Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/90023
Title: Confiança do doente no médico. Validação de questionário
Other Titles: Patient trust in the doctor. Survey form validation.
Authors: Dias, Adriana Sofia Correia
Orientador: Santiago, Luiz Miguel de Mendonça Soares
Keywords: Confiança; Escala de confiança; Relação médico-doente; Empatia; Confiança no médico; Trust; Trust scale; Doctor-patient relationship; Empaty; Trust in doctor
Issue Date: 31-May-2019
Serial title, monograph or event: Confiança do doente no médico. Validação de questionário
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: Introdução: A medicina praticada na atualidade deve ter como base a comunicação médico-doente, para a qual é fundamental existir uma relação de confiança mútua, de forma a que os doentes se sintam capazes de partilhar os seus problemas. Neste tema, foram conduzidos estudos que revelaram melhores “outcomes” ou consequências a nível dos cuidados de saúde, pelo que importa agora explorar como varia a confiança que o doente tem no médico em áreas específicas da Medicina.Objetivos: Adaptar culturalmente e validar populacionalmente um instrumento de avaliação de confiança no médico e estudar a correlação entre características do doente e empatia e os níveis de confiança obtidos nesse mesmo instrumento na população frequentadora de médicos de Medicina Geral e Familiar.Métodos: Após o processo de teste e re-teste, foi aplicado um questionário que incluía as escalas Jefferson Scale of Patients Perception on Physician Empathy (JSPPPE) e Confiança no Médico (Trust Scale) ambas já validadas para o contexto português, mas a segunda apenas na área da pessoa sofrendo de diabetes. A amostra englobou 123 utentes, tendo sido entrevistados consulentes que recorriam ao seu médico de família nesse dia, em Centros de Saúde da Região Centro, durante os meses de Dezembro de 2018 e Fevereiro de 2019. Registaram-se também os dados de cada utente relativamente à idade, sexo, SEDI (grau de instrução, atividade profissional e rendimento), toma diária de medicamentos, tempo se seguimento pelo atual médico de família, número de doenças.Resultados: Análise realizada em teste e re-teste com uma amostra de 35 pessoas mostrou ρ=0,786, p<0,001. No estudo de validação populacional a escala de confiança “Trust scale” obteve um valor de alfa de Cronbach de 0,772, um KMO= 0,905 e teste de esfericidade de Barlett com p <0,001, com um fator a explicar 54,248% da variância. Para JSPPPE obtivemos um alfa de Cronbach de 0,804. O teste KMO=0,821 e no teste de esfericidade de Barlett p < 0,001, em que apenas um valor explica 63,765% da variância total. A correlação entre os valores totais de ambas as escalas mostra ρ=0,720, p<0,001. Para a escala “Trust Scale” encontrámos diferenças para a idade p=0,001, atividade profissional p=0,011, número de doenças julgadas ter p=0,008 e quantos medicamentos toma diariamente p=0,009.Discussão: Instrumentos com boa consistência interna e sem outros para comparação permitem auto-formação médica, desde que cumpridas as boas regras de realização de estudos. A empatia sentida por consulente pode ter uma relação direta positiva com a confiança. Identificamos que o grupo com menos de 35 anos de idade apresenta menores níveis de confiança, bem como os grupos de trabalhadores ativos e estudantes. Por oposição, os grupos com toma de medicação diária superior a 5 e o que julga ter mais do que 5 doenças apresentam melhores níveis de confiança no médico.Conclusão: A “Trust scale” ou “Confiança no médico” parece ser de confiança e fiável para a população geral portuguesa de frequentadores de consultas de Medicina Geral e Familiar. A empatia está diretamente relacionada com a confiança no médico. Também a maior morbilidade está associada a melhores níveis de confiança no médico e, pelo contrário, utentes com idade inferior a 35 anos, estudantes e trabalhadores ativos apresentam menores níveis de confiança no médico.
Introduction: The medicine practiced today is based on doctor-patient comunication, for which the fundation is mutual confidence, allowing patients to feel able to share their concerns. In this line of tought, many studies have been developed which conclude that higher levels of confidence relate to better health outcomes, so it is now important to understand how the patient-doctor confidence varies in different areas of medicine.Objectives: Applying a confidence evaluation instrument, in order to study the corrrelation between the patient caractheristics and empaty and trust in the doctor patient relationship in the population attending general and family medicine physiciansMethods: After a process of testing and retesting the scale, a form was applied that included the JSPPPE and Trust scales, both validated in portuguese but the second one, only for the diabetic population. A sample of 123 patients was studied that resorted to their family doctors between the months of december 2018 and february 2019. The following patient data was collected: sex, age, SEDI (schooling, activity and yeld), amount of medicine taken per day, follow-up time by their doctor and number of diseases.Results: Statistical analysis of the test and retest in a sample of 35 patients revealed a ρ=0,786, p<0,001. The populational validation study of theTrust scale revealed an alfa of 0,772, KMO= 0,905 and Barlett test with p <0,001, in which one factor explains 54,248% of the variance. Analysing JSPPPE we obtained an alfa of 0,804, KMO=0,821 and Barlett test p < 0,001, in which only one value explains 63,765% of the variance. The correlation between the total values of the scales shows ρ=0,720, p<0,001. Studying the different variables we achieved the following results: age p=0,001, activity p=0,011, number of diseases believed to have p=0,008 and amount of medicine taken daily p=0,009. Discussion: The first part focused on validating the trust scale, by ensuring internal consistency. In the field work fase, both Trust and JSPPPE presented good internal consistency and adequate sampling. Analysing the results we perceived that empaty can have a positive direct correlation with confidence. The participants under 35 years of age, as well as the working and students group are the ones with lower levels of trust. By opposition the ones who take more than 5 medicine daily or believes to have more than 5 diseases present higher levels of confidence in their doctors.Conclusion: Instruments with good internal consistency and without others for comparison allow medical self-training, considering that the good rules of conducting studies are met. The Trust scale seems reliable for the general portuguese population attending general and family medicine consulations. We conclude that empaty is directly related to confidence in the doctor. Moreover higher morbility is related to higher levels of trust. In contrary, patients age under 35, students and working present lower levels of trust in their doctors.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/90023
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Trabalho Final MIM Adriana_ REF FINAL.pdf589.54 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

5
checked on Sep 24, 2020

Download(s)

2
checked on Sep 24, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons