Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/2004
Title: Mineralogia, Petrologia e Geoquímica de Rochas Granitóides da Área de Castlo Branco - Idanha-a-Nova.
Authors: Antunes, Isabel Margarida Horta Ribeiro 
Orientador: Neiva, Ana Margarida Ribeiro
Silva, Maria Manuela da Vinha Guerreiro da
Keywords: Mineralogia, Petrologia e Geoquímica; Ciências da Terra
Issue Date: 20-Dec-2006
Abstract: Na área de Castelo Branco-Idanha-a-Nova, dois plutões intruíram o Complexo Xisto-Grauváquico Câmbrico. O plutão pré-varisco de Oledo-Idanha-a-Nova, do Ordovício inferior (479-480 Ma, U-Pb em zircão e monazite), está deformado. O granodiorito biotítico e o granodiorito de duas micas, do tipo I, têm encraves tonalíticos e granodioríticos. Os diagramas de variação das rochas e minerais e a modelização de elementos maiores e menores mostra que os encraves granodioríticos e o granodiorito biotítico hospedeiro derivam do magma tonalítico por cristalização fraccionada de plagioclase, grunerite, biotite e ilmenite. As variações irregulares de (87 Sr/86Sr) 480, ENd480 e d18 O indicam também mistura de magmas. O granodiorito biotítico-moscovítico, porfiroíde, do tipo I ou híbrido, é uma pulsação magmática distinta. Geoquímica do granodiorito de duas micas e seus encraves granodioríticos indica que resultam da mistura de dois magmas, o que foi testado e é confirmado pelos diagramas lineares e pelos valores de (87Sr/86)479, ENd479 e d18 O, o granito moscovítico-biotílico do tipo S é outra pulsação magmática. O plutão de Castelo Branco é inversamente zonado e formado por granitóides tardi-D3 varisco, do tipo S, do Carbónico médio (310 ± 1 Ma, U-Pb em zirção e monazite). O granito moscovítico G1, no centro do plutão, é rodeado pelo granodiorito biotílico- moscovítico G2, granodiorito porfiróide biotílico-moscovítico G3, que passa ao granito porfiróide de duas micas G4 e pelo granito moscovítico G5 que forma partes externas. Geoquímica e modelização de elementos maiores e menores provam que o granodiorito G3 e o granito G4 derivam do granodiorito G2 por cristalização fraccionada de quartzo, plagioclase, biotite e ilmenite. Os valores irregulares de ©Nd310 sugerem contaminação. Os granitos G1 e G5 têm razões isotópicas distintas e correspondem a duas pulsações magmáticas independentes.
URI: http://hdl.handle.net/10316/2004
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCTUC Ciências da Terra - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 10

755
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.