Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/93058
Title: Relatório de Estágio e Monografia intitulada "Gestão da terapêutica com NOACs no doente hipocoagulado"
Other Titles: Internship and Monograph reports entitled”Management of NOACs therapy in hypocoagulated patients"
Authors: Sequeira, Raquel Santa
Orientador: Loureiro, André Filipe Paiva
Caetano, Maria Margarida Coutinho de Seabra Castel-Branco
Keywords: fibrilhação auricular; acidente vascular cerebral; hipocoagulação oral; NOACs; gestão da terapêutica; atrial fibrillation; stroke; hypocoagulated patient; NOACs; therapeutic management
Issue Date: 25-Sep-2020
Serial title, monograph or event: Relatório de Estágio e Monografia intitulada "Gestão da terapêutica com NOACs no doente hipocoagulado"
Place of publication or event: Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra; Farmácia Estádio-Coimbra
Abstract: A fibrilhação auricular é a arritmia cardíaca mais prevalente. Em Portugal, estima-se que 14% dos doentes com FA tenham já sofrido um episódio de Acidente Vascular Cerebral, constituindo deste modo a FA uma importante causa de morbilidade e de mortalidade. A incidência da FA a partir dos 50 anos duplica em cada década e é superior no sexo masculino em todos os grupos etários. O resultado estimado para a prevalência de FA é de 2,5% em Portugal. O risco de um doente com FA desenvolver um AVC é três a cinco vezes superior e com maior gravidade comparativamente aos doentes sem esta condição. Presentemente, a anticoagulação oral é recomendada para todos os doentes com FA. As limitações da varfarina têm motivado o desenvolvimento de alternativas terapêuticas, com um perfil de eficácia e segurança pelo menos idênticos ao da varfarina, mas sem necessidade de controlo laboratorial de rotina. Os NOACs (Non-antagonist vitamin K Oral AntiCoagulants) são uma alternativa adequada à varfarina para a prevenção do AVC atribuível à FA. Atualmente, existem quatro novos anticoagulantes orais: um inibidor direto da trombina (fator IIa) – dabigatrano; e três inibidores diretos do fator Xa – rivaroxabano, apixabano e edoxabano. Ao invés da varfarina, os NOACs não necessitam de monitorização regular da coagulação, o que melhora significativamente a qualidade de vida do doente. O Cartão de Alerta do Doente é de enorme relevância do ponto de vista farmacoterapêutico, quer para o doente, que desta forma assume a sua responsabilidade no conhecimento da terapêutica e dos riscos a que pode estar sujeito, quer para o farmacêutico, que através desta via pode educar, consciencializar e sensibilizar o doente para a importância e benefício da terapêutica anticoagulante na melhoria do seu estado de saúde e promover a adesão à terapêutica do doente hipocoagulado.A implementação de um serviço de gestão da terapêutica do doente hipocoagulado com NOACs na farmácia comunitária é da maior importância na prestação de cuidados de saúde para este doente.Sugere-se que a prestação de serviços centrados no doente, como a monitorização e a gestão da terapêutica, seja uma mais-valia para a saúde do doente, para o Sistema Nacional de Saúde e o caminho para preservar e dignificar o futuro da classe farmacêutica que jamais se pode limitar ao medicamento e à sua dispensa.
The atrial fibrillation is the most common sustained cardiac arrhythmia. In Portugal, it is estimated that 14% of the patients with AF have already suffered a stroke, being AF this way an important cause of morbidity and mortality. The occurrence of AF after 50 years old doubles in each decade and it is higher in the masculine gender in all age groups. The estimated result of the prevalence of AF in Portugal is 2.5%. The risk of a patient with AF developing a stroke is three to five times higher and graver comparing with the patients who do not have this condition.Currently oral anticoagulation is recommended for every patient with AF. The limitations of warfarin have motivated the development of therapeutic alternatives, with an efficacy and safety profile identic to warfarin, however without the need of a routine laboratory control. NOACs (Non-antagonist vitamin K Oral AntiCoagulants) are a suitable alternative to warfarin for stroke prevention attributed to AF. Nowadays there are four new oral anticoagulants: one direct inhibitor of thrombin (lla factor) – dabigatran; and three inhibitors of Xa factor – rivaroxaban, apixaban and edoxaban. Instead of warfarin, NOACs don’t need regular monitoring of coagulation, which improves patient’s quality of life significantly.“Cartão de Alerta do Doente” (Patient’s Alert Card) is of tremendous relevance from the pharmaco-therapeutic view, both for the patient, who assumes this way his responsibility about the therapeutic knowledge and the risks he may be exposed to, and for the pharmacist, who, through this, can educate, raise awareness and sensitize the patient for the importance and benefit of the anticoagulant therapeutic for the improvement of his health condition and promote and increase the hypocoagulated patient’s adherence to the therapeutic.The implementation of a management service of the hypocoagulated patient’s therapeutics with NOACs in the community pharmacy is of prime importance in health care services for this patient.It is suggested that health care services centered on the patient, as the monitoring and management of the therapeutics, is a huge asset for the patient’s health, for the National Health Care System and the way to preserve and dignify pharmaceutics’ future, which can never be restricted to the medicine and its dispensing.
Description: Relatório de Estágio do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas apresentado à Faculdade de Farmácia
URI: http://hdl.handle.net/10316/93058
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
MICF_RAQUEL_S.SEQUEIRA2020- retificado.pdf1.45 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

3
checked on Feb 25, 2021

Download(s)

3
checked on Feb 25, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons