Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/29125
Title: Eficiência dos bancos angolanos
Authors: Macanda, Nkanga Pedro João 
Orientador: Mendes, António José Marques
Keywords: Bancos; Angola; Análise envoltória de dados; Eficiência; Rácios financeiros
Issue Date: 22-Jun-2015
Publisher: FEUC
Citation: Macanda, Nkanga Pedro João - Eficiência dos bancos angolanos, Coimbra, 2015
Abstract: A importância das instituições financeiras na economia e a sua crescente globalização, associada à internacionalização dos capitais, tem conduzido a uma crescente diversidade de bancos e dos seus respetivos serviços. Face a este contexto competitivo, os bancos têm procurado, de forma eficiente, mecanismos que proporcionem maiores rentabilidades e satisfaçam as necessidades das partes interessadas. Desde 1991 tem ocorrido em Angola abertura de instituições bancárias de capitais nacionais e estrangeiros que proporcionam uma diversidade de serviços e produtos bancários e impulsionam a economia. O Banco Central de Angola, entidade reguladora, tem adequado as normas prudenciais do setor às normas internacionais. Este trabalho tem como objetivo medir a eficiência técnica dos bancos angolanos, de 2011 a 2013, utilizando a abordagem de Análise Envoltória de Dados (DEA). Os resultados foram através de quatro fatores determinantes de eficiência: Estrutura de propriedade, dimensão do banco, antiguidade do banco e o rácio de solvabilidade regulamentar. Na análise DEA foi utilizado os modelos clássicos CCR e BCC, em abordagem de intermediação, considerando quatro variáveis como input e duas variáveis com output. Foi feita também uma análise com base nos rácios financeiros e, assim, comparadas as conclusões das duas análises. Com base numa amostra de 20 bancos, cujos dados foram recolhidas no website de cada instituição, os resultados obtidos pela DEA mostram que: a) os grandes bancos, os novos bancos e os bancos estrangeiros são mais eficientes que os restantes, enquanto em termo de rácio de solvabilidade regulamentar, o grupo de bancos com rácio abaixo de 10% foram os mais eficientes nos dois primeiros anos; b) a análise de eficiência por meio de rácios financeiros mostra que os antigos bancos, os bancos estrangeiros e os bancos com rácio de solvabilidade regulamentar acima de 20% foram mais eficientes pelo ROA (Retorno sobre o ativo) e ROE (Retorno sobre o capital). Os resultados das duas abordagens revelam ainda que os bancos públicos foram menos eficientes e, que a dimensão e a eficiência têm uma relação positiva, enquanto a antiguidade influência negativamente na eficiência. Conclui-se que as interpretações fornecidas pelos dois modelos não foram muito diferentes uma da outra.
Description: Dissertação de mestrado em Contabilidade e Finanças, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de António José Marques Mendes.
URI: http://hdl.handle.net/10316/29125
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Capa.doc228.5 kBMicrosoft WordView/Open
Folha de Rosto.doc57 kBMicrosoft WordView/Open
Tese.pdf1.96 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

658
checked on Sep 24, 2020

Download(s) 20

838
checked on Sep 24, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.