Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/27598
Title: O papel da União Europeia no contexto das revoluções das Rosas e Jasmim
Authors: Diogo, Inês Cristiana Robalo 
Orientador: Freire, Maria Raquel de Sousa
Keywords: Revolução das Rosas; Revolução Jasmim; Democracia; PEV; Diálogo intercultural
Issue Date: 1-Oct-2014
Publisher: FEUC
Citation: Diogo, Inês Cristiana Robalo - O papel da União Europeia no contexto das revoluções das Rosas e Jasmim, Coimbra, 2014
Abstract: A onda de revoluções da Primavera Árabe tem sido ultimamente alvo de particular atenção de especialistas em questões do Norte de África e Médio Oriente, assim como de instituições como a UE. Sendo que a primeira destas Revoluções a surgir, a Revolução Jasmim na Tunísia ofereceu ao Ocidente razões que faziam crer na ocorrência de uma transição democrática. Em termos paralelos, também a Revolução das Rosas, ocorrida em 2003, na Geórgia, fomentou a esperança para os ocidentais de que daí para a frente o país se tornasse numa democracia. No entanto, atualmente, nem a Geórgia nem a Tunísia são países considerados democráticos. Embora não sendo certamente o principal responsável para o fracasso destas transições, a UE assume algumas responsabilidades que não devem de todo ser descuradas. Assim sendo, o propósito desta dissertação é estudar o papel da UE tanto na Revolução Jasmim como na Revolução das Rosas, sendo que para tal é imperativo avaliar a influência da União para o Mediterrâneo e da Parceria Oriental, inseridas no âmbito da PEV. Para esta análise, é fundamental também considerar a preponderância de outros atores internacionais, nomeadamente dos EUA e da Rússia, estudando, dessa forma, o seu comportamento ao longo destas duas Revoluções, o que implica, automaticamente, retirar conclusões sobre a sua influência na execução dos vários planos europeus. Ao longo desta dissertação, é analisado o conceito de democracia uma vez que este é um dos princípios fundamentais que norteia a atuação da UE. Importa analisar a forma como este conceito se refletiu na atuação da UE, tendo em conta que esta instituição é assolada pelo problema do défice democrático, que muitas vezes impede uma resposta mais clara e coerente em processos de transição democrática. Além disso, existem diversas interpretações sobre o conceito de democracia, o que leva a que seja frequentemente criticado pelos países em transição a imposição de um tipo de democracia, não condizente com as suas práticas religiosas, por exemplo. Neste âmbito, a relação intrínseca entre direitos humanos e democracia, inquestionável para a UE, pode ser um entrave ao entendimento entre a UE e países como a Tunísia. Deste modo, impõe-se como central o diálogo intercultural que pressupõe o respeito entre culturas diferentes. Ao aderir a este princípio, a UE completa-se enquanto agente democrático, capaz de aceitar culturas diferentes, que por seu turno, procuram também aproximar-se da União, visando os benefícios mútuos que podem advir destas relações.
Description: Dissertação de mestrado em Relações Internacionais (Estudos da Paz e de Segurança), apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Maria Raquel de Sousa Freire.
URI: https://hdl.handle.net/10316/27598
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado
FEUC- Teses de Mestrado

Show full item record

Page view(s) 50

477
checked on Jul 16, 2024

Download(s)

181
checked on Jul 16, 2024

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.