Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/96476
Title: Toxic leadership determinants: The role of individual and organisational variables
Other Titles: Determinantes da liderança tóxica: O papel das variáveis individuais e organizacionais
Authors: Freitas, Daniela Azevedo
Orientador: Pereira, Marco Daniel de Almeida
Santos, Nuno Manuel Gameiro Rebelo dos
Berger, Rita
Keywords: Liderança Tóxica; Escala de Liderança Tóxica; Liderança negativa; Determinantes; Toxic Leadership; Toxic Leadership Scale; Dark Leadership; Determinants
Issue Date: 6-Jul-2021
Serial title, monograph or event: Toxic leadership determinants: The role of individual and organisational variables
Place of publication or event: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
Abstract: A investigação sobre liderança tem-se focado no seu lado positivo, deixando de parte os seus aspetos negativos. No entanto, desde 2000, tem vindo a ser feito um esforço nesta direção. Os líderes são considerados tóxicos quando adotam comportamentos que afetam de forma negativa os seus subordinados bem como a organização a que pertencem. Os estudos desenvolvidos neste campo identificaram algumas origens, consequências e impacto da liderança tóxica. Contudo, a literatura é escassa no que toca à associação entre variáveis individuais e organizacionais e a perceção de liderança tóxica. O presente estudo tem como objetivo examinar em que medida é que variáveis sociodemográficas (sexo, idade e nível de educação) e variáveis organizacionais/relacionais (dimensão da organização, tipo de contracto, setor de atividade, função de chefia, situação profissional, tempo de trabalho na função, tempo de trabalho na organização, tempo de colaboração com o líder e salário) estão associadas com a perceção de liderança tóxica, entre grupos com e sem função de chefia. O presente estudo, sendo transversal, é composto por uma amostra de 661 participantes (58.1% do sexo feminino) com uma média de idades de 39.77 anos, provenientes de diversos contextos profissionais em Portugal. Os participantes preencheram a Escala de Liderança Tóxica (TLS) bem como um questionário relativamente a variáveis sociodemográficas e organizacionais. Foram utilizadas correlações de Pearson e testes de diferenças entre médias para a análise de dados. Os resultados deste estudo indicam que, na avaliação relativamente à perceção de liderança tóxica, os respondentes são afetados por variáveis individuais e organizacionais. Estes resultados representam implicações relevantes para as organizações, uma vez que possibilitaram a identificação de variáveis que podem afetar tanto o exercício como a perceção de liderança tóxica.
Research on leadership has been focusing on its positive side, setting aside the negative aspects of leadership. However, since 2000, an effort has been made in this direction. Leaders are toxic when they adopt behaviours that negatively affect their subordinates and the organisation. The studies developed in this field identified some origins, consequences, and impact of toxic leadership. However, there is still scarce research mainly on the association between individual and organisational variables and the perception of toxic leadership. The present study contributes to overcoming that gap in the literature by integrating participants with different professional backgrounds. Therefore, this study has one general aim: to examine to what extent socio-demographic variables (sex, age and education level) and organisational/relational variables (organisation size, employment contract, activity sector, management role, professional situation, work length in the job position, work length in the organisation, length of collaboration with the leader and income) are associated with the perception of toxic leadership, among groups with and without a management role. The sample of this cross-sectional study consisted of 661 participants (58.1% female) with a mean age of 39.77 years from various professional contexts across Portugal. Participants completed a self-reported questionnaire on socio-demographic and organisational variables and the Toxic Leadership Scale. For data analysis, Pearson correlations and tests of mean differenceswere used. The main findings of this study indicate that, in the assessment regarding the toxicity of the leader, the respondents are affected by various individual and organisational variables representing valuable implications for organisations since it identified the variables that may influence both the exercise and the perception of toxic leadership.
Description: Dissertação de Mestrado em Psicologia do Trabalho, das Organizações e dos Recursos Humanos apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
URI: http://hdl.handle.net/10316/96476
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
FinalThesis_DanielaFreitas.pdf525.01 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons