Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/89361
Title: Infeções do trato urinário: principais etiologias e terapêuticas
Authors: Ribeiro, Mariana Jorge
Orientador: Cardoso, Olga Maria Antunes Rodrigues Carvalho
Keywords: Infecções urinárias; Etiologia; Terapia; Farmacorresistência bacteriana; Resistência microbiana aos medicamentos
Issue Date: Jul-2014
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: A infeção do trato urinário (ITU) é considerada a segunda infeção mais frequente entre as infeções adquiridas na comunidade. A etiologia das ITU tem-se mantido constante ao longo do tempo, sendo o seu tratamento, em muitos casos, realizado empiricamente. No entanto, as bactérias apresentam atualmente algumas alterações no que respeita às resistências aos antimicrobianos. Deste modo, é imprescindível conhecer o seu perfil de resistência de modo a tornar a terapêutica empírica mais rápida e eficaz sem, no entanto, contribuir para aparecimento de novas estirpes resistentes. Foram realizados diversos estudos a nível europeu e a nível nacional para estudar a sensibilidade das bactérias aos antibióticos mais utilizados no tratamento da ITU. De acordo com os resultados obtidos, os microrganismos mais isolados foram Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Proteus mirabilis. A resistência mais significativa nas estirpes de E. coli verificouse relativamente à Ampicilina (AMP), ao Sulfametoxazol-Trimetoprim (SMZ-TMP) e ao grupo das quinolonas, o que leva a sugerir que estes antimicrobianos não são uma boa escolha para uma terapêutica empírica. A eleição dos antimicrobianos para o tratamento das ITU deve basear-se, sempre que possível, nos resultados dos testes de suscetibilidade aos antimicrobianos.
Urinary tract infection (UTI) is considered the second most common infection in community-acquired infections. The main microorganisms involved in ITU have remained relatively constant over time, and their treatment, in many cases, have been done empirically. However, antibiotic resistance among uropathogens causing UTI is increasing worldwide. Thus, it is essential to have knowledge of the resistance profile in order to make faster and more effective empirical therapy, minimizing the emergence of new resistant strains. European and national studies have been performed to study the profile of susceptibility to antibiotics used for treatment of UTI. According to the results, the most isolated microorganisms were Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae and Proteus mirabilis. Concerning to antimicrobial susceptibility, E. coli presented a high resistance to ampicillin (AMP), Sulfamethoxazole-Trimethoprim (SMZ-TMP) and quinolones, suggesting that these antimicrobials are not a good choice for empirical therapy. The election of antimicrobials for treatment of UTI should be based wherever possible in the results of antimicrobial susceptibility testing.
Description: Monografia realizada no âmbito da unidade Estágio Curricular do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas, apresentada à Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/89361
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
M_mariana ribeiro.pdf682.57 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

83
checked on Oct 22, 2021

Download(s)

82
checked on Oct 22, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.