Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1607
Title: Regulação da secreção pulsátil de insulina em ilhéus pancreáticos por isoformas da proteína cinase C.
Authors: Baldeiras, Inês Esteves 
Orientador: Rosário, Luís Martinho do
Keywords: Biofísica Celular; Bioquímica
Issue Date: 5-Feb-2003
Abstract: A célula b pancreática tem a capacidade de libertar, de forma pulsátil, a insulina pré-armazenada, em resposta a um aumento da concentração plasmática de glicose. Embora os mecanismos iónicos subjacentes à iniciação da secreção de insulina pela glicose estejam razoavelmente bem caracterizados e o Ca2+ esteja bem estabelecido como o principal indutor de secreção, é sabido que estes não constituem os únicos factores que regulam o processo secretor. De facto, na base da segunda fase da secreção encontram-se mecanismos de amplificação, dependentes do metabolismo da glicose, que premitem que um aumento da [Ca2+]i dê origem a uma secreção sustentada de insulina. Por outro lado, a resposta secretora da célula b à glicose é modulada pela activação de receptores membranares acoplados a sistemas de amplificação da libertação de insulina. O objectivo principal deste trabalho consistiu em contribuir para o esclarecimento dos factores amplificadores da secreção pulsátil de insulina induzida por Ca2+ intracelular em ilhéus isolados, com particular destaque para a proteína cinase C. Para levar a cabo este trabalho utilizaram-se ilhéus isolados de ratinho e várias técnicas bioquímicas e de biofísica celular (com especial destaque para a medição da [Ca2+]i por microfluorescência de fura-2 e de secreção de 5-HT/insulina por microamperometria). Em extractos totais de ilhéus de ratinho foram detectadas uma isoforma ‘convencional’(PKC-a), uma ‘nova’(PKC-e) e duas ‘atípicas’ (PKC-l e -?). Os resultados indicam que a activação da PKC desempenha um importante papel na estimulação colinérgica da secreção pulsátil de insulina, muito embora não tenha um efeito detectável na secreção induzida por glicose. A estimulação colinérgica é especificamente mediada por PKC –a, enquanto que a acção do éster de forbol PMA parece resultar da activação conjunta das duas isoformas da PKC dependentes de DAG (PKC-a e-e).
Description: Tese de doutoramento em Bioquímica (Biofísica Celular) apresentada à Fac. de Ciências e Tecnologia de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/1607
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FCTUC Ciências da Vida - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s)

82
checked on Oct 13, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.