Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/26387
Title: Contribuições para a Avaliação Clínica do Edema Macular Diabético
Authors: Pires, Isabel 
Orientador: Lobo da Fonseca, Conceição
Keywords: Diabetes Mellitus; Retinopatia Diabética; Edema Macular Diabético; Optical Coherence Tomography; Espessura da Retina
Issue Date: 17-Mar-2015
Citation: PIRES, Isabel Alexandra de Sousa - Contribuições para a avaliação clínica do edema macular diabético. Coimbra : [s.n.], 2014. Tese de doutoramento. Disponível na WWW em: <http://hdl.handle.net/10316/26387>
Abstract: A diabetes é um grave problema de saúde pública, que afeta progressivamente mais pessoas em todo o mundo, estimando-se que, em 2035, o número de diabéticos possa atingir os 592 milhões. A retinopatia diabética (RD) é uma complicação frequente da diabetes e, atualmente, a principal causa de cegueira em adultos em idade laboral no mundo ocidental. As lesões de retinopatia progridem distintamente em indivíduos diferentes, e um número limitado irá desenvolver as complicações que se associam a perda visual, o edema macular clinicamente significativo (EMCS) e a RD proliferativa, das quais o edema é a mais frequente. Embora o controlo metabólico intensivo e o ajuste da pressão arterial diminuam a incidência e progressão da RD e do EMCS, as complicações persistem, sugerindo o papel de outros fatores de risco e uma provável influência genética. O impacto da perda visual tem consequências humanas, comunitárias e económicas enormes e, aparentemente, o custo económico poderia ser reduzido pela deteção precoce e tratamento atempado da RD. Na diabetes, o principal objetivo é prevenir a RD ou, quando inevitavelmente se desenvolvem as lesões de RD, intervir em fases precoces, assintomáticas, para preservar a visão. É essencial compreender os mecanismos pelos quais a diabetes afeta a retina e melhorar os meios para a deteção precoce da doença. Identificar doentes em risco de desenvolver EMCS e perda visual, compreender as suas causas e progressão é fundamental para uma conduta terapêutica adequada e para evitar a perda visual e a incapacidade permanente. O contributo que se pretende dar com esta tese baseia-se nos resultados de vários estudos que temos realizado nas fases iniciais da RD, na diabetes tipo 2, usando o optical coherence tomography (OCT), uma metodologia não invasiva que permite quantificar a espessura da retina e detetar alterações, desde as fases mais iniciais da doença retiniana na diabetes. Pretendemos, também, avaliar potenciais marcadores de risco de progressão das lesões retinianas para o desenvolvimento de EMCS. Por outro lado, face ao uso crescente do OCT na prática clínica e em investigação, procuraremos estabelecer intervalos de valores da espessura da retina que permitam presumir a sua alteração, e portanto, a presença de doença. No capítulo I, encontramos a introdução, algumas generalidades relativas à diabetes e aspetos gerais da RD, nomeadamente os mecanismos fisiopatológicos aparentemente envolvidos na lesão da unidade neurovascular da retina, a caracterização da história natural da doença retiniana e o rastreio comunitário da RD. No capítulo II abordaremos o edema macular diabético, no que diz respeito a epidemiologia, fatores de risco e anatómicos/estruturais da área macular central com influência no seu desenvolvimento e a sua fisiopatologia. Discutiremos a classificação clínica do edema macular diabético e as principais limitações que apresenta, em particular na caracterização das fases mais iniciais da RD, que levou à crescente necessidade do uso, para melhorar a caracterização e o diagnóstico precoce, de métodos quantitativos e objetivos de avaliação da espessura da retina na área macular, como o retinal thickness analyzer (RTA) e o OCT. Faremos uma abordagem destas duas metodologias. Apresentaremos e discutiremos os estudos que realizámos com o OCT e com o RTA. Assim, utilizámos o OCT e o RTA em doentes com diabetes tipo 2 nas fases iniciais da doença retiniana e mostrámos que, nestas fases, existem áreas localizadas de aumento da espessura da retina, por aumento da permeabilidade da barreira hemato-retiniana interna. Este pioneiro estudo foi publicado em 2002 na revista Archives of Ophthalmology. Depois, usando o OCT, estudámos um grupo de 410 diabéticos para observar as alterações da espessura da retina que podem ocorrer precocemente na diabetes e avaliámos a progressão durante 2 anos de olhos com edema macular subclínico. Mostrámos que, nas fases inicias da RD, ocorrem alterações distintas da espessura, em diferentes doentes, refletindo a diferente disfunção neurovascular na retina. Mostrámos, também, que o edema macular subclínico é um candidato órgão-específico a biomarcador de progressão da RD para EMCS. Estes trabalhos foram publicados na revista Ophthalmologica. Estabeleceremos, com vários sistemas de OCT, intervalos de valores de espessura da retina que permitem presumir a sua alteração. Por fim, neste capítulo, será abordada a caracterização morfológica do edema macular diabético com o OCT, e proposta uma classificação. No capítulo III encontram-se os artigos publicados e no capítulo IV estão as conclusões. Acreditamos que os nossos resultados contribuem para uma melhor abordagem da conduta preventiva e personalizada da RD no futuro.
Description: Tese de doutoramento em Ciências da Saúde (Pré-Bolonha), Ramo de Medicina, especialidade de Cirurgia (Oftalmologia) apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/26387
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Contribuições para a avaliação clínica do edema macular diabético.pdfDocumento principal - Tese de Doutoramento3.11 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 10

847
checked on Sep 28, 2020

Download(s) 50

375
checked on Sep 28, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.