Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/766
Title: Miguel Venegas S.I. e o nascimento da tragédia jesuítica : a Tragoedia cui nomen inditum Achabus (1562)
Authors: Miranda, Maria Margarida Lopes de
Orientador: Ramalho, Américo da Costa
Keywords: Literatura Neolatina
Venegas, Miguel, 1531-1567?-. Achabus -- Crítica e interpretação
Issue Date: 18-Oct-2002
Citation: MIRANDA, Margarida - Miguel Venegas S.I. e o nascimento da tragédia jesuítica : a Tragoedia cui nomen inditum Achabus (1562). Coimbra, 2002.
Abstract: A autora defende que as tragédias bíblicas neolatinas de Miguel Venegas, representadas pela primeira vez em Coimbra, no Colégio das Artes, entre 1559 e 1562, são fundadoras de uma poética dramática própria — de características trágicas, sacras, bíblicas, musicais e profundamente retóricas — uma poética que os Jesuítas e a Ratio Studiorum vieram mais tarde a aprovar a a promover em todos os seus Colégios.O Teatro Jesuítico nasceu em Roma, as primeiras peças conhecidas que mereceram a representação em Roma foram precisamente as de M. Venegas, a Achabus, em 1565, e a Saul Gelboeus, em 1566. Estas tragédias alcançaram uma dimensão internacional incontestável e converteram--se num arquétipo longamente imitado por toda uma geração de Jesuítas. Para a compreensão deste fenómeno histórico-literário, a A. começa por estudar a sua génese, a partir do humanismo bíblico complutense, em que o poeta se formou. Depois de situar a Tragédia de Acab na dramaturgia ibérica e europeia do séc. XVI, a autora salienta ainda os autores que, a seguir a M. Venegas, desenvolveram um verdadeiro «ciclo trágico». A concluir esta primeira Parte encontra--se ainda um comentário aos Coros musicais da Achabus (em primeira transcrição moderna) compostos por D. Francisco de Santa Maria, que têm o valor de serem os mais antigos Coros conhecidos de teatro humanístico. A Parte II corresponde a uma introdução à leitura da peça, cuja chave essencial é o ensino da Retórica. O comentário à peça segue as partes da Retórica clássica: a dispositio, a inuentio, a elocutio e a pronuntiatio. Do ponto de vista da história das ideias é notável o poder alegórico da luta de Elias contra os reis idólatras (no tempo da luta da Igreja de Roma contra as heresias protestantes) bem como as inúmeras reflexões sobre as controvérsias religiosas e políticas da época e as respectivas analogias com a realidade nacional do luto pela morte do soberano, de sabor sebastianista. Finalmente a última parte consiste na edição do texto e respectiva tradução. A tradução, nem sempre fácil numa leitura moderna, procura respeitar o nível estilístico e ornamental do produto poético de Venegas, denso de significado, e barroco avant la lettre.
Description: Tese de doutoramento em Letras, área de Estudos Clássicos (Literatura Neolatina), apresentada à Fac. de Letras de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/766
Appears in Collections:FLUC Secção de Estudos Clássicos - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ficheiro_temporario.pdf8.8 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.