Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/97876
Title: Hipersensibilidade a estrogénios e progesterona
Other Titles: Estrogens and progesterone hypersensitivity
Authors: Gonçalves, Mariana Matos Torgo
Orientador: Pereira, António Celso Dias Pais
Loureiro, Graça Maria Seabra David
Keywords: Estrogénio; Progesterona; Hipersensibilidade; Hormonas sexuais; Dessensibilização; Estrogen; Progesterone; Hypersensitivity; Sex Hormones; Desensitization
Issue Date: 27-Mar-2020
Serial title, monograph or event: Hipersensibilidade a estrogénios e progesterona
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: Introdução: A hipersensibilidade a estrogénios e progesterona é uma reação de hipersensibilidade rara a hormonas sexuais de produção endógena e/ou exógena. Inicia-se em qualquer momento da idade reprodutiva da mulher, particularmente entre a menarca e a menopausa. O incremento paulatino na prevalência destes distúrbios poderá ser explicado pela elevada prescrição de métodos contracetivos hormonais, tratamentos de fertilidade e tratamentos hormonais de substituição na menopausa.Objetivo: Efetuar uma revisão crítica e atualizada da literatura médica nesta temática. Serão objeto de abordagem os seguintes tópicos: as principais funções das hormonas sexuais femininas; os mecanismos fisiopatológicos de hipersensibilidade; a clínica das diversas expressões de hipersensibilidade, bem como as estratégias de diagnóstico e tratamento.Métodos: Para tal, foi realizada uma pesquisa bibliográfica na plataforma de dados PubMed (NCBI), bem como de outras publicações científicas consideradas relevantes para a temática. Foram recolhidos artigos entre os anos de 2009 e 2019 que cumprissem o objetivo proposto e procedeu-se à sua revisão e organização por subtemas. Resultados: O estrogénio e progesterona são hormonas esteróides provenientes de metabolitos do colesterol com uma ampla gama de funções metabólicas e fisiológicas relacionadas com o ciclo menstrual, gravidez, embriogénese e lactação. Além das funções reprodutivas, possuem a capacidade de regular respostas imunes mediadas preponderantemente por células Th, favorecendo as respostas imunes Th-2 e supressão das respostas dependentes de células Th-1 e Th-17. Os mecanismos fisiopatológicos da hipersensibilidade a hormonas sexuais ainda são pouco conhecidos e pouco valorizadas na clínica. Vários mecanismos de hipersensibilidade têm sido reportados: tipo I, tipo III e tipo IV. Alguns autores sugerem ainda, mecanismos de reação cruzada com outras hormonas esteróides. Esta condição clínica associa-se à exposição a fatores desencadeantes endógenos relativos à menstruação, gravidez, pós-parto e climatério. Relativamente a desencadeantes exógenos salienta-se a contraceção hormonal oral, transdérmica e injetável, sistemas intrauterinos de libertação hormonal, anel vaginal de conteúdo hormonal, disruptores endócrinos (valerato de estradiol), tratamentos de fertilização in vitro, tratamentos hormonais de substituição na menopausa contendo estrogénios e/ou progestativos, e ainda, terapia hormonal em transexuais. A sintomatologia é bastante heterogénea e inclui manifestações cutâneas, respiratórias e sistémicas que variam com o mecanismo de hipersensibilidade subjacente. O diagnóstico é definido pela história clínica e complementado por testes in vivo, testes in vitro e provas de provocação específicas. Estes têm sido o principal alvo de estudo e investigação, procurando uma padronização e incrementar a sensibilidade e especificidade. O tratamento sintomático e a dessensibilização hormonal constituem os pilares do tratamento. Conclusão: Neste contexto, a abordagem da hipersensibilidade a estrogénios e progesterona envolve uma equipa multidisciplinar englobando a Imunoalergologia, Ginecologia, Endocrinologia e Medicina da Reprodução, de modo a otimizar e definir as melhores estratégias nas respetivas doentes.
Introduction: Estrogens and progesterone hypersensitivity is a rare hypersensitivity reaction to endogenous and/or exogenous sex hormones. It begins at any time of a woman's reproductive age, particularly between menarche and menopause. The gradual increase in the prevalence of these disorders may be explained by the high prescription of hormonal contraceptive methods, fertility treatments and hormone replacement treatments in menopause.Objective: Write a critical and updated review of the medical literature on this subject. The topics under study are: the main functions of female sex hormones; the pathophysiological mechanisms of hypersensitivity; the clinic of the various manifestations of hypersensitivity; diagnosis and treatment strategies.Methods: It was performed a literature search on the PubMed (NCBI) data platform and other relevant scientific publications. Papers that met the proposed objectives, were collected between 2009 and 2019, they were reviewed and organized by subtopics.Results: Estrogen and progesterone are steroid hormones derived from cholesterol metabolites with a wide range of metabolic and physiological functions related to menstrual cycle, pregnancy, embryogenesis and lactation. In addition to reproductive functions, they have the ability to regulate Th cell-mediated immune responses, promoting Th-2 immune responses and suppression of Th-1 and Th-17 cell-dependent responses. The pathophysiological mechanisms of hypersensitivity to sex hormones are poorly known and undervalued in the clinic practice. Several hypersensitivity mechanisms have been reported: type I, type III and type IV. Some authors also suggest mechanisms of cross-reaction with other steroid hormones. This clinical condition is associated with exposure to endogenous triggering factors related to menstruation, pregnancy, postpartum and climacteric. The exogenous triggers factors include oral, transdermal and injectable hormonal contraception, intrauterine hormone release systems, vaginal ring of hormone content, endocrine disruptors (estradiol valerate), in vitro fertilization treatments, menopausal hormone replacement treatments containing estrogens and/or progestatives, as well as hormone therapy in transsexuals. The symptoms are heterogeneous and include cutaneous, respiratory and systemic manifestations that vary with the underlying hypersensitivity mechanism. The diagnosis is defined by the clinical history and complemented by in vivo tests, in vitro tests and specific provocation tests. These have been the main target of investigation, seeking a standardization and increasing sensitivity and specificity. Symptomatic treatment and hormonal desensitization are the key of treatment.Conclusion: In this context, the estrogen and progesterone hypersensitivity approach involves a multidisciplinary team that includes Immunoallergology, Gynecology, Endocrinology and Reproductive Medicine, optimizing and defining the best strategies in each patient.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/97876
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Trabalho final_ Mariana_Goncalves.pdf779.82 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

70
checked on Aug 5, 2022

Download(s)

56
checked on Aug 5, 2022

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons