Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/94502
Title: Papel preditor do ajustamento conjugal e influência de variáveis sociodemográficas e familiares na coparentalidade em famílias com filhos na escola
Other Titles: Predictive role of marital adjustment and influence of sociodemographic and family variables on coparenting in families with children at school
Authors: Pereira, Daniela Martins
Orientador: Carvalho, Maria Madalena Santos Torres Veiga
Keywords: coparentalidade; ajustamento conjugal; família com filhos na escola; número de filhos; estrutura familiar; coparenting; marital adjustment; families with school-age children; number of children; family structure
Issue Date: 19-Nov-2020
Serial title, monograph or event: Papel preditor do ajustamento conjugal e influência de variáveis sociodemográficas e familiares na coparentalidade em famílias com filhos na escola
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: A presente investigação tem como principal objetivo compreender de que modo é que determinadas variáveis sociodemográficas e familiares bem como o ajustamento conjugal podem influenciar as perceções da coparentalidade, em famílias com filhos em idade escolar. Partindo destas premissas, realizou-se um estudo empírico que contou com a participação de 177 mães portuguesas, com idade compreendida entre os 25 e os 55 anos (M=39.05, DP=5.49) e pertencentes a famílias nucleares intactas ou a famílias monoparentais. Os dados foram recolhidos através do método de inquérito, em formato online ou em papel, e seguiram um processo de seleção de amostragem por conveniência com recurso ao método bola-de-neve. Atendendo ao tema da nossa investigação, optou-se por analisar três dos seis instrumentos que constituíam o protocolo inicial: o Questionário Sociodemográfico, de Dados Familiares e Complementares, o Questionário de Coparentalidade - QC (Pedro & Ribeiro, 2008) e a Escala de Ajustamento Mútuo – DAS (Lourenço & Relvas, 2003). Com base nos três modelos de regressão múltipla efetuados, é possível afirmar que algumas dimensões do ajustamento conjugal apresentam-se como bons preditores da coparentalidade, em famílias nucleares intactas. Atendendo à falta de literatura relativa à influência de algumas variáveis na coparentalidade, o atual estudo visa motivar novas leituras e intervenções nesta área, impulsionando a necessidade de futuras investigações que analisem, por exemplo, a coparentalidade do ponto de vista do pai-homem.A presente investigação tem como principal objetivo compreender de que modo é que determinadas variáveis sociodemográficas e familiares bem como o ajustamento conjugal podem influenciar as perceções da coparentalidade, em famílias com filhos em idade escolar. Partindo destas premissas, realizou-se um estudo empírico que contou com a participação de 177 mães portuguesas, com idade compreendida entre os 25 e os 55 anos (M=39.05, DP=5.49) e pertencentes a famílias nucleares intactas ou a famílias monoparentais. Os dados foram recolhidos através do método de inquérito, em formato online ou em papel, e seguiram um processo de seleção de amostragem por conveniência com recurso ao método bola-de-neve. Atendendo ao tema da nossa investigação, optou-se por analisar três dos seis instrumentos que constituíam o protocolo inicial: o Questionário Sociodemográfico, de Dados Familiares e Complementares, o Questionário de Coparentalidade - QC (Pedro & Ribeiro, 2008) e a Escala de Ajustamento Mútuo – DAS (Lourenço & Relvas, 2003). Com base nos três modelos de regressão múltipla efetuados, é possível afirmar que algumas dimensões do ajustamento conjugal apresentam-se como bons preditores da coparentalidade, em famílias nucleares intactas. Atendendo à falta de literatura relativa à influência de algumas variáveis na coparentalidade, o atual estudo visa motivar novas leituras e intervenções nesta área, impulsionando a necessidade de futuras investigações que analisem, por exemplo, a coparentalidade do ponto de vista do pai-homem.
The present research has as its main objective to understand how certain sociodemographic and family variables as well as marital adjustment can influence the perceptions of coparenting, in families with school-age children. Based on these premises, an empirical study was conducted with the participation of 177 Portuguese mothers, aged between 25 and 55 years old (M = 39.05, SD = 5.49) that belong to intact nuclear families or to single parent families. The data were collected through the inquiry method, in online or paper format, and followed a sample selection process for convenience using the snowball method. Attending the theme of our investigation, we chose to analyze three of the six instruments that constituted the initial protocol: the Sociodemographic, Questionnaire or Family and Complementary Data, the Coparenting Questionnaire - QC (Pedro & Ribeiro, 2008) and the Mutual Adjustment Scale - DAS (Lourenço & Relvas, 2003). Based on the three multiple regression models performed, it is possible to affirm that, in intact nuclear families, some dimensions of marital adjustment are good predictors of coparenting. Given the lack of literature on the influence of some variables on coparenting, the current study aims to motivate new readings and interventions in this area, that could drive the need for future investigations to analyze, for example, coparenting from the point of view of the father-man.The present research has as its main objective to understand how certain sociodemographic and family variables as well as marital adjustment can influence the perceptions of coparenting, in families with school-age children. Based on these premises, an empirical study was conducted with the participation of 177 Portuguese mothers, aged between 25 and 55 years old (M = 39.05, SD = 5.49) that belong to intact nuclear families or to single parent families. The data were collected through the inquiry method, in online or paper format, and followed a sample selection process for convenience using the snowball method. Attending the theme of our investigation, we chose to analyze three of the six instruments that constituted the initial protocol: the Sociodemographic, Questionnaire or Family and Complementary Data, the Coparenting Questionnaire - QC (Pedro & Ribeiro, 2008) and the Mutual Adjustment Scale - DAS (Lourenço & Relvas, 2003). Based on the three multiple regression models performed, it is possible to affirm that, in intact nuclear families, some dimensions of marital adjustment are good predictors of coparenting. Given the lack of literature on the influence of some variables on coparenting, the current study aims to motivate new readings and interventions in this area, that could drive the need for future investigations to analyze, for example, coparenting from the point of view of the father-man.
Description: Dissertação de Mestrado Integrado em Psicologia apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
URI: http://hdl.handle.net/10316/94502
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese Final Daniela Martins Pereira.pdf651.06 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

5
checked on Jun 10, 2021

Download(s)

10
checked on Jun 10, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons