Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/91101
Title: Influência do Exercicio Físico e da Nutrição na Sarcopenia
Authors: Loureiro, Maria Helena Vieira Soares
Orientador: Martins, Raul Agostinho Simões
Veríssimo, Manuel Teixeira
Keywords: Envelhecimento; Sarcopenia; Proteínas; Composição Corporal; Exercício Físico; Força muscular; Qualidade de Vida
Issue Date: 20-Apr-2020
Abstract: Introdução: A sarcopenia é um fenómeno central no processo de envelhecimento emergindo como causa, mas também como consequência de outras alterações desencadeadas pelo envelhecimento. Objetivo: Determinar os efeitos do exercício físico (treino aeróbio e força) e da suplementação proteica 20g (whey protein, leucina, caseína) em determinantes da sarcopenia, na qualidade de vida e em outros indicadores de saúde, em pessoas idosas. Metodologia: Estudo clínico prospetivo, randomizado, cego, controlado com placebo, com quatro grupos e realizado no Distrito de Coimbra. A amostra não probabilística ficou constituída por 76 participantes, dos quais 72,4% (55) são do sexo feminino e 27,6% (21) do sexo masculino, com idade superior a 60 anos e média de 68,5 ± 5,7 anos. A estatura média dos foi de 1,57 ± 0,09 m e a massa corporal de 72,7 ± 14,3 kg. Foram selecionados aleatoriamente idosos inscritos num Centro de Saúde, autónomos e a viver na comunidade, tendo posteriormente sido distribuídos por quatro grupos: EFR+ SP (exercício físico e suplementação proteica); EFR+ P (exercício físico e placebo); SP (suplementação proteica); C (Controlo). A duração do treino foi de 60 minutos o suplemento e o placebo foram ingeridos 10 minutos após o término do exercício físico, três dias por semana. Todos os grupos foram avaliados no início do estudo T0 e após 12 semanas T1 nas variáveis: massa corporal; estatura; índice de massa corporal (IMC); perímetro do braço; perímetro da perna e perímetro abdominal; resistência inferior (sentar e levantar da cadeira); força de preensão palmar; composição corporal, por DEXA®; ingestão alimentar; qualidade de vida relacionada com a saúde (QVRS); risco nutricional; atividades básicas da vida diária escala de Barthel®; sarcopenia; parâmetros bioquímicos. Resultados: Após 12 semanas, o grupo controlo baixou significativamente (p≤0,05) a densidade mineral óssea (DMO), com um tamanho do efeito (TE) moderado. Os grupos EFR + P e SP também exibiram tendência de aumento (p = 0,055) da massa esquelética apendicular (MEA), o grupo controlo apresentou uma diminuição significativa (p≤0,05). Os grupos que praticaram exercício também apresentaram tendência de aumento de massa magra, embora sem significado estatístico, enquanto o grupo controlo reduziu significativamente a massa magra total. Observámos também uma diminuição significativa da MEA/A2 no grupo EFR + SP. Todos os grupos intervencionados aumentaram significativamente (p=0,001) a força de preensão palmar, com um TE moderado a grande, com exceção do grupo controlo que diminuiu significativamente (p=0,001), com um TE grande. Verificou-se também aumento significativo (p=0,001) no número de vezes de levantar e sentar na cadeira, com um TE grande em todos os grupos intervencionados. Contrariamente, no grupo de controlo, todos os participantes pioraram significativamente (p= 0,001), com TE grande. viii Nos três grupos com intervenção, os participantes que tinham sarcopenia provável no início do estudo passaram a não sarcopénicos em T1, sendo estas diferenças estatisticamente significativas (p≤0,05) com um TE grande. Com exceção mais uma vez do grupo controlo que, aumentou significativamente (p≤0,005) o número de participantes com sarcopenia provável, com TE grande. Na triagem nutricional MNA®, no total da amostra, em T0, identificámos um indivíduo desnutrido, 22 em risco nutricional e 53 eutróficos. Após 12 semanas de intervenção não havia nenhum individuo desnutrido, estando 9 em risco nutricional e sendo 67 eutróficos (p=0,001). Verificámos que a ingestão proteica ao longo das 12 semanas foi no grupo EFR+SP de 1,4/kg peso/dia, no grupo SP de 1,3g/kg peso/dia, nos grupos EFR+P e C, que não foram suplementados, foi de 1,06g de proteínas /kg peso/dia e 1,02g de proteínas/kg peso/dia respetivamente. Observou-se aumento de consumo de BCAA na alimentação diária em T1, com diferenças estatisticamente significativas (p=0,001) com um TE grande nos grupos EFR+SP e SP. O efeito das intervenções nos grupos EFR+SP, EFR+P e SP foi significativo (p= 0,001) na redução do Colesterol, da HbA1c e da glicémia, o TE foi grande. A redução da PCR, a insulina e o peptídeo C foram significativamente mais pronunciadas nos grupos EFR+SP e EFR+P, com um (p ≤0,05) e com TE grande (> 0,14); o grupo controlo aumentou estes parâmetros.12 semanas de exercício físico e suplementação melhoraram a QVRS em todas as dimensões do SF36 com um aumento significativo (p<0,0001) nos grupos EFR+S, EFR+P e SP, sempre com TE grande. O grupo controlo diminuiu significativamente (p<0,0001) em todas as dimensões da QVRS. Conclusão: O exercício físico e a suplementação proteica melhoraram significativamente os parâmetros envolvidos no desenvolvimento da sarcopenia e na QVRS em pessoas com 60 anos ou mais. Não ter havido intervenção fez com que todos os parâmetros avaliados piorassem.
Introduction: Sarcopenia plays a crucial role in the ageing process, emerging as a cause, but also as a consequence of other modifications triggered by ageing. Aim: To determine the effects of exercise (resistance and strength) and protein supplementation corresponding to 20 g of protein (whey, leucine and casein) in the determinants of sarcopenia, on quality of life and several other health markers, in older adults. Methods: This is a prospective, randomized, blind, with placebo study, comprising four groups, performed in the district of Coimbra. The non-probabilistic sample was composed by 76 participants, of which 72.4% (55) are female and 27.6% (21) are male, with 60 or more years old and a mean age of 68.5±5.7 years old. Mean stature was 1.57±0.09 m and body mass 72.7±14.3 kg. Independent community-dwelling older adults, registered at a local primary healthcare unit, were randomly selected, and distributed across four groups: Group EFR+SP (exercise and protein supplementation), Group EFR+P (exercise and placebo), Group SP (protein supplementation) and Group C (control without intervention). The protein supplement and placebo were ingested 10 minutes after finishing physical exercise, three days a week, and the exercise duration was 60 minutes. Each of the four groups was assessed at the beginning of the study T0 and after twelve weeks of intervention T1 for: body mass; stature; body mass index (IMC); arm circumference; calf circumference and waist circumference; lower body function (chair sit and rise); hand grip strength; body composition, assessed through DEXA®; food intake; health-related quality of life (QVRS); nutritional risk; activities of daily living – Barthel index®; sarcopenia and laboratory data. Results: After twelve weeks of intervention, the control group showed a significant decrease (p≤0.05) in BMO, with a moderate effect size (TE). The EFR+P and SP groups showed an increase (p=0.055) of skeletal appendicular mass (MEA), while the control group showed a significant decrease (p≤0.05). The groups that performed exercise showed an increase in lean mass, although without statistical significance, while the control group showed a significant reduction in total lean mass. We observed a significant reduction in MEA/A2 in the EFR+SP group. All intervention groups significantly increased (p=0.001) hand grip strength in the right, left and dominant hand, with a moderate to large TE, with the exception of the control group, which significantly diminished (p=0.001) these parameters, with a large TE. A significant increase (p=0.001) was also found in the number of chair sitting and standing repetitions at T1, with a large TE in all intervention groups. In the control group, all participants showed a significant worsening (p=0.001) with a large TE. x In the three intervention groups, the individuals who had probable sarcopenia at T0 became robust at T1, with statistically significant differences (p≤0.05) and a large TE. With the exception of the control group which, at T1, significantly (p≤0.005) increased the number of individuals with probable sarcopenia, with a large TE. As for nutritional screening according to MNA®, in all of the sample at T0, we identified one malnourished individual, 22 at nutritional risk and 53 in adequate nutritional status. After twelve weeks of intervention, there weren’t any malnourished individuals, 9 were at nutritional risk and 67 had an adequate nutritional status (p=0.001). Protein intake along the twelve weeks was the following: in the EFR+SP group 1.4/kg body weight/day, in the SP group 1.3g/kg body weight/day, in the EFR+P and C groups, which weren’t supplemented, was 1.06g protein/kg body weight/day e 1.02g protein/kg body weight/day respectively. We found an increase in BCAA consumption from daily food intake at T1, with statistically significant differences (p=0.001), and a large TE, in the EFR+SP and SP groups. The effect of the interventions in the EFR+SP, EFR+P and SP groups (p=0.001) was significant in lowering cholesterol, HbA1c and glycemia, with a large TE. The reduction of PCR, insulin and C peptide were significantly larger in the EFR+SP and EFR+P groups, with a (p≤0.05) and a large TE (> 0.14); the control group showed an increase of these markers at T1. Twelve weeks of physical exercise and supplementation showed an increase in QVRS in all dimensions of SF36, with a statistically significant (p<0.0001) increase found in the EFR+S, EFR+P and SP groups, after intervention and with a large TE. The control group significantly (p<0.0001) decreased in all dimensions of QVRS. Conclusion: Physical exercise and protein supplementation positively affected the parameters that contribute to the development of sarcopenia, especially in QVRS of older adults with 60 or more years old. We can state that the absence of intervention made all the parameters worse. Key words: Ageing, Sarcopenia, Protein, Physical Exercise, Body Composition, Muscle Strenght, Quality of life.
Description: Tese de Doutoramento em Ciências do Desporto, Ramo de Atividade Física e Saúde, apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/91101
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Teses de Doutoramento
FCDEF - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Influência do Exercicio Físico e da Nutrição na Sarcopenia.pdf3.52 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

41
checked on Oct 27, 2020

Download(s)

41
checked on Oct 27, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.