Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/458
Title: Subcontratação e autonomia empresarial : o caso português
Authors: Marques, Maria Manuel de Lemos Leitão 
Keywords: Estruturas Sociais da Economia e História Económica; Direito de empresa -- Portugal; Subcontratação -- Portugal
Issue Date: 7-Mar-1990
Citation: MARQUES, Maria Manuel Leitão - Subcontratação e autonomia empresarial : o caso português. Coimbra, 1989.
Abstract: Nas economias de mercado, a subcontratação ocupa hoje um lugar importante nas relações entre as empresas, tanto no plano nacional como internacional. Atestam-no a existência de inúmeros estudos teóricos sobre o tema, o interesse de diversas organizações internacionais pela sua investigação e a crescente atenção que as associações industriais lhe dedicam. Tratando-se, embora, de uma relação diferenciada e complexa, o seu estudo é importante para uma exacta e correcta compreensão das relações contratuais entre as empresas no mundo actual. Neste trabalho, considera-se que as relações contratuais entre empresas são uma forma de organização privada da produção e da distribuição e demonstra-se que essas relações nunca foram sujeitas a uma intervenção, marcadamente directiva e restritiva, por parte do Estado (apesar da defesa da concorrência). Daí que, essas relações tenham sido sempre susceptíveis de regulação privada e que essa característica tenda a acentuar-se com a actual procura de maior flexibilidade. Para tentar comprovar estas afirmações, estuda-se a relação de subcontratação pressupondo que ela é uma relação contratual continuada como vem a confirmar-se amplamente auto-regulada que, em determinadas circunstâncias, pode levar a alterações estruturais na organização da empresa subcontratada, surgindo muitas vezes situações em que a de desigualdades de forças se conjuga com uma lógica de cooperação e de solidariedade orgânica. Importa começar por verificar se na origem de situações de domínio e de colaboração entre empresas é frequente encontrar algo mais do que meras relações entre entidades autónomas. Tratar-se-ia, nesse caso, de situações intermédias, ou mesmo diferenciadas, de relações hierárquicas e de relações de mercado. Procura saber-se até que ponto a sua regulação - quer da planificação quer da resolução de conflitos - escapa, em parte, ao que tradicionalmente se entende por direito dos contratos. Na análise da subcontratação como relação industrial, sublinha-se o seu carácter complexo, referindo e explicitando as suas múltiplas funções económicas e a sua importância fundamental para as pequenas e médias empresas, sobretudo no tocante às relações que as ligam às grandes empresas nacionais e estrangeiras. Examinam-se ainda as implicações de natureza exclusivamente jurídica decorrentes do subcontrato industrial- por exemplo, em matéria de responsabilidade, propriedade industrial e concorrência -, discute-se a questão da sua qualificação através do confronto com outras figuras contratuais e refere-se, também, o comportamento do Estado perante este tipo de relações entre empresas. Uma questão importante é, naturalmente, o estudo da subcontratação como relação de dependência ou como relação de cooperação, um elemento fundamental para a própria caracterização da empresa subcontratada e, mais especificamente, para a aferição do modo como a subcontratação afecta a sua contratação afecta a sua autonomia empresarial. É neste contexto que, para certas relações de dependência, se formula o conceito de empresa por conta de outrem. Para o estudo empírico da subcontratação no aspecto, simulta-neamente, microjurídico e microeconómico, Portugal foi a sociedade escolhida. Os resultados obtidos permitem não só observar como, do ponto de vista jurídico e económico, se organizam, efectivamente, essas relações, como ainda, em matéria de subcontratação internacional, evidenciar que, no contexto da segmentação internacional dos processos produtivos, a posição de Portugal é predomibnantemente a de subcontratado. A compreensão da subcontratação obrigou a uma abordagem interdisciplinar, ou seja, não apenas jurídica, mas também sociológica e económica. Daí que os métodos utilizados tenham sido de vária ordem, desde a análise documental à análise estatística, passando pelo recurso ao inquérito por questionário no estudo qualitativo da relação de subcon-tratação enquanto relação entre empresas. Por último, o estudo das importações e exportações temporárias, em aperfeiçoamento activo ou passivo, permitiu clarificar a posição de Portugal em matéria de subcon-tratação internacional.
Description: Tese de doutoramento em Economia (Estruturas Sociais da Economia e História Económica - Direito Económico) apresentada à Fac. de Economia de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/458
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 10

900
checked on Sep 29, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.