Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/30565
Title: Disfunção sexual na esclerose múltipla
Authors: Mota, Ana Marta Barreto 
Orientador: Nunes, Pedro Tiago Coelho
Oliveira, Francisco Agostinho Rolo Marques de
Keywords: disfunção sexual; esclerose múltipla; sexualidade; funcionamento sexual; atividade sexual
Issue Date: 2015
Abstract: A disfunção sexual entende-se por qualquer alteração que pode surgir nas várias fases da resposta sexual – desejo, excitação e orgasmo, atingindo ambos os sexos; pode ter uma causa orgânica, psicológica ou mista. Dentro das causas orgânicas, inclui-se a esclerose múltipla, doença inflamatória crónica desmielinizante do Sistema Nervoso Central, que surge frequentemente entre os 20 e 40 anos de idade, coincidindo com o período de maior atividade sexual do ser humano. Como tal, um dos sintomas importantes, é a disfunção sexual. Os objetivos desta revisão são apurar a prevalência deste sintoma em cada sexo, o tipo de transtorno mais frequente, compreender se contribui para a deterioração da qualidade de vida e qual a abordagem atual destes doentes. Como metodologia recorreu-se à base de dados PubMed, e a pesquisa foi realizada com um horizonte temporal de 14 anos. Utilizou-se ainda referências de livros e de sites pertinentes. Concluiu-se que a disfunção sexual é um sintoma prevalente da esclerose múltipla, que ocorre até 80% nas mulheres e até 90% nos homens. A diminuição da líbido é frequente em ambos os sexos, sendo a disfunção erétil e a alteração do orgasmo, as queixas mais comuns no homem e na mulher, respetivamente. Apesar de não existirem muitos estudos nesta área, verifica-se que a disfunção sexual tem um impacto negativo na qualidade de vida dos doentes, e que é ainda pouco reportada e subdiagnosticada pelos profissionais de saúde. Uma abordagem multidisciplinar, com contributo importante do urologista, pode permitir o diagnóstico precoce deste sintoma, e uma terapêutica mais direcionada.
Sexual dysfunction is an alteration that may occur at different stages of sexual response – desire, arousal and orgasm; affects both sexes and can have an organic, psychological or mixed cause. Multiple sclerosis, a chronic inflammatory demyelinating disease of the central nervous system, is a common organic cause of sexual dysfunction, which arises between 20 and 40 years old, period of increased sexual activity in a human. The aim of this review is to investigate the prevalence of this symptom on both sexes, the most common type disorder, understand whether it contributes to decrease the quality of life, and what the current management of patient’s. PubMed was the database used, and the research was conducted with a time horizon of 14 years. Also books and websites references were used. In conclusion, sexual dysfunction is a prevalent symptom of multiple sclerosis, which happens until 80% in women’s and 90% in men. Decreased libido is often on both sexes, erectile dysfunction and orgasm changes are the most common complaints in man and women, respectively. Although, there are few studies about this area, it seems like sexual dysfunction has a negative impact in patient’s quality of life, and it still is poorly reported or under diagnosed by health professionals. A multidisciplinary approach, with substantial contribution of the urology, could allow early diagnosis of this symptom, and more targeted therapy.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina, apresentado à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/30565
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese Marta finalissima.pdf565.35 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 10

1,340
checked on Aug 5, 2020

Download(s) 20

1,041
checked on Aug 5, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.