Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/14384
Title: Subgradação do carcinoma da próstata localizado: limitações da biópsia prostática
Other Titles: Undergrading of localized prostate cancer: limitations of prostate biopsy
Authors: Patrão, Ricardo 
Nunes, Pedro 
Bastos, Carlos 
Roseiro, António 
Mota, Alfredo 
Cunha, Maria Fernanda Xavier da 
Keywords: Próstata; Cancro; Biópsia; Estadiamento; Grau de Gleason
Issue Date: Sep-2010
Publisher: Associação Portuguesa de Urologia
Citation: PATRÃO, Ricardo [et al.] - Subgradação do carcinoma da próstata localizado: limitações da biópsia prostática. "Acta Urológica". 27:3 (2010) 33-38
Serial title, monograph or event: Acta Urológica
Volume: 27
Issue: 3
Place of publication or event: Lisboa
Abstract: Introdução: O carcinoma da próstata é a neoplasia sólida mais frequente no sexo masculino na Europa. Um estadiamento completo é essencial para escolher a forma de tratamento mais adequada a cada doente, sendo as informações obtidas com a biópsia prostática, essenciais neste processo. Objectivos: Comparar o score de Gleason na biópsia e na peça de prostatectomia radical numa série contemporânea de doentes. Material e Métodos: Foi efectuado um estudo retrospectivo, baseado em revisão de ficheiros clínicos, de 130 doentes com carcinoma da próstata clinicamente localizado, submetidos a biópsia prostática e prostatectomia radical no nosso Serviço, entre 1 de Janeiro de 2006 e 31 de Dezembro de 2007. A idade média dos doentes foi de 61,58 ± 6,21 anos (intervalo 48-75). Foram efectuadas biópsias prostáticas transrectais, ecoguiadas, com colheita de oito a 30 fragmentos (média de 11,39 ± 2,90). O tempo médio entre a biópsia e a cirurgia foi de 173,79 ± 11 dias (intervalo 14-963). Resultados: O score de Gleason da biópsia e da peça operatória foi o mesmo em 58,5% dos doentes. Encontrámos um score mais elevado na biópsia do que na peça de prostatectomia em 6,9%. O score de Gleason da peça operatória foi mais elevado do que o da biópsia em 34,6% dos casos (subgradação na biópsia). Separando os doentes em três grupos, com score da biópsia=5 (n=27), 6 (n=77) e >6 (n=26), verificou- se que a maior diferença se encontra no primeiro grupo (score=5), com subgradação na biópsia em 55,6% dos doentes. No terceiro grupo (>6), não existe diferença no score em 96,2% dos doentes. Relativamente ao número de fragmentos da biópsia, não se verificou diferença relevante na concordância de scores. Encontrámos neoplasias bilaterais em 44,2% das biópsias e em 84,5% das peças cirúrgicas. Conclusões: A biópsia prostática, independentemente do número de fragmentos colhidos, tem uma capacidade limitada na predição do grau de Gleason e da lateralidade do tumor na peça de prostatectomia radical. Este fenómeno deve ser tido em conta na escolha da modalidade e agressividade da terapêutica com intuito curativo do carcinoma da próstata.
URI: http://hdl.handle.net/10316/14384
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Subgradação do carcinoma da próstata localizado.pdf181.15 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

217
checked on Sep 23, 2020

Download(s)

163
checked on Sep 23, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.