Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/927
Title: DPPIV/CD26 em Fisiopatologia Humana
Authors: Dourado, Marília de Assunção Rodrigues Ferreira 
Orientador: Proença, Anabela Mota Pinto
Rosa, Manuel Satos
Keywords: Patologia (Fisiopatologia - Patologia Geral)
Issue Date: 2001
Citation: DOURADO, Marília de Assunção Rodrigues Ferreira - DPPIV/CD26 em Fisiopatologia Humana. Coimbra : [s.n.], 2000. 244 p.
Abstract: Depois de uma breve revisão acerca do conceito de enzima, salienta-se o papel destas moléculas no controlo da homeostasia do organismo. É neste contexto que se insere o nosso interesse no estudo da enzima dipeptidil peptidase IV (DPPIV). Esta, é uma glicoproteína transmembranar, expressa numa grande variedade de células. É constituída por 766 aminoácidos que se organizam em duas subunidades cada uma com um sítio activo. É uma de exopeptidase que clivaga, com grande especificidade, dipeptídeos da terminação N de cadeias polipeptídicas onde o aminoácido prolina ocupa a penúltima posição. A actividade da DPPIV doseia-se em líquidos biológicos, como o soro e o plasma. No"4º Worksop on leukocyte differentiation antigens", a DPPIV foi identificada com o antigénio da superfície linfocitária CD26. O objectivo principal, do estudo, foi a determinação de valores de referência da actividade DPPIV (solúvel), e da expressão do CD26 (membranar) na superfície dos linfócitos T, numa população clinicamente saudável. Posteriormente determinámos os mesmos parâmetros em grupos com patologias definidas. O valor de referência da actividade DPPIV, (população normal de ambos os sexos), foi de 52,3±15,5 U/L, sem diferenças estatisticamente significativos entre os sexos. Nos diferentes grupos etários os indivíduos idosos apresentam actividade enzimática significativamente mais elevada. As condicionantes da resposta biológica, (exercício físico, stress e vacinação) não interferiram com a actividade DPPIV, à excepção da vacinação anti-VHB em que os Respondentes apresentam actividade enzimática superior aos não-Respondentes. A expressão do CD26 foi de 53,3±7,1%, não diferiu significativamente nos dois sexos. A expressão de CD8CD26 diminuiu nos idosos. Na população com patologia os resultados mais significativos foram: Cancro da mama: aumento significativo da actividade DPPIV, diminuição significativa da expressão de CD26 total de CD3CD26, de CD8CD26 e de CD3negCD26. Insuficiência Renal Crónica: (antes e depois da hemodiálise) diminuição significativa da actividade DPPIV. Diminuição (genérica) da expressão dos antigénios da superficie celular T. Os CD3negCD26 apresentaram-se significativamente aumentados. Doença de Behçet: diminuição significativa da actividade DPPIV, da expressão de CD26, de CD3CD26 e de CD3negCD26. Patologia Inflamatória Crónica da articulação do joelho: sem alterações significativas. Patologia Pulmonar (infecção): diminuição significativa da expressão de CD26, de CD3CD26 e de CD8CD26. Conclusões : a actividade da DPPIV e a expressão de CD26, na população normal, não demonstrou diferenças entre os sexos. As diferenças mais significativas observaram-se nos mais idosos. A actividade DPPIV e a expressão CD26, são parâmetros biológicos que devem ser avaliados individualmente por terem significados fisiopatólogicos distintos.
URI: http://hdl.handle.net/10316/927
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s)

141
checked on Sep 24, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.