Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/96619
Title: THE DYNAMIC VALGUM KNEE IN FEMALE VOLLEYBALL PLAYERS: STRUCTURE AND FUNCTION RELATION
Other Titles: A DINAMICA DO JOELHO VALGO NAS JOGADORAS FEMININAS DE VOLEIBOL: RELAçAO ENTRE A ESTRUTURA E A FUNçAO
Authors: Marescotti, Matteo
Orientador: Faro, Ana Maria Medeiros Abreu
Gomes, Beatriz Branquinho
Keywords: tecido conjuntivo; atleta jovem volei; pontuação na FMS; índice dinâmico de joelho em valgo; forças terrestres; connective tissue; female young athlete volleyball; FMS score; dynamic valgum knee index; ground forces
Issue Date: 26-Sep-2019
Serial title, monograph or event: THE DYNAMIC VALGUM KNEE IN FEMALE VOLLEYBALL PLAYERS: STRUCTURE AND FUNCTION RELATION
Place of publication or event: FCDEF
Abstract: ResumoOBJETIVO O principal objetivo foi verificar a relação entre a teoria enunciada por Thomas Myers (Myers 2014), a interdependência regional enunciada por Gray Cook (Cook, 2010b; Cook et al., 1998) e os fatores de risco biomecânicos da ruptura do LCA. como o joelho valgum dinâmico e o estresse de aterrissagem, em atletas de voleibol. Em relação à antropometria, estudou-se qual das medidas antropométricas poderia estar relacionada aos fatores de risco de ruptura do LCA. Outro objetivo foi apontar a relação entre um movimento geral como agachamento unipodal e uma técnica específica de vôlei como aterrissagem. esse objetivo pode ser relevante de acordo com alguma nova abordagem da ciência do esporte que pesquisou as especificidades tanto para a prevenção quanto para o desempenho. Finalmente, esta tese teve como objetivo definir se o SFM é um teste adequado para detectar fatores de risco de ruptura do LCA. METODOLOGIA: Foram analisadas 23 jogadoras de voleibol do sexo feminino, com idades entre 12 e 17 anos (14,35 ± 1,53 anos) sem lesão anterior do joelho, considerando as seguintes variáveis: i) informações antropométricas e gerais; ii) qualidade do movimento (o sistema funcional de pontuação da tela de movimento de Gray Cook (Cook, 2010a; Cook, Burton, Fields e Kiesel, 1998) e a flexibilidade através do sentar e alcançar) iii) características biomecânicas (joelho do valgo dinâmico) O índice de Scholtes e Salsich (Scholtes & Salsich, 2017), obtido pela análise de vídeo do agachamento unipodal usando software tracker para coleta de dados e as forças terrestres no pouso medidas pela plataforma de força de Kistler). calculado. Além disso, todos os dados (flexibilidade, escore FMS e índice dinâmico do joelho em valgo) foram analisados por meio de uma matriz de correlação utilizando o coeficiente de correlação de Pearson (considerando significante p ≤ 0,05).RESULTADOS: O teste de sentar e alcançar (linha superficial posterior) não mostrou correlação com as demais variáveis. A relação entre a pontuação de sentar e alcançar e as forças de terra no pouso também foi fraca. A pontuação total da FMS correlacionou-se com o ângulo do quadril (R = 0,576 p ≤ 0,01) e com o ângulo do joelho (R = 0,555 p ≤ 0,01) tornou o protocolo da FMS um teste confiável para o índice de valgo dinâmico. A possível relação entre duas partes distantes do corpo (interdependência regional) foi confirmada pela relação invertida entre alcançar o joelho valgum direito e dinâmico (R = 0,422 p ≤ 0,05). As variáveis (anos, anos de prática e horas por semana) não apresentam correlação com as demais variáveis.CONCLUSÃO: A relação entre o pré-estresse superficial da linha de trás e o índice dinâmico do joelho em valgo não foi estatisticamente significante. O escore FMS forneceu informações possíveis sobre o padrão incorreto do quadril e do joelho (joelho valgum dinâmico excessivo e deslocamento excessivo do quadril). O escore FMS parece ser um indicador adequado para o índice dinâmico de Valgum, quadril (R = 0,576 p ≤ 0,01) e joelho (R = 0,555 p ≤ 0,01)). Os presentes resultados estão de acordo com estudos anteriores que afirmam a ligação entre padrão incorreto de movimento em áreas corporais não contínuas (relação ombro-joelho), de acordo com a interdependência regional
PURPOSE: The main purpose was to verify the relation between the theory enhounced by Thomas Myers ( Myers 2014 ),the regional interdependence enhounced by Gray Cook (Cook, 2010b; Cook et al., 1998) and the biomechanic risk factors of the ACL rupture such as the dynamic valgum knee and the landing stress, in volleyball female athletes. In relation to the antropometric it has been studied which of the antropometric measurment could be related to the ACL rupture risk factors. Another purpose was to point out the relation between a general movement as the single leg squat and a specific volleyball technique as the volleyball landing. this aim could be relevant according to some new approach of the sport science which researched the specificty both for the prevention and for the performance. Finally this thesis aimed to define if the FMS is a suitable test to detect ACL rupture risk factors. METHODOLOGY: 23 females volleyball players, aged between 12 and 17 years old (14.35 ± 1.53 years old) without any previous knee’s injury, were analysed considering the following variables: i) anthropometric and general information; ii) quality of movement (the functional movement screen score system by Gray Cook (Cook, 2010a; Cook, Burton, Fields, & Kiesel, 1998), and the flexibility through the sit and reach) iii) biomechanical characheristics(the dynamic valgum knee index by Scholtes and Salsich (Scholtes & Salsich, 2017), derived by the single leg squat’s video analysis using tracker software for data collection and the ground forces at landing measured by kistler force platform). The mean and the standard deviation of the variables were calculated. Furthermore all data (flexibility, FMS score and dynamic valgum knee index) were analyzed through a correlation matrix using the pearson correlation coefficient (considering significant p ≤ 0.05).RESULTS: The sit and reach (back superficial line) test showed no correlation with the other variables. The relation between the sit and reach score and the ground forces at landing was also weak. The FMS total score correlated with the hip angle (R= .576 p ≤ 0.01) and with the knee’s angle (R= .555 p ≤ 0.01) made the FMS protocol a reliable test for the dynamic valgum index. The possible relation between two far part of the body (regional interdependence) was confirmed by the inverted relation between reaching right and dynamic valgum knee (R= .422 p ≤ 0.05). The variables (years, years of practice and hours a week) do not present any correlation with the other variables. CONCLUSION: The relation between the superficial back line pre-stress and the dynamic valgum knee index was not statistically significant. The FMS score provided possible informations about the hip and the knee uncorrect pattern (excessive dynamic valgum knee and excessive hip displacement). The FMS score seems to be a suitable indicator for the dynamic Valgum index , hip (R= .576 p ≤ 0.01) and knee (R= .555 p ≤ 0.01). The present results are in accordance to previous studies which state the link between uncorrect pattern of movement in no continuos body areas ( shoulder-knee relation) , according to the regional interdependence
Description: Dissertação de Mestrado em Biocinética apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física
URI: http://hdl.handle.net/10316/96619
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação_Matteo Marescotti.pdf1.3 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

4
checked on Dec 24, 2021

Download(s)

2
checked on Dec 24, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons