Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/94593
Title: O impacto da prática de voluntariado no funcionamento cognitivo de idosos
Other Titles: The impact of volunteer work in the cognitive functioning of old people
Authors: Oliveira, Liliane dos Santos
Orientador: Vilar, Maria Manuela Pereira
Keywords: Velhice; Voluntariado; Envelhecimento ativo; Funcionamento cognitivo; Declínio cognitivo; Active ageing; Old age; Volunteering; Cognitive Functioning; Cognitive Impairment
Issue Date: 10-Dec-2020
Serial title, monograph or event: O impacto da prática de voluntariado no funcionamento cognitivo de idosos
Place of publication or event: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra
Abstract: O contínuo avanço da Medicina no último século tem resultado num significativo aumento da longevidade da população em geral. Com este aumento, espera-se também uma subida do número de casos de demência. Existem atualmente perto de 20 milhões de pessoas, a nível mundial, com um quadro demencial diagnosticado, uma doença cuja prevalência é de 2.3% na população com idade entre os 65 e os 69 anos, e de 42% em pessoas com idade equivalente a 90 anos ou superior. Estes dados chamam a atenção para a necessidade de se encontrarem soluções que possam ser aplicadas em qualquer comunidade – independentemente do seu estatuto social ou económico -, e que potenciem uma melhoria, a todos os níveis, da qualidade de vida durante o envelhecimento. Mais, é importante estudar de que formas tais propostas podem ter um efeito positivo no funcionamento cognitivo e no bem-estar das pessoas idosas. Pegando no conceito de envelhecimento saudável, Rowe e Kahn (1989) descrevem que este se encontra dependente da relação entre três fatores: um risco baixo para doenças incapacitantes, a manutenção de um elevado funcionamento físico e cognitivo, e um envolvimento ativo na sociedade. Enquanto que o risco para problemas de saúde é uma caraterística predominantemente individual, é possível interagir de forma direta com os outros dois fatores através da participação em projetos de voluntariado. A sua prática permite conectar a população idosa à comunidade envolvente enquanto a mantém ativa e ocupada física, social, e cognitivamente permitindo a continuidade do uso das capacidades funcionais do indivíduo. Indiretamente, podem também diminuir o risco para algumas das doenças incapacitantes. A presente dissertação procura exemplificar como a prática de voluntariado na velhice pode ter um impacto positivo no funcionamento cognitivo da população idosa, uma vez que permite aos idosos permanecerem ativos física e socialmente, ao participarem em tarefas que implicam a utilização das suas capacidades cognitivas, e que proporcionam efeitos neurológicos e cognitivos positivos. Foi efetuada uma pesquisa bibliográfica de investigações publicadas entre 2010 e 2020, na língua inglesa ou portuguesa, para enquadrar a temática, da qual resultaram 11 estudos que foram incluídos na revisão.Evidências dos (poucos) estudos relevantes encontrados apoiam a relação entre a prática de voluntariado e a manutenção de um funcionamento cognitivo adequado e/ou potenciado, mesmo após controlo de diversos fatores moderadores. Mais, parece haver melhoria do funcionamento executivo, nomeadamente na Memória de Trabalho, aumento do volume cortical, e retardamento ou reversão de atrofia cerebral dos indivíduos que praticam voluntariado, em comparação aos não praticantes. Este é um achado positivo significativo, uma vez que o volume cortical e a ausência de atrofia cerebral estão associados à capacidade funcional do indivíduo, a uma melhor capacidade para a recuperação de eventuais danos, integrar novas aprendizagens, e um menor risco para o aparecimento de declínio cognitivo, associado à redução de matéria cerebral. Adicionalmente, um estudo adicionou uma medida genética ao seu protocolo de investigação, nomeadamente o genótico PGS-AD, tendo encontrado mudanças neurológicas encontradas nos indivíduos voluntários, onde pessoas com uma predisposição genética para a DA elevada obtiveram melhores resultados cognitivos que pessoas idosas não praticantes de voluntariado. Contudo, estes resultados não são unânimes, havendo algumas divergências nas conclusões retiradas nos diversos estudos.Ambientes complexos como os possibilitados pela prática de voluntariado diversificam o tipo de estímulos e situações a que as pessoas idosas estão expostas/se envolvem, implicando o exercício da capacidade de resolução de problemas e das Funções Executivas, incluindo Memória de Trabalho, controlo inibitório e a capacidade de alternância entre diferentes tarefas. O voluntariado desafia a capacidade cognitiva do indivíduo, incentivando a uma vida mais ativa, enquanto traz sentimentos de utilidade e de propósito, e uma melhoria da autoestima. Isto torna esta atividade mais gratificante e enriquecedora do que qualquer outro tipo de atividade de natureza mais solitária, como a reabilitação cognitiva.Esta tese pretende também apresentar pormenorizadamente a possibilidade de um futuro projeto de investigação dentro da temática do funcionamento cognitivo em voluntários idosos em Portugal.No geral, são resultados promissores, mas considera-se necessária a continuação da investigações sobre o impacto do voluntariado na população idosa, não apenas por permitir compreender a realidade do voluntariado e do seu impacto no funcionamento cognitivo de pessoas idosas, mas porque pode constituir-se como um elemento de divulgação e promoção desta actividade pró-social, promovendo a sua prática de forma alargada (e sistemática) entre os idosos.
The continuous advance of Medicine in the last century has resulted in a significant increase in the longevity of the population in general. With this increase, the number of dementia cases is also expected to rise. Currently, there are close to 20 million people worldwide diagnosed with dementia, a disease whose prevalence is 2.3% in the population aged 65 to 69 years, and 42% in people aged 90 years or older. These data show the necessity to find a solution that can be applied in any community - regardless of their social or economic status-, and that can enhance an improvement, at all levels, in the quality of life during aging. Furthermore, it is important to study how these proposals can have a positive effect on the cognitive functioning and well-being of the elderly. Taking of the concept of healthy aging, Rowe and Kahn (1989) describe that it is dependent on the relationship between three factors: low risk for disabling diseases, the maintenance of a high physical and cognitive functioning, and active involvement in society. While the risk of health problems is a predominantly individual characteristic, it is possible to interact directly with the other two factors through participation in volunteer projects. The practice of volunteering allows connecting the elderly population to the surrounding community while keeping them active and physically, socially, and cognitively allowing the continued use of the individual's functional capacities. Indirectly, they can also decrease the risk of some of the disabling diseases.This dissertation seeks to exemplify how the practice of volunteering in old age can have a positive impact on the cognitive functioning of the elderly population, since it allows the elderly to remain physically and socially active, by participating in tasks that involve the use of their cognitive abilities, and that provide positive neurological and cognitive effects. A bibliographic search of investigations carried out between 2012 and 2020 was carried out to frame this theme, written in English or Portuguese, which resulted in 11 studies that were included in the review.Evidence from the (few) relevant studies found supports the relationship between the practice of volunteering and the maintenance of an adequate and/or enhanced cognitive functioning, even after controlling for several moderating factors. Furthermore, there seems to be an improvement in executive functioning, namely in Working Memory, an increase in cortical volume, and delay or reversal of cerebral atrophy of individuals who practice volunteering, compared to non-practitioners.This is a significant positive finding since the cortical volume and the absence of cerebral atrophy are associated with the individual's functional capacity, with a better capacity for the recovery of eventual damages, integrating new learning, and a lower risk for the appearance of cognitive decline, associated with reduced brain matter. Additionally, a study added a genetic measure to its research protocol, namely the PGS-AD genotype, having found neurological changes found in volunteer individuals, where people with a genetic predisposition to high AD obtained better cognitive results than elderly people who do not volunteer. However, these results are not unanimous, with some divergences in the conclusions drawn in the various studies.Complex environments such as those made possible by the practice of volunteering diversify the type of stimuli and situations to which elderly people are exposed/get involved, implying the exercise of problem-solving capacity and Executive Functions, including Working Memory, inhibitory control, and the ability to switch between different tasks. Volunteering challenges the individual's cognitive ability, encouraging a more active life, while bringing feelings of usefulness and purpose, and an improvement in self-esteem. This makes this activity more rewarding and enriching than any other type of activity of a more solitary nature, such as cognitive rehabilitation.This thesis also intends to present in detail the possibility of a future research project within the theme of cognitive functioning in elderly volunteers in Portugal.In general, these are promising results, but it is considered necessary to continue investigating the impact of volunteering on the elderly population, not only because it allows understanding the reality of volunteering and its impact on the cognitive functioning of elderly people, but because it can be- as an element of dissemination and promotion of this pro-social activity, promoting its practice in a wide (and systematic) way among the elderly.
Description: Dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
URI: http://hdl.handle.net/10316/94593
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação Voluntariado_Liliane Oliveira.pdf1.16 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

74
checked on Aug 17, 2022

Download(s)

60
checked on Aug 17, 2022

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons