Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/98328
Title: Obesidade metabolicamente saudável em crianças seguidas numa consulta de pediatria.
Other Titles: Metabolically healthy obesity in children followed in a paediatric clinic.
Authors: Teixeira, Diana Gouveia
Orientador: Soares, Ana Raquel Caramelo
Oliveira, Guiomar Gonçalves
Keywords: Obesidade pediátrica; Prevalência; Obesidade metabolicamente benigna; Síndrome metabólica; Resistência à insulina; Pediatric obesity; Prevalence; Obesity, metabolically benign; Metabolic syndrome; Insulin resistance
Issue Date: 15-Jun-2021
Serial title, monograph or event: Obesidade metabolicamente saudável em crianças seguidas numa consulta de pediatria.
Place of publication or event: Serviço de Pediatria Ambulatória, do Hospital Pediátrico - Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.
Abstract: Introdução: A obesidade infantil atingiu proporções epidémicas a nível mundial, disseminando consigo inúmeras complicações para a saúde. Contudo, foi já demonstrada a existência de um subgrupo de crianças obesas que não exibem os tradicionais fatores de risco cardiometabólicos, designado por obesidade metabolicamente saudável (ObMS). Objetivos: Os objetivos deste estudo foram a determinação da prevalência do fenótipo de ObMS em crianças e adolescente seguidos numa Consulta de Pediatria-Obesidade e a análise da sua relação com variáveis demográficas, clínicas e laboratoriais.Métodos: Conduziu-se um estudo observacional, retrospetivo e transversal, com base na revisão dos processos clínicos eletrónicos das crianças seguidas por obesidade numa Consulta de Pediatria-Obesidade, no ano de 2019. As crianças foram classificadas com “obesidade metabolicamente saudável” ou “obesidade metabolicamente não saudável” (ObMñS) de acordo com os critérios propostos por Damanhoury (2018). Realizou-se análise estatística descritiva e inferencial para a relação com as variáveis analisadas.Resultados: Foi estudada uma amostra de 241 participantes, sendo 132 (54,8%) do sexo feminino, e com idades entre dois e 17 anos. A prevalência do fenótipo de ObMS na amostra foi de 61,8%. Não se verificaram diferenças significativas quanto à idade e ao sexo entre os grupos ObMS e ObMñS. O IMC (Z-score) nas crianças com idade igual ou superior a cinco anos foi significativamente inferior nas com fenótipo de ObMS (p=0.040). No grupo com ObMS, os níveis médios de colesterol total foram superiores (p<0.001), à custa de um HDL significativamente mais alto nestas crianças (p<0.001), sendo os níveis de triglicerídeos (p<0.001), a pressão arterial sistólica (PAS) (p=0.036), a pressão arterial diastólica (p=0.029) e o índice HOMA-IR (p=0.001) significativamente inferiores. A frequência da resistência à insulina, determinada por um HOMA-IR ≥ 3,4, foi significativamente superior nas crianças com ObMñS (p<0.001). O HDL (RR=1,421; IC 95% 1,279-1,579; p<0.001) e a Pressão Arterial Sistólica (RR=0,943; IC 95% 0,903-0,985; p=0.008) foram os únicos preditores independentes para o desenvolvimento de ObMS. Discussão e Conclusão: Existem poucos estudos publicados com aplicação da definição de Damanhoury o que limita a comparação rigorosa com outros estudos. Encontram-se prevalências substancialmente inferiores, relacionadas provavelmente com a idade, tamanho da amostra e diferentes valores de corte das variáveis consideradas. Estudos longitudinais e prospetivos serão necessários para investigar melhor a estabilidade do fenótipo ObMS a longo prazo. Não obstante, a estratificação das crianças de acordo com o seu padrão metabólico, poderá permitir abordagens terapêuticas mais personalizadas e eficientes.
Introduction: Childhood obesity has reached epidemic proportions worldwide, spreading numerous health complications with it. However, it has already been demonstrated the existence of a subgroup of obese children who do not exhibit traditional cardiometabolic risk factors, called metabolically healthy obesity (MHO). Objectives: The objectives of this study were to determine the prevalence of the MHO phenotype in children and adolescents followed in a Pediatric-Obesity Clinic and to analyse its relationship with demographic, clinical and laboratory variables.Methods: An observational, retrospective and cross-sectional study was conducted, based on the review of the electronic clinical processes of children followed for obesity in a Pediatric-Obesity Clinic, in 2019. Children were classified as “metabolically healthy obesity” or “metabolically unhealthy obesity” (MUO) according to the criteria proposed by Damanhoury (2018). Descriptive and inferential statistical analysis was performed for the relationship with the analysed variables.Results: A sample of 241 participants was studied, 132 (54.8%) of whom were female, with ages between two and 17 years. The prevalence of the MHO phenotype in the sample was 61.8%. There were no significant differences in age and sex between the MHO and MUO groups. The BMI (Z-score) in children with five years or older was significantly lower in those with MHO phenotype (p=0.040). In the MHO group, mean total cholesterol levels were higher (p<0.001), at the expense of significantly higher HDL in these children (p<0.001), with the triglyceride levels (p<0.001), systolic blood pressure (SBP) (p=0.036), diastolic blood pressure (p =0.029) and the HOMA-IR index (p=0.001) being significantly lower. The frequency of insulin resistance, determined by HOMA-IR ≥ 3.4, was significantly higher in children with MUO (p<0.001). HDL (RR=1,421; 95% CI 1,279-1,579; p<0.001) and Systolic Blood Pressure (RR=0,943; 95% CI 0.903-0.985; p=0.008) were the only independent predictors for the development of MHO.Discussion and Conclusion: There are few published studies using the Damanhoury definition, which limits the rigorous comparison with other studies. Lower prevalences are found, probably related to age, sample size and different cut-off values for the determined variables. Longitudinal and prospective studies will be needed to further investigate the long-term stability of the MHO phenotype. Nevertheless, the stratification of children according to their metabolic pattern, may allow more personalized and efficient therapeutic approaches.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/98328
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Trabalho Final.pdf725.71 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

34
checked on Aug 5, 2022

Download(s)

21
checked on Aug 5, 2022

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons