Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/88778
Title: Doença de Alzheimer e resistência à insulina
Authors: Tuca, Octavian
Orientador: Laranjinha, João
Keywords: Doença de Alzheimer; Resistência à insulina
Issue Date: Sep-2015
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: A Doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência no hemisfério ocidental, que se caracteriza por sintomas como a perda de memória, dificuldades no discurso, perda da capacidade de reconhecer objectos e pessoas, e incapacidade de realizar actividades da vida diária. Trata-se de uma doença neurodegenerativa, que tem vindo a ser intensivamente estudada nas últimas três décadas. Apesar de, inicialmente, se pensar que teria um carácter genético, os números indicam que só 5 a 10% dos casos são de origem inteiramente genética e, habitualmente, manifestam-se antes dos 65 anos. Como tal, os restantes 90 a 95% são casos em que a genética desempenha um papel pouco relevante. Nos últimos anos houve uma mudança do paradigma em relação à verdadeira origem para o desenvolvimento desta doença. Vários estudos permitiram identificar múltiplos mecanismos, desde genéticos, peptídeos β-amilóide, stresse oxidativo e inflamação que, de modo interactivo poderão estar na génese da doença de Alzheimer. Mais recentemente, a revisão dos resultados de publicações mais antigas, juntamente com as investigações realizadas recentemente, apontam para que a Doença de Alzheimer possa ser, na verdade, uma condição metabólica inerente a um aumento da resistência à insulina, i.e., um tipo de diabetes – diabetes tipo 3. Deste modo, são cada vez mais os investigadores que se debruçaram a compreender melhor esta patologia deste novo ponto de vista, assim como a encontrar novas estratégias de tratamento. Este trabalho pretende apresentar esta nova visão da doença de Alzheimer ligada à resistência à insulina.
Alzheimer’s Disease is the most common form of dementia in the western hemisphere. It is a neurodegenerative condition that has been intensively studied for the past three decades. Although initially was though that it could be a genetic disorder, the numbers indicate that only 5 to 10% of the cases have genetic origins and usually they manifest prior to the age of 65, whereas in 90 to 95% of the cases the genetics factor is close to irrelevant. Over the last years there has been a paradigm shift related to the real origin for the development of the disease. Intensive research has identified multiple interactive and parallel mechanisms, ranging from genomics, amyloid-β peptides, oxidative and infllmatory factors, likely causative of the development of Alzheimer´s disease. However, the review of older publications and the current investigations point that Alzheimer’s Disease may be, in fact, a metabolic condition inherent to an increase in insulin resistance i.e., a form of diabetes – Diabetes type 3. Hence, there is a growing number of researchers that struggle to better understand this disease, as well as to find new treatment strategies. In this work I will discuss this new paradigm of AD in connection to insulin resistance.
Description: Monografia realizada no âmbito da unidade Estágio Curricular do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas, apresentada à Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/88778
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
M_Octavian Tuca.pdf1.16 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

57
checked on Sep 21, 2020

Download(s)

49
checked on Sep 21, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.