Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/94795
Title: Qualidade de vida e ajustamento diádico em casais serodiscordantes para o VIH: Qual o papel das representações de vinculação romântica?
Other Titles: Quality of life and dyadic adjustment among HIV-serodiscordant couples: What is the role of romantic attachment representations?
Authors: Dias, Andreia Filipa Almeida
Orientador: Pereira, Marco Daniel de Almeida
Canavarro, Maria Cristina Cruz Sousa Portocarrero
Keywords: Vinculação; qualidade de vida; ajustamento diádico; serodiscordância para o VIH; Attachment; quality of life; dyadic adjustment; HIV serodiscordancy
Issue Date: 24-Jul-2019
Serial title, monograph or event: Qualidade de vida e ajustamento diádico em casais serodiscordantes para o VIH: Qual o papel das representações de vinculação romântica?
Place of publication or event: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
Abstract: O presente estudo teve como objetivo compreender o papel das representações de vinculação romântica na qualidade de vida e ajustamento diádico de casais serodiscordantes para a infeção pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH). Apesar do papel reconhecido da vinculação em diversas áreas de vida dos indivíduos, do nosso conhecimento, a investigação sobre a influência das representações de vinculação no contexto da relação de casais serodiscordantes para o VIH é inexistente. A amostra foi constituída por 38 casais serodiscordantes para a infeção pelo VIH, na sua maioria casados (67.6%) e com uma duração média de relação de 15.23 anos. Em 29 casais (76.3%), o parceiro VIH-positivo era do sexo masculino. Os dois elementos do casal preencheram um questionário de dados sociodemográficos e clínicos, a escala de vinculação Experiences in Close Relationships – Relationship Structures [ECR-RS], a versão revista do questionário de qualidade de vida World Health Organization Quality of Life – Bref [WHOQOL-Bref] e a Escala de Ajustamento Diádico-Revista [EAD-R]. Os resultados não indicaram diferenças significativas entre o(a) parceiro(a) VIH-positivo(a) e o(a) parceiro(a) VIH-negativo(a) na qualidade de vida e no ajustamento diádico. No caso dos(as) parceiros(as) VIH-positivos(as) não se verificaram associações significativas entre as representações de vinculação e a qualidade de vida do próprio ou a do(a) parceiro(a) não infetado(a), tendo-se verificado uma associação significativa entre o evitamento e o próprio ajustamento diádico. Em relação aos(às) parceiros(as) VIH-negativos(as), observou-se uma associação negativa entre a dimensão evitamento da vinculação e a sua própria qualidade de vida. Adicionalmente, verificou-se uma associação negativa entre as dimensões ansiedade e evitamento e quase todas as dimensões do ajustamento diádico do próprio e do(a) parceiro(a) VIH-positivo(a). Os resultados deste estudo, ainda que exploratórios, evidenciaram a associação entre as representações de vinculação e os indicadores de ajustamento diádico do casal, o que pode ter importantes implicações para a forma como o casal gere e se adapta ao contexto de serodiscordância para o VIH. É, portanto, importante que os profissionais de saúde tenham atenção não só ao doente (e à sua adaptação individual), mas também a aspetos relativos à própria relação.
The objective of this study was to understand the role of the romantic attachment representations on the quality of life and dyadic adjustment of HIV-serodiscordant couples. Despite the well- established role of attachment in the various areas of individuals’ life, to our knowledge, the study of the influence of attachment representations in the context of HIV-serodiscordant relationships is nonexistent. The sample consisted of 38 HIV-serodiscordant couples, who were mostly married (67.6%) and had an average relationship length of 15.23 years. In 29 couples (76.3%), the HIV- positive partner was the male. Both members of the couple answered a self-reported questionnaire of sociodemographic and clinic data, the attachment scale Experiences in Close Relationships – Relationship Structures [ECR-RS], the revised version of the quality life questionnaire World Health Organization Quality of Life – Bref [WHOQOL-Bref] and the Dyadic Adjustment Scale – Revised [EAD-R]. The results did not indicate significant differences between the HIV-positive and the HIV-negative partner in terms of quality of life and dyadic adjustment. For HIV-positive partners, there were no significant associations between attachment representations and their own and their HIV-negative partner’s quality of life, but there was a significant association between attachment-related avoidance and their own dyadic adjustment. Regarding HIV-negative partners, there was a negative association between attachment-related avoidance and their own quality of life. Additionally, there was a negative association between attachment-related anxiety and avoidance and almost every dimension of their own and their HIV-positive partners’ dyadic adjustment. The results of this study, despite exploratory, supported the association between attachment representations and the couple’s indicators of dyadic adjustment, which can have important implications for the way that couples manage and adapt to HIV-serodiscordancy. It is important that health professionals to pay attention not only to the patient (and their individual adaptation), but also to aspects related to the relationship itself.
Description: Dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
URI: http://hdl.handle.net/10316/94795
Rights: closedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Andreia Dias_ Tese_ vfinal.pdf698.98 kBAdobe PDF    Request a copy
Show full item record

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons