Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/81984
Title: Conhecimento, capacitação e qualidade de vida da grávida com diabetes gestacional
Other Titles: Knowlodge, empowerment and quality of life of pregnant woman with gestacional diabetes
Authors: Gomes, Ana Isabel Ferreira 
Orientador: Ferreira, Pedro Augusto Melo Lopes
Keywords: gravidez; diabetes gestacional; conhecimento; capacitação; qualidade de vida; pregnancy; gestational diabetes; knowledge; training; quality of life
Issue Date: 9-Oct-2017
Serial title, monograph or event: Conhecimento, capacitação e qualidade de vida da grávida com diabetes gestacional
Place of publication or event: Centro Hospitalar e universitário coimbra
Abstract: A diabetes, uma doença conhecida como “silenciosa” de evolução lenta, embora não seja uma patologia recente, tem vindo a assumir maior evidência pelo crescimento e impacto verificado mundialmente não só pelo aumento da sua incidência, como também pela sua elevada morbilidade e mortalidade. A diabetes gestacional (DG) representa aproximadamente 90% de todas as gravidezes complicadas por diabetes está associada a complicações maternas e a um aumento de morbilidade e mortalidade fetais.Este estudo teve por objectivo avaliar os conhecimentos, a capacidade de controlo, e a qualidade de vida das grávidas com DG. Trata-se de uma investigação do tipo descritivo-correlacional, tendo-se recorrido a 4 instrumentos para recolha de informação: questionário de caracterização sociodemográfica e clínica, questionário de controlo da diabetes (DES-SF); questionário de conhecimento da diabetes (DKT) e questionário da qualidade de vida (EQ-5D-EL). Participaram no estudo 111 grávidas, a maioria com idades compreendidas entre os 30 e 34 anos, a viverem em casal, acompanhadas, titulares de curso superior e com situação laboral regularizada. A maioria é considerada obesa, numa segunda gravidez, com idade gestacional aquando a aplicação do estudo de 26 semanas. Quanto à detecção do diagnóstico de DG, a maioria encontra-se na 14ª semana e tinha sido a primeira vez que tinham a doença. No tratamento, a grande maioria necessitou apenas de controlo dietético e exercício físico, 19,9% da amostra teve necessidade de controlo metabólico com insulinoterapia e 9,9% com antidiabéticos orais. O nível médio de capacitação foi de 85,8%. No nível dos conhecimentos realça-se que as grávidas insulinotratadas (57%) apresentam uma percentagem de conhecimento ligeiramente inferior às grávidas insulinotratadas (51%). Em termos de qualidade de vida, foram registados valores muito positivos (92%). Quanto à influência que o conhecimento poderia ter na capacitação e na qualidade de vida da grávida, não existe relação. Existe correlação, embora fraca, entre a capacitação e a qualidade de vida. Quanto às relações entre os factores demográficos e clínicos com o conhecimento, capacitação e qualidade de vida, apenas foi estatisticamente significativo a relação entre o conhecimento e as habilitações literárias.Os resultados obtidos são importantes para a consciencialização da importância de criar diversas estratégias de intervenção promotoras do aumento dos níveis de literacia em saúde das grávidas com DG.
Diabetes, a disease that is known as a "silent" disease of slow progression, although not a recent pathology, has become more evident by the growth and impact worldwide, not only because of its increased incidence, but also because of its high morbidity and mortality. Gestational diabetes accounts for approximately 90% of all pregnancies complicated by diabetes is associated with maternal complications and an increase in fetal morbidity and mortality. This study aimed to evaluate the knowledge, control capacity, and quality of life of pregnant women with gestational diabetes. This is a descriptive-correlational research, with 4 instruments for collecting information: sociodemographic and clinical characterization questionnaire, diabetes control questionnaire (DES-SF); diabetes questionnaire (DKT) and quality of life questionnaire (EQ-5D-EL). The study involved 111 pregnant women, most of them between the ages of 30 and 34 years old, living together as a couple, accompanied by holders of a higher education course and with a regularized employment situation. Most are considered obese in a second pregnancy, with gestational age at the time of the 26-week study. As for detecting the diagnosis of GDM, most are in the 14th week and said it is the first time they have the disease. In the treatment, the vast majority required only diet and physical exercise, 19.9% of the sample required metabolic control with insulin therapy and 9.9% with oral antidiabetics. The average level of training was 85.8%. At the level of knowledge, pregnant women with insulinetratement (57%) had a slightly lower percentage of knowledge than pregnant women without insuline (51%). In terms of quality of life, very positive values (92%) were recorded. As for the influence that knowledge could have on the qualification and quality of life of the pregnant woman, there is no relation. There is a weak correlation between training and quality of life. As for the relations between the demographic and clinical factors with the items knowledge, qualification and QoL, only the relationship between knowledge and literacy was statistically significant. The results obtained are important for the awareness of the importance of creating diverse intervention strategies that promote the increase of levels of health literacy in pregnant women with GDM.
Description: Dissertação de Mestrado em Gestão e Economia da Saúde apresentada à Faculdade de Economia
URI: https://hdl.handle.net/10316/81984
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
dissertação definitiva corrigida.pdf3.81 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

748
checked on Feb 20, 2024

Download(s) 50

992
checked on Feb 20, 2024

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons