Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/92573
Title: O Potencial de Identificação de Calcificações Ateroscleróticas no Contexto da Antropologia Forense
Other Titles: The Identification Potential of Atherosclerotic Calcifications in the Context of Forensic Anthropology
Authors: Monteiro, Sara Filipa Fernandes
Orientador: Cunha, Eugénia Maria Guedes Pinto Antunes da
Garcia, Susana
Keywords: Antropologia Forense; Identificação; Patologia Cardiovascular; Aterosclerose; Placas calcificadas; Forensic Anthropology; Identification; Cardiovascular Pathology; Atherosclerosis; Calcified Plaques
Issue Date: 16-Jul-2020
Serial title, monograph or event: O Potencial de Identificação de Calcificações Ateroscleróticas no Contexto da Antropologia Forense
Place of publication or event: MUHNAC; INMLCF; Hospital São José
Abstract: No âmbito da antropologia forense, um dos objetivos mais comuns numa perícia é a identificação dos indivíduos, assim como o auxílio do médico de patologia forense a averiguar o tempo decorrido desde a morte e a interpretar as lesões traumáticas. O processo de identificação inicia-se com a definição do perfil biológico do indivíduo (afinidade populacional, sexo, idade e estatura), seguindo-se a procura de fatores individualizantes, sendo neste parâmetro que se inserem as patologias. A aterosclerose é uma patologia que consiste na acumulação de gordura, cálcio e outros elementos nas paredes das artérias, sendo que com o evoluir desta doença, as artérias vão perdendo calibre e vão ficando obstruídas, acabando o cálcio por promover a calcificação da placa aterosclerótica. Após a calcificação, as placas tornam-se fragmentos ósseos passíveis de resistir à decomposição cadavérica e, apesar das suas pequenas dimensões e fragilidade relativamente alta, estas podem ser recuperadas durante o levantamento de restos ósseos. Esta investigação teve como base a Coleção Luís Lopes do Museu Nacional da História Natural e da Ciência, da qual foi selecionada uma amostra de 71 indivíduos, sendo que apenas para 31 destes existe o respetivo relatório de autópsia. Com a análise da informação recolhida nos esqueletos e nos respetivos relatórios de autópsia foram levantadas várias informações sobre as placas ateroscleróticas calcificadas, nomeadamente a sua distribuição pela amostra e de acordo com sexos e idades, assim como a sua associação a outras patologias. Foi ainda feita análise imagiológica a vários tipos de calcificações, entre as quais ateroscleróticas com o objetivo de complementar a análise macroscópica e apresentar outros métodos de identificação das placas. Após a obtenção de todos os resultados concluiu-se que cada calcificação aterosclerótica tem um perfil único, o que pode ser útil, principalmente em casos em que o indivíduo tenha a patologia severa e desenvolvida. Posto isto, em termos de potencial de identificação, a análise de placas ateroscleróticas calcificadas poderá ser proveitosa, na medida em que estas poderão corroborar ou rejeitar uma identificação. Independentemente da identificação, estas placas são elementos ósseos resultantes de uma patologia, pelo que devem ser conhecidos e reconhecidos pela comunidade científica.
In the field of forensic anthropology, one of the most common objectives in an investigation is the identification of the individual, as well as the assistance of the forensic pathology doctor to ascertain the time elapsed since death and to interpret traumatic injuries. The identification process begins with the definition of the individual's biological profile (population affinity, sex, age and height), followed by the search for individualizing factors, being pathologies included in this parameter. Atherosclerosis is a condition that consists in the accumulation of fat, calcium and other elements in the walls of the arteries, and as this disease evolves, the arteries lose their caliber and become clogged, ending up with calcium promoting calcification of the atherosclerotic plaque. After calcification, the plaques become bone fragments capable of resisting cadaveric decomposition, which can therefore be recovered during the survey of bone remains, despite their small dimensions and relatively high fragility, which hinders their post-mortem recovery. This investigation was based on the Luís Lopes Collection from the National Museum of Natural History and Science, from which a sample of 71 individuals was selected, with only 31 of them having an autopsy report. With the analysis of the information collected in the skeletons and in their autopsy reports, various information was gathered about the calcified atherosclerotic plaques, namely their distribution by the sample and distribution according to sex and age, as well as their association with other pathologies. Imaging analysis was also performed on calcifications, namely an atherosclerotic in order to complement the macroscopic analysis and present other methods of plaque identification. After obtaining all the results, it was concluded that each atherosclerotic calcification has a unique profile, which can be useful, especially in cases where the individual has severe and developed pathology. That said, in terms of identification potential, the analysis of calcified atherosclerotic plaques may be useful, as they may corroborate or reject an identification. Regardless of identification, these plaques are bone elements resulting from a pathology, so they must be known and recognized by the scientific community.
Description: Dissertação de Mestrado em Antropologia Forense apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia
URI: http://hdl.handle.net/10316/92573
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Dissertação Antropologia Forense Sara Filipa Monteiro.pdf1.95 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s)

27
checked on May 13, 2021

Download(s)

4
checked on May 13, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons