Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/89770
Title: Stigma towards mental illness among medical students of the Faculty of Medicine of the University of Coimbra
Other Titles: O Estigma face às doenças mentais em estudantes de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Authors: Queirós, Rita Paiva Vilar
Orientador: Madeira, Nuno Gonçalo Gomes Fernandes
Santos, Vítor Manuel Oliveira Rodrigues dos
Keywords: Estigma social; Doença mental; Estudantes de medicina; Atitude; Psiquiatria; Social stigma; Mental disorder; Medical students; Attitudes; Psychiatry
Issue Date: 23-May-2019
Serial title, monograph or event: Stigma towards mental illness among medical students of the Faculty of Medicine of the University of Coimbra
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: INTRODUÇÃO: O estigma face às doenças mentais é considerado como um dos principais obstáculos à prestação de serviços médicos a doentes psiquiátricos, afetando a sua qualidade de vida. Esta problemática não está presente apenas na população geral, mas também entre os profissionais de saúde. Torna-se essencial reduzir este estigma de forma a alcançar mudanças positivas na aceitação e no tratamento das doenças mentais; os estudantes de medicina podem ser uma população alvo para a introdução de medidas de prevenção de estigma.O objetivo deste estudo é avaliar a evolução das atitudes dos estudantes de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) face aos doentes psiquiátricos, antes e depois de frequentar as cadeiras de Psicologia e Psiquiatria, analisando o impacto da frequência destas aulas na formação de atitudes estigmatizantes.MÉTODOS: Foram distribuídos quatro questionários aos alunos do 3º e 4º anos do Mestrado Integrado em Medicina da FMUC: um sociodemográfico, o MICA-2, o NEO-FFI-20 e o TEQ. Estes foram distribuídos na primeira aula de cada cadeira, quer no início do primeiro semestre, como no início do segundo, após a frequência das mesmas.RESULTADOS: Analisando as atitudes dos estudantes de medicina face aos doentes psiquiátricos, medidas pelo MICA-2, foi observada uma diminuição estatisticamente significativa dos seus valores (p = 0,025) entre as duas medições, indicando uma diminuição do estigma.Foi ainda encontrada uma correlação inversa entre o valor do estigma inicial e a empatia, com níveis mais elevados de empatia resultando em níveis mais baixos de estigma. O tipo de personalidade encontrava-se também relacionado com o estigma medido no primeiro momento, com maiores níveis de abertura à experiência originando níveis mais baixos de estigma.DISCUSSÃO E CONCLUSÃO: No geral, as atitudes dos estudantes de Medicina relativamente aos doentes psiquiátricos eram positivas, com uma diminuição significativa do valor do estigma, medido pelo questionário MICA-2, do primeiro para o segundo semestre. Estes resultados corroboram a hipótese de que a educação e o contacto com pessoas com uma patologia mental modificam positivamente as atitudes e discriminação contra as mesmas.
INTRODUCTION: Stigma towards mental illness is considered to be a main obstacle to the provision of medical assistance to psychiatric patients, affecting the quality of their lives. This is not only present in the general population but also among health professionals. It is essential to reduce stigma in order to bring positive change in the acceptance and treatment of mental disorders; medical students could be a target population for stigma prevention measures.The aim of this study is to assess the evolution of the attitudes of medical students from the Faculty of Medicine of the University of Coimbra (FMUC) towards psychiatric patients, before and after attending Psychology and Psychiatric courses, analysing the impact of class attendance on shaping stigmatising attitudes.METHODS: Students from the 3rd and the 4th years of the Integrated Master’s degree in Medicine of FMUC were asked to complete four questionnaires: a sociodemographic form, the MICA-2, the NEO-FFI-20 and the TEQ. The surveys were distributed during the first class of each course, at the beginning of the first semester, and again at the beginning of the second semester, after attending the courses.RESULTS: Analysing medical students’ attitudes towards psychiatric patients, measured by the MICA-2, there was a statistically significant decrease on these scores (p=0.025) between the two measurements, thus less stigma. The baseline level of stigma was found to be negatively associated with empathy, with higher levels of empathy resulting in lower levels of stigma. A correlation between the type of personality and stigma was also found, with higher levels of openness to new experience being related to lower levels of initial stigma. DISCUSSION AND CONCLUSION: Overall, the students’ attitudes towards mentally illness patients were positive, with a decrease of the stigma value, measured by the MICA-2 questionnaire, from the first to the second semester. This corroborates the hypothesis that education and contact with people with a mental pathology shapes positive changes on attitudes and discrimination against those patients.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/89770
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Trabalho Final Rita Queirós.pdf1.96 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s)

5
checked on Jul 9, 2020

Download(s)

1
checked on Jul 9, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons