Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/90366
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorReis, João Carlos Simões-
dc.contributor.authorMartins, Barbara Alvarenga Rodrigues-
dc.date.accessioned2020-07-09T22:20:47Z-
dc.date.available2020-07-09T22:20:47Z-
dc.date.issued2019-10-11-
dc.date.submitted2020-07-09-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/90366-
dc.descriptionDissertação de Mestrado em Direito apresentada à Faculdade de Direito-
dc.description.abstractO estudo em comento é uma análise da possibilidade de extensão do princípio da liberdade sindical, consagrado no artigo 55 da Constituição da República Portuguesa, e do Direito à greve, para a figura dos trabalhadores autónomos economicamente dependentes. Tem como escopo analisar os diferentes conceitos dados pela doutrina e legislação de trabalhador para fins sindicais, enfatizando a subordinação jurídica como critério principal para o não reconhecimento dos direitos sindicais à categoria mencionada de trabalhadores. Entretanto, em contrapartida, alguns doutrinadores baseados no critério de dependência económica vislumbram a possibilidade de reconhecer tais direitos aos trabalhadores economicamente dependentes, tendo em vista o critério “fordista” de subordinação jurídica, o qual não condiz com a realidade atual do direito do trabalho, ampliando assim a noção de trabalhadores, e reforçando o entendimento da OIT de que os direitos de liberdade sindicais devem ser reconhecidos a todos os trabalhadores, sendo esse direito um dos valores fundamentais da OIT, cujo o exercício possui consequências significativas na construção de um trabalho digno.O estudo em comento é uma análise da possibilidade de extensão do princípio da liberdade sindical, consagrado no artigo 55 da Constituição da República Portuguesa, e do Direito à greve, para a figura dos trabalhadores autónomos economicamente dependentes. Tem como escopo analisar os diferentes conceitos dados pela doutrina e legislação de trabalhador para fins sindicais, enfatizando a subordinação jurídica como critério principal para o não reconhecimento dos direitos sindicais à categoria mencionada de trabalhadores. Entretanto, em contrapartida, alguns doutrinadores baseados no critério de dependência económica vislumbram a possibilidade de reconhecer tais direitos aos trabalhadores economicamente dependentes, tendo em vista o critério “fordista” de subordinação jurídica, o qual não condiz com a realidade atual do direito do trabalho, ampliando assim a noção de trabalhadores, e reforçando o entendimento da OIT de que os direitos de liberdade sindicais devem ser reconhecidos a todos os trabalhadores, sendo esse direito um dos valores fundamentais da OIT, cujo o exercício possui consequências significativas na construção de um trabalho digno.O estudo em comento é uma análise da possibilidade de extensão do princípio da liberdade sindical, consagrado no artigo 55 da Constituição da República Portuguesa, e do Direito à greve, para a figura dos trabalhadores autónomos economicamente dependentes. Tem como escopo analisar os diferentes conceitos dados pela doutrina e legislação de trabalhador para fins sindicais, enfatizando a subordinação jurídica como critério principal para o não reconhecimento dos direitos sindicais à categoria mencionada de trabalhadores. Entretanto, em contrapartida, alguns doutrinadores baseados no critério de dependência económica vislumbram a possibilidade de reconhecer tais direitos aos trabalhadores economicamente dependentes, tendo em vista o critério “fordista” de subordinação jurídica, o qual não condiz com a realidade atual do direito do trabalho, ampliando assim a noção de trabalhadores, e reforçando o entendimento da OIT de que os direitos de liberdade sindicais devem ser reconhecidos a todos os trabalhadores, sendo esse direito um dos valores fundamentais da OIT, cujo o exercício possui consequências significativas na construção de um trabalho digno.O estudo em comento é uma análise da possibilidade de extensão do princípio da liberdade sindical, consagrado no artigo 55 da Constituição da República Portuguesa, e do Direito à greve, para a figura dos trabalhadores autónomos economicamente dependentes. Tem como escopo analisar os diferentes conceitos dados pela doutrina e legislação de trabalhador para fins sindicais, enfatizando a subordinação jurídica como critério principal para o não reconhecimento dos direitos sindicais à categoria mencionada de trabalhadores. Entretanto, em contrapartida, alguns doutrinadores baseados no critério de dependência económica vislumbram a possibilidade de reconhecer tais direitos aos trabalhadores economicamente dependentes, tendo em vista o critério “fordista” de subordinação jurídica, o qual não condiz com a realidade atual do direito do trabalho, ampliando assim a noção de trabalhadores, e reforçando o entendimento da OIT de que os direitos de liberdade sindicais devem ser reconhecidos a todos os trabalhadores, sendo esse direito um dos valores fundamentais da OIT, cujo o exercício possui consequências significativas na construção de um trabalho digno.por
dc.description.abstractThe study in question is an analysis of the possibility of extending the principle of trade union freedom, enshrined in Article 55 of the Constitution of the Portuguese Republic and Strike. To the figure of self-employed workers economically dependent. Its scope is to analyze the different concepts given by doctrine and legislation, from worker to union purposes, emphasizing legal subordination as the main criterion for the non-recognition of trade union rights in the aforementioned category of workers, how ever on the other hand,some doctrinators based on the criterion of economic dependence They envisage the possibility of reassigning such rights to economically dependent workers, in view of the “Fordist”criterion of legal subordination, which is not in keeping with the currentrealities of labor law, thus broadening the concept of workers and strengthening the OIT understanding That freedom of association rights must be recognized for all workers, and that right is one of the fundamental values of the OIT, whose exercise has significant consequences for the construction of decent work.The study in question is an analysis of the possibility of extending the principle of trade union freedom, enshrined in Article 55 of the Constitution of the Portuguese Republic and Strike. To the figure of self-employed workers economically dependent. Its scope is to analyze the different concepts given by doctrine and legislation, from worker to union purposes, emphasizing legal subordination as the main criterion for the non-recognition of trade union rights in the aforementioned category of workers, how ever on the other hand,some doctrinators based on the criterion of economic dependence They envisage the possibility of reassigning such rights to economically dependent workers, in view of the “Fordist”criterion of legal subordination, which is not in keeping with the currentrealities of labor law, thus broadening the concept of workers and strengthening the OIT understanding That freedom of association rights must be recognized for all workers, and that right is one of the fundamental values of the OIT, whose exercise has significant consequences for the construction of decent work.The study in question is an analysis of the possibility of extending the principle of trade union freedom, enshrined in Article 55 of the Constitution of the Portuguese Republic and Strike. To the figure of self-employed workers economically dependent. Its scope is to analyze the different concepts given by doctrine and legislation, from worker to union purposes, emphasizing legal subordination as the main criterion for the non-recognition of trade union rights in the aforementioned category of workers, how ever on the other hand,some doctrinators based on the criterion of economic dependence They envisage the possibility of reassigning such rights to economically dependent workers, in view of the “Fordist”criterion of legal subordination, which is not in keeping with the currentrealities of labor law, thus broadening the concept of workers and strengthening the OIT understanding That freedom of association rights must be recognized for all workers, and that right is one of the fundamental values of the OIT, whose exercise has significant consequences for the construction of decent work.The study in question is an analysis of the possibility of extending the principle of trade union freedom, enshrined in Article 55 of the Constitution of the Portuguese Republic and Strike. To the figure of self-employed workers economically dependent. Its scope is to analyze the different concepts given by doctrine and legislation, from worker to union purposes, emphasizing legal subordination as the main criterion for the non-recognition of trade union rights in the aforementioned category of workers, how ever on the other hand,some doctrinators based on the criterion of economic dependence They envisage the possibility of reassigning such rights to economically dependent workers, in view of the “Fordist”criterion of legal subordination, which is not in keeping with the currentrealities of labor law, thus broadening the concept of workers and strengthening the OIT understanding That freedom of association rights must be recognized for all workers, and that right is one of the fundamental values of the OIT, whose exercise has significant consequences for the construction of decent work.eng
dc.language.isopor-
dc.rightsopenAccess-
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/-
dc.subjectGrevepor
dc.subjectLiberdade sindicalpor
dc.subjectTrabalhadores autónomos economicamente dependentespor
dc.subjectStrikeeng
dc.subjectFreedom of associationeng
dc.subjecteconomically dependent Autonomous workerseng
dc.titleA EXTENSÃO DO PRINCÍPIO DA LIBERDADE SINDICAL E DO DIREITO À GREVE AOS TRABALHADORES AUTÓNOMOS ECONOMICAMENTE DEPENDENTES: em especial os trabalhadores no domicílio e os teletrabalhadores autónomos dependentespor
dc.title.alternativeTHE EXTENSION OF THE PRINCIPLE OF TRADE UNION FREEDOM AND THE TELECOMMUNICATION LAW OF ECONOMICALLY DEPENDENT AUTONOMOUS WORKES: in particular home-based workes and dependent self-employed teleworkerseng
dc.typemasterThesis-
degois.publication.locationFaculdade de Direito da Universidade de Coimbra-
degois.publication.titleA EXTENSÃO DO PRINCÍPIO DA LIBERDADE SINDICAL E DO DIREITO À GREVE AOS TRABALHADORES AUTÓNOMOS ECONOMICAMENTE DEPENDENTES: em especial os trabalhadores no domicílio e os teletrabalhadores autónomos dependentespor
dc.peerreviewedyes-
dc.identifier.tid202498174-
thesis.degree.disciplineCiências Jurídicas-
thesis.degree.grantorUniversidade de Coimbra-
thesis.degree.level1-
thesis.degree.nameMestrado em Direito-
uc.degree.grantorUnitFaculdade de Direito-
uc.degree.grantorID0500-
uc.contributor.authorMartins, Barbara Alvarenga Rodrigues::0000-0001-6948-8217-
uc.degree.classification14-
uc.degree.presidentejuriAmado, João Carlos Conceição Leal-
uc.degree.elementojuriVicente, Joana Isabel Sousa Nunes-
uc.degree.elementojuriReis, João Carlos Simões-
uc.contributor.advisorReis, João Carlos Simões-
item.fulltextCom Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
item.grantfulltextopen-
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado
Files in This Item:
File Description SizeFormat
barbara.pdf782.51 kBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s)

8
checked on Oct 20, 2020

Download(s)

5
checked on Oct 20, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons