:S = 97%; E = 90%). Menos sensível na identificação da colecistite aguda (RA:S = 66,7%; E = 100%), a ausência de complicações e a fácil execução tornam-na preferível à colecistocintigrafia ou à colangiografia intravenosa. A patologia tumoral, de incidência rara, recebe da ecografia o mais válido contributo semiológico dentre os restantes meios econográficos, excepção feita à TAC. 6º - O estudo dos pancreatopatias recolhe da ecografia dinâmica benefícios que na generalidade dos casos se cifram por diagnósticos mais rápidos e menos invasivos. Na pancreatite aguda a acuidade é alta (RA:S = 77,8%; E = 100%), inferior à da TAC, cujos custos elevados lhe limitam o uso aos casos insuficientemente esclarecidos pela ECO; tratando-se de situações evolutivas, o controlo ecográfico sucessivo é muito útil. Na pancreatite crónica a ecografia dinâmica detém baixo capacidade diagnóstica (RA: S = 58,3%; E = 84,6%), suplantada pela TAC e CPRE. Vantagens de economia de custos, inocuidade e tolerância, são, porém, fortes argumentos a justificar a prioridade, relativamente a estas últimas. Quanto aos pseudo-quistos, a excelente acuidade diagnóstica (RA: S = 100%; E = 97,9%) e as possibilidades terapêuticas de drenagem percutânea, conferem-lhe posição privilegiada na hierarquia semiológica. Os tumores pancreáticos escapam frequentemente à correcta identificação pela ecografia (RA: S =62,2%; E = 97%); os casos duvidosos ou inclusivos serão esclarecidos pela CPT se coexiste ectasia das vias biliares, ou pela CPRE ou TAC na ausência da colestase. 7º - No diagnóstico diferencial da colestase (médica/cirúrgica), a ecografia representa o contributo semiológico mais importante pela elevada acuidade (RA:S = 93%; E = 100%), inocuidade total, tolerância excelente e baixo custo. O diagnóstico etilógico da causa obstrutiva exige frequentemente o recurso a técnicas colangiográficas directas (CPT ou CPRE). 8º - Embora não vocacionada para o estudo da patologia do tubo digestivo, a ecografia dinâmica não deixa de possuir, mesmo nesse campo, alguns méritos semiológicos: a) – Visualiza rigidez e espessamento patalógico das paredes gastintestinais (infiltrações neoplásticas ou inflamatórias, estenose hipertrófica do piloro). b) – Avalia rapidamente e sem riscos a actividade motriz e o calibre luminal de sectores do tubo digestivo, especialmente se repletos de matérias líquidas (diagnóstico de situações de ileo e caracterização da sua natureza mecânica ou dinâmica). c) – Identifica eventuais manifestações a distâncias de doenças gastrintestinais (metástases hepáticas, adenopatias regionais) 9º - A ecografia dinâmica é ainda o método que aliando eficácia e simplicidade serve de orientação e guia e técnicas de punção aspirativa de material para o estudo citológico, ou terapêutica descompressiva de colecções líquidas. No primeiro caso, adoptando-se no geral agulhas tipo Chiba, as complicações são raríssimas e a acuidade diagnóstica boa (RA: Complicações = 0%; S = 71,4%; E = 100%). O segundo objectivo, exigindo frequentemente o uso de agulhas grossas e a colacação de catéteres, é de execução mais difícil, comportando maiores riscos (RA: Complicações = 13,3%); não obstante a reduzida do A., os resultados que chega cotejados com os respigados da literatura médica, permitem concluir que a técnica é especialmente útil nos abcessos peritoniais uniloculares complicando a cirurgia abdominal e nos pseudo-quistos pancreáticos «maduros».
URI: http://hdl.handle.net/10316/904
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 20

579
checked on Jul 7, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.