Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/577
Title: A Daphia magna como modelo de estudo ecotoxicológico de desreguladores endócrinos.
Authors: Barbosa, Isabel Rita Rebelo Ferreira 
Orientador: Soares, Amadeu Mortágua Velho da Maia
Keywords: Toxicologia
Issue Date: 5-Nov-2004
Abstract: A Daphnia magna tem sido largamente utilizada como organismo teste em estudos de toxicidade aguda e crónica de diversos compostos químicos presentes em ecossistemas aquáticos. Avaliou-se a toxicidade aguda e crónica do solvente dimetil sulfóxido (DMSO) no organismo invertebrado Daphnia magna e na bactéria luminescente Vibrio fischeri. Os valores de CE50 ou LC50 foram comparado com os da literatura para diferentes solventes. O teste de toxicidade aguda do DMSO (48 horas) apresentou um valor de CE 50 de 24,6 g/L para a Daphnia magna, e um CE50 de 71,4 g/L para a bactéria Vibrio fischeri. A exposição das dáfnias a concentrações sub-letais de DMSO, não teve efeitos na reprodução da primeira ninhada e no final do teste, como também não afectou o seu crescimento. O DMSO não apresentou toxicidade para a dáfnia no intervalo de concentrações testadas ( 6.8 x 10-3 –1.1 x 10-1 g/L ). Vários compostos químicos de diferente origem provocam alterações no sistema endócrino que podem ter consequências nefastas para o Homem e vida selvagem. Neste contexto, investigou-se a toxicidade dos esteróides testosterona e da 4-hidroxiandrostenodiona (4-OHA) como potenciais compostos desreguladores endócrinos, utilizando a Daphnia magna como organismo teste. No teste de toxicidade aguda da 4-OHA foi determinado um valor de CE50 de 24,6g/L. A exposição das dáfinas a concentrações sub-letais de testosterona (0,15-2,48 mg/L) e 4-OHA (0,22-0,84 mg/L) afectou significativamente a reprodução ao nível do desenvolvimento embrionário. A testosterona produziu um efeito abortivo na primeira ninhada, enquanto que a 4-OHA provocou um aumento da mortalidade dos neonatos na última ninhada do teste. A toxicidade dos desreguladores endócrinos pode também ser avaliada pelos metabolitos da testosterona produzidos pela Daphnia magna quando exposta a esses compostos. Desenvolveu-se uma metodologia analítica adequada à identificação destes metabolitos quando exposta ao dietilbestrol (DES). Utilizou-se cromatografia líquida de alta pressão (HPLC) com um espectrómetro de massa –massa de triplo quadrupolo com uma interface de ionização por electrospray (HPLC-ESI-MS-MS). As condições experimentais e instrumentais foram optimizadas. Os principais metabolitos produzidos pelas dáfnias quando expostas a 0,54 mg/L de DES durante 48 horas, seguido de incubação com 0,54 mM de testosterona, foram a androstenodiona e a 2a-OHT. Além destes metabolitos identificaram-se também a 16a-OHT, 6 b-OHT, 19- OHT e 15b-OHT.
Description: Tese de doutoramento em Farmácia (Toxicologia) apresentada à Fac. de Farmácia da Univ. de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/577
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 20

635
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.