Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/95738
Title: A consagração do direito á greve na União Europeia: em que moldes?
Other Titles: The recognition of the rigth to strike in the European Union: in what framework?
Authors: Rodrigues, Daniela Filipa Marques
Orientador: Vicente, Joana Isabel Sousa Nunes
Keywords: Greve; Ação Coletiva; Direito da União Europeia; TEDH; TJUE; Strike; Colective Bargain; European Union Law; ECHR; ECJ
Issue Date: 27-May-2021
Serial title, monograph or event: A consagração do direito á greve na União Europeia: em que moldes?
Place of publication or event: Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra
Abstract: This dissertation proposes to study and understand the frameworks in which the right to strike is established in the European legal system, while trying to understand the link between the exercise of this right and the exercise of the fundamental freedoms of the Union, once that both represent opposite sides. While the right to strike is closely linked to the fundamental social rights of workers, fundamental freedoms represent pure economic freedoms aimed at expanding the economy and maximizing capital. For a better understanding of this problem, we will start by following the evolution of the Union's social policies, and then proceed to analyze the diplomas that establish the right to strike in the European legal system, namely: the European Social Charter, the Charter of Fundamental Rights of the European Union, the European Convention on Human Rights, and the Community Charter of Fundamental Social Rights of Workers. Finally, it is essential to study the application of the rules contained in these diplomas in the practical life, since, although the strike is excluded from matters of Union legislative intervention, the Court of Justice of the European Union and the European Court of the Human Rights have been confronted with issues related to the topic and to which they must respond. To this end, this dissertation will critically analyze the main judgments given by them, namely: the Viking Line and Laval judgments, delivered by the Court of Justice, and the Maritime and Transport Workers judgment against the United Kingdom, delivered by the Court European Convention on Human Rights. These judgments are presented as a fundamental foundation for the creation or understanding of the frameworks in which the right to strike is admitted within the legal system of the Union, and have tried to give and answer the problem of the connection between the exercise of fundamental freedoms and rights fundamental social rights of workers.
Esta dissertação propõe-se ao estudo e compreensão dos moldes em que o direito à greve é consagrado no seio do ordenamento jurídico europeu, ao mesmo tempo que tenta compreender a articulação entre o exercício deste direito e o exercício das liberdades fundamentais da União, uma vez que ambas representam polos opostos. Enquanto a greve se encontra intimamente ligada com os direitos sociais fundamentais dos trabalhadores, as liberdades fundamentais representam puras liberdades económicas que têm em vista a expansão da economia e a maximização do capital. Para uma melhor compreensão desta problemática iremos começar por acompanhar a evolução das políticas sociais da União, e seguidamente prosseguir à análise dos diplomas que consagram o direito à greve no ordenamento jurídico europeu, a saber: a Carta Social Europeia, a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, a Convenção Europeia dos Direitos do Homem, e a Carta Comunitária dos Direitos Sociais Fundamentais dos Trabalhadores. Por fim, afigura-se essencial o estudo da aplicação das normas contidas nestes diplomas, na vida prática, uma vez que, embora a greve se encontre excluída das matérias de intervenção legislativa da União, o Tribunal de Justiça da União Europeia e o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem têm sido confrontados com problemáticas relacionadas com o tema e às quais devem dar uma resposta. Para tal, esta dissertação irá analisar de uma forma critica, os principais acórdãos por estes proferidos, a saber: os acórdãos Viking Line e Laval, proferidos pelo Tribunal de Justiça, e o acórdão Maritime and Transport Workers contra o Reino Unido, proferido pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Estes acórdãos apresentam-se como um alicerce fundamental para a criação ou compreensão dos moldes em que o direito à greve é admitido no seio do ordenamento jurídico da União, e têm tentado dar resposta à problemática da conexão entre o exercício as liberdades fundamentais e os direitos sociais fundamentais dos trabalhadores.
Description: Dissertação de Mestrado em Ciências Jurídico-Forenses apresentada à Faculdade de Direito
URI: http://hdl.handle.net/10316/95738
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
A consagração do direito à greve na União Europeia - em que moldes.pdf734.64 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons