Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/1020
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorAbreu, Manuel Viegas-
dc.contributor.authorPinho, Maria Salomé Ferreira Estima de-
dc.date.accessioned2008-12-04T14:48:39Z-
dc.date.available2008-12-04T14:48:39Z-
dc.date.issued2001-04-20en_US
dc.identifier.citationPINHO, Maria Salomé Ferreira Estima de - Tempo, acaso e investigação : em torno de algumas estereotomias em psicologia. Coimbra, 2000.-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/1020-
dc.descriptionTese de doutoramento em Psicologia (Psicologia Experimental) apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciencias da Educacao da Universidade de Coimbra-
dc.description.abstractNesta dissertação procede-se ao levantamento de algumas questões acerca do modo dominante de pensar a temporalidade, a investigação, a subjectividade e a memória. Tal questionamento é desenvolvido em três partes: “O tempo da investigação: errância”, “O tempo da técnica: indeterminação” (e Suplemento) e “O tempo da invenção: memória” articulando, de uma forma particular, três tempos: futuro (tempo da investigação), presente (tempo da técnica) e passado (tempo da invenção). Esta divisão do tempo é autorizada por uma certa utilização da figura da estereotomia (figura da técnica). Assim, na 1ª parte trata-se de como resistir ao fechamento do futuro, procurando-se bosquejar um contexto pautado pela necessidade de considerar a investigação como questão temporal, trabalho do tempo, que acolhe o desconhecido enquanto irredutível ao registo meramente autológico. O modo de ser do instrumento estatístico, em psicologia, nomeadamente através da abordagem do número enquanto marca (diferimento), de uma genealogia das variáveis sem privilégio de uma serenidade discursiva e das relações entre acaso e necessidade (com uma passagem obrigatória por Fechner e pelo sentido do conceito de probabilidade), foi caracterizado de acordo com um procedimento tentativo e constitui o âmago da 2ª parte. Neste procedimento assinala-se que a técnica fractura o presente e a efectividade. Já o Suplemento inscreve-se no regime do sentido pleno do número, ou seja, como código sem turbulência — rasura da relação com o inumerável —, privilegiando-se, consequentemente, um uso significativo e estabilizado. Analisa-se, neste contexto, a teoria representacional da medida na sua relação com a questão da estatística admissível, tomando como lastro o legado de Stevens e referem-se alguns problemas específicos da medida extrafísica. Na 3ª parte, atentando no desarranjo da “economia restrita” da memória, provocado pelo esquecimento, e na abordagem cognitiva do tempo (ilustrada pelo estudo da “ilusão” da duração preenchida e do telescopar anterógrado) sublinha-se a necessidade de pensar a psyche como ritmo, a singularidade de um sujeito inspirado, o esquecimento no seu carácter ambíguo e o tempo como espaçamento, diacronia.en_US
dc.language.isoporpor
dc.rightsembargoedAccesseng
dc.subjectPsicologia experimentalen_US
dc.titleTempo, acaso e investigação : em torno de algumas estereotomias em psicologiaen_US
dc.title.alternativeTime, chance and research : about some stereotomies in psychologyen
dc.typedoctoralThesisen_US
uc.controloAutoridadeSim-
item.fulltextSem Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
item.grantfulltextnone-
crisitem.author.researchunitCenter for Research in Neuropsychology and Cognitive Behavioral Intervention-
crisitem.author.orcid0000-0001-9786-2819-
Appears in Collections:FPCEUC - Teses de Doutoramento
Show simple item record

Page view(s) 10

680
checked on Aug 6, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.