Title: Morfologia, crescimento pubertário e preparação desportiva : estudo em jovens futebolistas dos 11 aos 15 anos
Other Titles: Growth, maturation and training : a study of youth soccer players 11-15 years of age
Authors: Figueiredo, António José Barata 
Keywords: Futebolista;Habilidades motoras;Capacidades funcionais
Issue Date: 22-Jan-2008
Citation: Figueiredo, António José Barata - Morfologia, crescimento pubertário e preparação desportiva : estudo em jovens futebolistas dos 11 aos 15 anos. Coimbra, 2008.
Abstract: O presente trabalho assume uma perspectiva auxológica do estudo do jovem futebolista analisando um conjunto de variáveis somáticas, de desempenho funcional e habilidades motoras específicas do futebol. Foram observados 159 futebolistas com idades compreendidas entre os 11.0 e os 15.2 anos, divididos em dois grupos etários de acordo com o regulamento das competições da Federação Portuguesa de Futebol, a saber: infantis (11-12 anos; 11.80.5) e iniciados (13-14 anos; 14.10.6). Foi recolhida a informação somática necessária à determinação do somatótipo e ainda a altura sentado. Na avaliação do desempenho funcional foram utilizados os seguintes testes: Yo-Yo, nível 1, (desempenho aeróbio); prova de 7 sprints (desempenho anaeróbio); 10 x 5 metros (agilidade); squat jump e counter movement jump (impulsão vertical). Na determinação da mestria motora recorreu-se ao seguinte conjunto de provas: controlo da bola; velocidade com bola; passe à parede; remate. O tempo entre as avaliações antropométrica, das capacidades funcionais, das habilidades motoras e a obtenção do filme radiológico, que levou à determinação da idade esquelética, não ultrapassou as duas semanas. Os estádios extremos na distribuição da pilosidade púbica da nossa amostra (estádio 1 e estádio 4) são os que menor concordância evidenciam entre hetero e autoavaliação, desaconselhando a utilização desta última nas fases inicial e final da puberdade. Verificou-se uma similaridade nos resultados da estatura matura predita obtidos através das metodologias Khamis-Guo e Khamis-Roche, confirmando a possibilidade de utilização desta última, mesmo sem recurso à idade esquelética. A estimativa indirecta da idade no pico de velocidade de crescimento, maturity offset, registou valores próximos do relatado para jovens futebolistas (Bell, 1994; Philippaerts et al., 2006). O método Fels inflacionou as idades esqueléticas relativamente ao método TW3, resultando numa maior percentagem de sujeitos adiantados maturacionalmente com a primeira metodologia e uma maior percentagem de sujeitos atrasados com o segundo método. Esta verificação corrobora as preocupações evidenciadas por alguns autores (Malina, 2004b; Malina et al., 2007a) no que se refere à dificuldade de utilização da idade esquelética para determinar o correcto enquadramento de um jogador num dado grupo etário. A divisão da amostra por grupos de maturação esquelética mostrou uma distribuição mais homogénea pelas categorias atrasado, normomaturo e adiantado no escalão de infantis, enquanto que no escalão iniciados se verificou uma depressão do grupo atrasado e com um incremento do número de efectivos considerados adiantados maturacionalmente. Esta tendência está de acordo com o apontado por diversos investigadores no que se refere aos jogadores mais adiantados maturacionalmente dominarem o jogo com o avançar das etapas de formação desportiva (Malina et al., 2000; Malina, 2003). O efeito da maturação sobre as variáveis dependentes em estudo, expurgando a acção da idade cronológica e do tamanho corporal, foi maior também no escalão de iniciados. As capacidades funcionais e habilidades motoras mostraram-se predizíveis a partir de um conjunto de indicadores somáticos e de experiência desportiva, assumindo este último (anos de prática) um maior poder explicativo nos iniciados. Antes de abandonar a prática do futebol, os iniciados apresentavam uma maior discrepância em relação ao grupo que se manteve no processo de treino, sendo estas diferenças mais atenuadas no escalão de infantis.
The present study focuses an auxologic perspective of the young soccer player analyzing a set of somatic variables, functional capacities and skills. 159 soccer players with ages between 11.0 and 15.2 years were observed and divided in two age groups, in agreement with the regulations of the Portuguese Soccer Federation: infantiles (11-12 years; 11.80.5) and initiates (13-14 years; 14.10.6). Was collected the necessary somatic information to determine the somatotype. Sitting height was also determined. In the assessment of the functional capacities were used the following tests: Yo-Yo, level 1, (aerobic performance); 7 sprints (anaerobic performance); 10 x 5 shuttle run (agility); squat jump and counter movement jump (power of lower limbs). In the assessment of skills were used the following protocols: Ball control; dribbling speed; wall pass test; shooting accuracy. Among the assessments of the anthropometric, functional and skills variables and the x-rays to determine the skeletal age, didn't spend more than two weeks. In our sample the extreme stages in the distribution of the pubic hair (stage 1 and stage 4) show a smaller agreement between clinical and self-assessment, dissuading the use of the last one in the beginning and final stages of puberty. A similarity between the results of the predicted adult stature obtained through the Khamis-Guo and Khamis- Roche methodologies, confirm the last one as a good option, even without using the skeletal age. The indirect estimate of age in peak height velocity, maturity offset, showed close values with the reports in the literature for young soccer players (Bell, 1994; Philippaerts et al., 2006). The Fels method increased the skeletal ages relatively to the TW3 method, resulting in a larger percentage of subjects early matures with the first methodology and a larger percentage of late matures with the second method. This verification supports the several studies (Malina, 2004b; Malina et al., 2007a) that note the difficulty to use the skeletal age as indicator to determine a player's chronological age. Grouping the sample by maturational status, a more homogeneous distribution in the categories (late, average and early) was observed in the infantiles age-group, while in the initiates group was verified a decrease of the late mature group and an increment of the players considered early matures. This tendency is in concordance with the findings of several investigators who refer that players early matures dominate the game after 13-a4 years of age (Malina et al., 2000; Malina, 2003). The effect of the maturation on the dependent variables, controlling the effect of chronological age and body size, was larger in the initiates. The functional capacities and skills were partially explained from a group of somatic indicators and sport experience, assuming the last one (years of practice) a larger explanatory power in the initiates. Before dropping out from soccer practice, the initiates showed a larger discrepancy between them and the group of players that were kept in the training process. These differences were smaller in the infantiles age-group
Description: Tese de doutoramento em Ciências do Desporto e Educação Física (Ciências do Desporto) apresentada à Fac. de Ciências do Desporto e Educação Física de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/7415
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCDEF - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Resumo_tese_AF.pdf58.12 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record
Google ScholarTM
Check
Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.