Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/32693
Title: Reflexões sobre o Positivismo Jurídico no Brasil: uma análise da crise ecológica
Authors: Souza, José Fernando Vidal de 
Issue Date: Aug-2007
Publisher: Centro de Estudos Sociais
Serial title, monograph or event: Oficina do CES
Volume: 283
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: O positivismo ainda hoje permite à ciência revestir-se de certeza e o conhecimento produzido no Norte é transferido para o Sul desprovido de dúvidas, principalmente por agências internacionais. Desta forma, a ciência é vista como uma mercadoria que pode ser consumida, pois já foi devidamente testada e aprovada. Esta lógica ressalta, pois, as diversas dicotomias entre o Norte e Sul como conhecimento/ignorância, centro/periferia, ensinar/aprender, racional/primitivo, etc. A ciência valorada e controlada como mercadoria enfatiza o capitalismo como lógica determinante de uma sociedade moderna globalizada e neoliberal que adota o viés cartesiano antropocêntrico e instrumentaliza a natureza, mediante a aplicação dos conceitos monetários e financeiros como reguladores da política e da sociedade. A ciência propõe, assim, um modelo reducionista como forma de dominação dos diversos saberes, que inviabiliza o diálogo, dissolve os valores pelo monopólio da racionalidade e impõe o predomínio da técnica. O direito positivo, desta forma, atende plenamente aos anseios epistemológicos da ciência moderna à medida que ordena a dicotomia Estado/sociedade civil, mediante a prática econômica capitalista globalizada. Este modelo cartesiano e reducionista imprime total falta de alteridade e estabelece uma leitura irreal da realidade, o que gera uma marginalização e subalternidade de boa parte da população mundial. Assim, se ignora as várias formas de cultura e os grupos sociais que as integram com franco desrespeito às diversidades da natureza identitárias. A complexidade ambiental, porém, faz surgir as dicotomias e exige uma resposta que não se satisfaz com as explicações do positivismo jurídico, pois o seu objeto é conglobante e identifica o ser no mundo e não o toma como a idéia de uno, individual ou absoluto. Desta maneira, a epistemologia ambiental traduz uma política de solidariedade do ser e da diferença. A crise de conhecimento coincide com a crise no âmbito ambiental, pois o saber ambiental não se contenta com uma leitura racional e homogênea do mundo. O saber ambiental busca a transcendência da individualidade existente na dimensão socio-político-econômica. A tarefa que se impõe é pensar como se constrói o processo de individuação e como surgem as nossas idiossincrasias culturais e socioeconômicas, procurando criar um mundo mais voltado para o social. No Brasil, porém, o Positivismo promove uma ruptura com o senso comum, em favor da implantação do Estado liberal, que é criado para substituir o Império e o modelo de uma sociedade escravocrata. Neste contexto, os professores de direito passam a adotar a postura cômoda de meros intérpretes e repetidores dos textos legais.
URI: http://hdl.handle.net/10316/32693
ISSN: 2182-7966
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Oficina do CES

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Reflexões sobre o Positivismo Jurídico no Brasil.pdf377.67 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

428
checked on Sep 15, 2020

Download(s)

61
checked on Sep 15, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.