Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/650
Title: Arte Monástica em Lorvão: Sombras e realidade: I - Das origens a 1737
Authors: Borges, Nelson Correia 
Keywords: História da Arte; Lorvão -- Monografia Histórica
Issue Date: 5-Jan-1993
Citation: BORGES, Nelson Correia - Arte monástica em Lorvão : sombras e realidade : I das origens a 1737 . Coimbra, 1992.
Abstract: O longo passado artístico do Mosteiro de Lorvão é traçado tendo em atenção todas as condicionantes de ordem geográfica, política, económica, social e principalmente cultural. Este passado apresenta-se, por via de regra, como o espelho dos momentos mais felizes ou infortunados da sua história, mas é, acima de tudo, a expressão do ideal espiritual que sempre presidiu à vida da comunidade. Instituição masculina do monaquismo peninsular, nascida no século VI (pedra visigótica), acabou por adoptar a Regra de S. Bento e sofrer uma grande reforma nos alvores do século XIII, operada pela rainha D. Teresa, filha de D. Sancho I, que a transformou no primeiro mosteiro feminino cisterciense de Portugal. É estudada a arte da época medieval através dos vestígios, peças subsistentes e referências. 1597 marca o início da renovação dos edifícios, com a construção do novo claustro. As obras, que transformaram por completo a fisionomia da velha casa monástica, prolongar-se-iam até ao começo do século XIX, mas são analisadas apenas até 1737, data da inauguração da noviciaria, duplamente significativa, pois marca o fim do ciclo do Barroco, e simultaneamente o início de nova geração de religiosas, com outra sensibilidade estética. Todas as obras realizadas se subordinaram à preocupação da qualidade, pelo que sempre se recorreu a artistas bem conceituados. Por Lorvão passaram, no período estudado, arquitectos como Carlos Gimac e Gaspar Ferreira, pintores como Miguel de Paiva, André Reinoso e Agostino Masucci, escultores como Manuel Ferreira e João da Rocha, entalhadores como Simão da Mota, Luís Vieira da Cruz e Bento Vieira, para não falar em ourives prateiros como Manuel Carneiro da Silva e muitos outros mestres. Realça-se a actividade dos monges arquitectos de Cister: Fr. João Salvado (dormitório e talvez varandas do claustro), Fr. João do Espírito Santo (retábulo-mor de 1698), Fr. Luís de S. José (retábulo das Santas Rainhas), Fr. Alexandre de S. João (planta da noviciaria).
Description: Tese de doutoramento em Letras (História da Arte) apresentada à Fac. de Letras da Univ. de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/650
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Artes - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s)

292
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.