Please use this identifier to cite or link to this item: https://hdl.handle.net/10316/96381
Title: Papéis da Prisão, de Luandino Vieira. Ensaio de narrativa documental
Other Titles: Tese de doutoramento
Authors: Rocha, Ana Maria Teixeira da
Orientador: Laranjeira, José Luís Pires
Keywords: Luandino Vieira; Literatura Angolana; literatura de testemunho; testemunho; monumento; prisão; exílio; militância; campo de concentração; Angola; Cabo Verde
Issue Date: 1-Jul-2021
Abstract: Composto por mais de mil páginas, os Papéis da prisão. Apontamentos, diário, correspondência (1962-1971), de José Luandino Vieira (1935) testemunham a vida do escritor angolano nas prisões de Luanda e no campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, durante os nove anos indicados no subtítulo do livro. Tratando-se o autor de um preso político, engajado na luta de libertação nacional, este grosso volume acaba por testemunhar, paralelamente, um período histórico determinante da história de Angola, revelando-se, por isso, um importante documento e fonte histórica, além da sua identidade de objeto literário. A historiografia africana valoriza as fontes literárias, sejam elas provenientes de autores africanos ou da literatura colonial. A oralitura foi sempre, de igual modo, considerada por esta área do saber do continente. Na Europa, foi a partir de meados do século XX e com o surgimento da Nova História, em França, que se expandiu o conceito de “documento”, passando a considerar-se os textos literários e outras produções humanas enquanto “documentos” da história do ser humano. Esta abertura, permite melhor compreender os Papéis enquanto fonte historiográfica e enquanto “monumento”, segundo uma conceção tradicional, explicada por Foucault, que toma o “monumento” como “enunciado” ainda não manipulado pelos historiadores, ao contrário da conceção moderna que encara o “monumento” como um objeto consequente e representativo do poder que o selecionou e utilizou. A partir da análise literária dos Papéis, que constituem um caso singular, pelo menos, na história da literatura de língua portuguesa, vai criar-se, aqui, um novo género literário, designado “ensaio de narrativa documental”. A análise começará pela problematização do conceito de “literatura de testemunho”, teorizado desde o final da Primeira Guerra Mundial, e de outros temas como a falibilidade da memória na construção das narrativas e o ato de testemunhar que condicionam e influenciam a sua receção, validação e uso. Problematizar-se-á a compreensão do corpus pelos estudos literários. Analisar-se-ão os modelos comunicativos, as temáticas, a forma de expressão, a heterogeneidade, a intenção, a função, a representatividade e a receção. A contextualização histórica suportará essa abordagem, não permitindo ignorar o facto de se tratar do diário de um militante angolano, branco e filho de colonos, ligado a um movimento de libertação de Angola. Assim, os contextos microssociais da prisão e do campo serão analisados, a par do sistema colonial, do sistema prisional colonial, da ideologia do movimento e do pensamento de Luandino, que se repercutem na sua obra literária e identidade de escritor, cuja prosa é determinante para a história da literatura do país. Serão considerados exemplos da literatura de cárcere, de exílio e de catástrofe para a análise dos Papéis, compreendendo a singularidade do objeto, mas verificando e salientando aspetos que o unem a outros enunciados da “literatura de testemunho”. A literatura da Shoah e do testimonio impulsionaram teorizações que auxiliarão a teorização do testemunho africano do nosso corpus e permitirão a criação da designação “ensaio de narrativa documental”, que pretende classificar uma narrativa testemunhal, fragmentada, heterogénea, quotidiana e que, mesmo condicionada a vários níveis, ora exteriores, como a censura, a escassez e a vigia, ora interiores, como os sentimentos e os traumas despoletados pela experiência trágica, dá conta dos testemunhos literários das catástrofes e violências do século XX, redigidos por vários escritores e sobreviventes de diferentes partes do mundo, comparados, aqui, com os Papéis e que se dividem em diários, ficções, biografias e memórias. Serão apontados 13 aspetos que distinguem o “ensaio de narrativa documental”, focando-se esses nas temáticas, contextos, balizas temporais, intenção, modos narrativos e representatividade.
Description: Tese no âmbito do doutoramento em Literatura de Língua Portuguesa, na área das Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, orientada pelo Professor Doutor José Luís Pires Laranjeira e apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, ao Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas.
URI: https://hdl.handle.net/10316/96381
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Teses de Doutoramento
FLUC Secção de Português - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese Ana Rocha Final (1).pdf2.02 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

320
checked on May 15, 2024

Download(s)

237
checked on May 15, 2024

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.