Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/94730
Title: “GESTÃO DAS INOVAÇÕES EM SAÚDE NA ÁREA DA ONCOLOGIA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE PAÍSES”
Other Titles: "MANAGEMENT OF HEALTH INNOVATIONS IN THE AREA OF ONCOLOGY: A comparative analysis among countries"
Authors: Freitas, Ângela Costa Henriques de
Orientador: Raposo, Víctor Manuel dos Reis
Keywords: Inovações em Saúde; Tecnologia em Saúde; Oncologia; Avaliação de Tecnologia em Saúde; Gestão em Saúde; Health Innovations; Health Technology; Oncology; Health Technology Assessment; Health Management
Issue Date: 17-Dec-2020
Serial title, monograph or event: “GESTÃO DAS INOVAÇÕES EM SAÚDE NA ÁREA DA ONCOLOGIA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE PAÍSES”
Place of publication or event: Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra - Portugal
Abstract: O crescente avanço na área da saúde e as inovações tecnológicas têm proporcionado, por um lado, o aumento do bem estar e qualidade de vida da população, e, por outro, têm provocado um crescimento contínuo dos gastos em saúde. O ritmo dinâmico das inovações de saúde é ainda mais acelerado quando se trata da área da oncologia e dos dispositivos médicos.No cenário da atual de grave conjuntura económica global, devemos maximizar os benefícios de saúde a serem obtidos com os recursos disponíveis.O presente estudo tem por objetivo apresentar o estado atual e os principais desafios da Gestão das Inovações em saúde na oncologia, comparando Estados Unidos, Austrália, Canadá, Reino Unido, Brasil e Portugal, analisando as inovações em saúde para diagnóstico e tratamento do cancro (excluindo medicamentos).Trata-se de estudo descritivo, baseado em revisão bibliográfica e análise documental sobre o processo de gestão das inovações em saúde dos países selecionados.A realização deste trabalho permitiu verificar os dados em saúde disponíveis publicamente nos países selecionados, além de compara-los com os dados dos demais países disponíveis, proporcionando comparação da população, novos casos de cancro, mortalidade por cancro, o percentual do PIB gasto em saúde, expectativa de vida e quantidade dos equipamentos selecionados como prioritários no tratamento do cancro.A análise dos resultados demonstrou que, em geral, os países seguem as orientações da OMS no tocante à gestão das inovação em saúde, porém o processo varia de país para país, sendo que todos compartilham da mesma motivação para implementação da gestão das inovações em saúde em busca da melhor alocação de recursos e introdução de tecnologias custo-efetivas nos sistemas de saúde. Os países menos desenvolvidos apresentaram uma menor taxa de inovações em saúde como também uma menor quantidade de novos casos de cancro por cem mil habitantes.Por fim, para melhores resultados no cancro é preciso um conjunto de ações como as inovações em saúde, uma boa gestão destas inovações e capacidade terapêutica, considerando a realidade de cada país, sua situação epidemiológica, acessibilidade e a disponibilidade de equipamentos e recursos.
The growing progress in the health area and technological innovations have provided, on the one hand, an increase in the well-being and quality of life of the population, and, on the other hand, they have caused a continuous growth in health spending. The dynamic pace of healthcare innovations is even faster when it comes to oncology and medical devices.In the current scenario of a severe global economic situation, we must maximize the health benefits to be obtained with the available resources.The present study aims to analyze the current state and the main challenges of the Management of Innovations in oncology, comparing the United States of America, Australia, Canada, United Kingdom, Brazil and Portugal, analyzing the health innovations for the diagnosis and treatment of cancer (excluding drugs).This is a descriptive study, based on bibliographic review and documental analysis on the process of managing health innovations in the selected countries.This work allowed us to verify the publicly available health data in the selected countries, in addition to comparing them with the available data of other countries, providing a comparison of the population, new cases of cancer, cancer mortality, the percentage of the GDP spent in health, life expectancy and quantity of equipment selected as a priority in cancer treatment.The analysis of the results revealed that, in general, countries follow WHO guidelines when it comes to management of healthcare innovations, but the process varies from country to country and all of them share the same motivation for implementing the management of health innovations in search of the best allocation of resources and the introduction of cost-effective health technologies. The least developed countries showed a lower rate of health innovations as well as a lower number of new cases of cancer per 100,000 people.Finally, for better outcomes in cancer, a set of actions is needed, such as health innovations, good management of these innovations and therapeutic capacity, taking in consideration the reality of each country, its epidemiological situation, accessibility and the availability of devices and resources.
Description: Dissertação de Mestrado em Gestão e Economia da Saúde apresentada à Faculdade de Economia
URI: http://hdl.handle.net/10316/94730
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Mestrado Ângela Costa - revisado com correções-1.pdf1.64 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons