Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/98483
Title: Impacto do estigma relativo à doença mental no Comportamento de Procura de Ajuda e de Doença na População Geral
Other Titles: The impact of mental illness stigma on the Illness and Help-Seeking Behaviour in the General Portuguese Population
Authors: Carvalho, Daniela Brum de
Orientador: Santos, António João Ferreira de Macedo e
Soares, Maria João de Castro
Keywords: Doença mental; Auto-estigma; Comportamento de procura de ajuda; Comportamento de doença; População geral; Mental disease; Self-Stigma; Illness behavior; Help-seeking behavior; General Population
Issue Date: 7-Jan-2021
Serial title, monograph or event: Impacto do estigma relativo à doença mental no Comportamento de Procura de Ajuda e de Doença na População Geral
Place of publication or event: Instituto de Psicologia Médica
Abstract: Introdução: O auto-estigma relativo à doença mental tem sido associado a uma redução do Comportamento de Procura de Ajuda (CPA) em doentes psiquiátricos e população geral, bem como a fatores de pior prognóstico e menor adesão terapêutica. Neste contexto, pretende-se estudar a relação do auto-estigma com o CPA e de Doença (CPAD) em adultos da População Portuguesa, verificando em que medida ambos se associam à saúde percebida, à gravidade dos sintomas e ao curso da perturbação. Materiais e Métodos: 398 indivíduos da população portuguesa (73,4% mulheres; idade média±DP=32,45±12,75 anos), preencheram um questionário online, incluindo a Escala de Estigma (EE), Escala CPAD, QSG-12, questões sobre o autorrelato da saúde física e psicológica, apoio social e antecedentes psiquiátricos. Da subamostra de respondentes da EE (n=115), constituíram-se três subgrupos baseados (1) na presença de perturbação mental e no respetivo período temporal de ocorrência (2) na pontuação total da EE e (2) do QGS-12.Resultados: Observou-se uma associação negativa entre o Estigma Global e a ECPAD-total e suas dimensões ‒ CPA, Comportamento de Doença/CD, Preocupações com a Saúde e Procura de Ajuda Proativa/ PCS&PAP ‒ e positiva com a Perceção da Saúde/PS. A dimensão CPA relacionou-se negativamente com as dimensões da EE: Divulgação, Discriminação, Aceitação e Crescimento Pessoal. Identificaram-se níveis superiores de estigma e inferiores de CPA nos grupos: com perturbação, de novo e/ou pior saúde mental atual. Estes grupos relatam uma pior saúde mental em toda a vida e menor apoio social (AS). Por último, a ECPAD e as suas dimensões apresentaram diferentes preditores significativos: Aceitação (ECPAD-total); Crescimento Pessoal e AS (CD); Crescimento Pessoal e Estigma Global (CPA); auto-relato da saúde psicológica e física (PS); idade e AS (PCS&PAP).Discussão: Globalmente, níveis elevados de auto-estigma, incluindo sentimentos de Discriminação e receios de Divulgação da condição mental, a baixa Aceitação e o baixo Crescimento Pessoal associam-se aos CPAD menos ajustados. Salienta-se que CPAD mais ajustados são influenciados, principalmente, pelos fatores positivos da EE e pelo AS, sendo mais preponderantes nos indivíduos que tenham experienciado perturbação mental no passado e que persiste na atualidade, sublinhando que mesmo um curso de doença crónico pode acompanhar-se de desenvolvimento pessoal e uma rede de apoio sólida. Por último, o AS parece prevenir o desenvolvimento de doença mental de novo.Conclusão: O auto-estigma tem um impacto negativo no CPAD dos indivíduos da população portuguesa e associa-se à perceção da saúde; gravidade sintomatológica e curso da doença.
Introduction: Self-stigma in the context of mental health has been associated with a reduction of Help-Seeking Behavior (HSB) in psychiatric patients and the general population, as well as, with poor prognosis and lower treatment compliance. Thus, the present study aims to investigate the association between self-stigma and Illness and HSB (IHSBS) in adults of the Portuguese population, investigating the extent to which both are associated with perceived health, symptoms severity and the course of the disorder.Material and Methods: 398 subjects from the general population (73.4% women; mean±SD aged 32,45±12,75 years old) filled out a questionnaire including the stigma scale (SS), the Illness and Help-seeking Behavior Scale (IHSBS), the General Health Questionnaire (GHQ-12), questions on the physical and psychological self-reported health, social support and previous history of psychiatric illness. Respondents of the SS (n=115) were subdivided in three subgroups based on (1) the presence of mental disease/distress and its occurrence time period and on (2) the total score of the SS and (3) of the GHQ-12.Results: Global Stigma presented a significant negative correlation with the total IHSBS and its factors ‒ HSB, Illness Behavior/IB, Health Worries and Proactive Help-seeking/HW&PHSB ‒ and positive with the Health Perception/HP. The dimension HSB was negatively associated with the SS factors: Disclosure, Discrimination, Acceptance and Personal Growth. Superior levels of stigma and inferior levels of HSB were identified in the following groups: with new onset of mental disorder and/or worse current mental health. These groups reported a worse lifetime mental health and less social support. Lastly, IHSBS and its factors had different significant predictable variables: Acceptance (Total-IHSB); Personal Growth and social support (IB); Personal Growth and Global Stigma (HSB); the physical and psychological self-reported health (HP), age and social support (HW&PHSB).Discussion: Overall, high stigma levels, including Discrimination experiences and fear of Disclosure of the mental condition, the low Acceptance and Personal Growth are associated with less adjusted IHSB. The two positive SS factors and social support stand out as the stronger contributors for adjusted IHSB, being more predominant in individuals with past and current mental disease/distress. This suggests that a chronic illness course can be accompanied by personal development and a solid support network. Lastly, social support appears to prevent the development of mental illness.Conclusion: Self-stigma has a negative impact on the IHSB of the Portuguese general population and it is associated with health perception, symptoms severity and illness course.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/98483
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese_MIM_2020_Daniela_Brum_2014172975.pdf1.39 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

20
checked on Aug 12, 2022

Download(s)

36
checked on Aug 12, 2022

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons