Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/32792
Title: O poder dos media nos conflitos : o caso da Ucrânia
Authors: Krutikova, Iuliia 
Orientador: Freire, Maria Raquel
Keywords: Media; Discurso; Identidade; Agenda-setting; Framing; Relações de poder; Opinião pública; Crise da Ucrânia; Euromaidan; Crimeia.
Issue Date: 20-Sep-2016
Publisher: FEUC
Serial title, monograph or event: O poder dos media nos conflitos : o caso da Ucrânia
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: A Teoria Construtivista surgida no contexto do final da Guerra Fria e integrada na quarta geração dos debates das Teorias das Relações Internacionais, procurou trazer novas respostas aos novos desafios que a realidade internacional apresentava, nomeadamente, introduziu a importância da questão da identidade e do poder normativo dos discursos na construção dos significados sociais. Cynthia Weber (2010) avançou com a ideia de que os significados sociais existentes são produzidos e transformados através dos meios de comunicação, o que permite considerar os media enquanto atores relevantes na construção da realidade social. Uma das teorias que estuda o papel dos media na construção da realidade social é a teoria de agenda-setting. Surgida pela primeira vez na obra de Walter Lippmann (1922) e desenvolvida empiricamente nos estudos de Maxwell McCombs e Donald Shaw (1972) identificou o poder dos meios de comunicação para selecionar eventos específicos (problemas, tópicos, eventos) e focar o público na sua importância e assim, informar o público sobre o que pensar e como pensar. O segundo nível da teoria – framing, desenvolvido por Robert Entman, defendia ainda que ao selecionar certos aspetos da realidade e torná-los mais visíveis, os media oferecem ao público a definição e interpretação específica do problema, a avaliação moral e uma possível solução. Portanto, as duas teorias reconhecem o poder discursivo na criação da realidade e dos significados sociais. O presente trabalho tem por objetivo comparar as agendas mediáticas russas e ucranianas no período da Crise da Ucrânia, para perceber o impacto que os media tiveram sobre a opinião pública. Tendo em conta o facto de nestes países se receber informação maioritariamente a partir dos media tradicionais, e a vontade de entender qual foi a imagem da crise construída dentro destes dois países, foram analisados apenas os noticiários dos canais de televisão nacionais. De forma a compreender o impacto do discurso mediático na construção da realidade para estes dois países foram analisadas duas fases principais do conflito, as manifestações do Euromaidan e o caso da Crimeia. Com a aplicação da análise no âmbito da teoria de agenda-setting – framing, olhou-se a evolução do discurso mediático, a linguagem utilizada para caracterizar os atores, eventos e decisões políticas, bem como foram identificados os principais focos, acentos e avaliações dos conteúdos. A análise efetuada com aplicação do método de framing mostrou que os temas presentes nas agendas de ambos os países foram semelhantes, contudo a natureza da leitura, os focos da cobertura e interpretação dos eventos divergiram bastante. A utilização de conceitos como discurso e identidade, analisados no âmbito da teoria construtivista, permitiram identificar as normas que compunham o discurso mediático de ambos os países para legitimar determinadas ações das autoridades, bem como compreender como a realidade construída afetou a identidade nacional russa e ucraniana. Notou-se a utilização da tática discursiva “demonização do outro” pelos media de ambos os países em diferentes períodos de tempo. No que diz respeito à identidade ucraniana, que após a Independência ainda não está completamente formada, o discurso mediático que divergia nos canais nacionais ucranianos teve impacto negativo e no geral favoreceu a ideia da “nação partilhada”. Contudo, com o caso da Crimeia as agendas mediáticas ucranianas criaram a imagem da Rússia enquanto o “agressor externo”, o que pode ser visto como solução temporária para o problema da identidade ucraniana. No caso da Rússia, o discurso mediático afetou positivamente a identidade nacional e confirmou a hipótese sobre as aspirações civilizacionistas e estatistas das autoridades russas. O estudo sublinhou a construção de realidades divergentes sobre os acontecimentos ucranianos pelas agendas mediáticas, bem como identificou a violação dos padrões jornalísticos por ambos os lados. Além disso, a cobertura e a leitura feita pelos media ucranianos e russos sobre os acontecimentos políticos reflete a posição/visão do estado ou das elites, e como resultado, afeta a opinião pública e a objetividade dos eventos transmitidos.
Description: Dissertação de mestrado em Relações Internacionais (Estudos Europeus), apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Maria Raquel Freire.
URI: http://hdl.handle.net/10316/32792
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE_final_iuliia_krutikova.pdf1.28 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

541
checked on Sep 14, 2020

Download(s) 50

443
checked on Sep 14, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.