Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/89697
Title: O papel da Síndrome Metabólica na etiologia e patogenia da Osteoartrose
Other Titles: The role of Metabolic Syndrome in the etiology and pathogenesis of osteoarthritis
Authors: Lages, Marta Catarina Costa Coimbra
Orientador: Gomes, João Filipe de Ferreira
Santos, Lélita Conceição
Keywords: Síndrome Metabólica; Osteoartrose; Hiperglicemia; Dislipidemia; Adipocinas; Metabolic Syndrome; Osteoarthritis; Hyperglycemia; Dyslipidemias; Adipokines
Issue Date: 20-Mar-2019
Serial title, monograph or event: O papel da Síndrome Metabólica na etiologia e patogenia da Osteoartrose
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: Introdução: A obesidade desempenha um papel importante no desenvolvimento da Osteoartrose (OA), devido ao excesso de carga articular. Contudo, a presença de artrose em articulações não sujeitas a carga e a maior prevalência da Síndrome Metabólica (SM) na população com OA em relação à população sem OA (59% vs 23%), sugere que os fatores metabólicos podem também estar implicados na etiologia e patogénese da OA. Uma relação entre as duas condições terá implicações clínicas, já que o controlo precoce dos componentes da SM através da modificação do estilo de vida e farmacoterapia pode influenciar favoravelmente a progressão e a gravidade da OA.Materiais e métodos: Foi realizada pesquisa de publicações entre 2008 e 2018 através da Pubmed e Embase, utilizando os termos MeSH "Metabolic Syndrome", "Osteoarthritis", "Hyperglycemia", "Adipokines", "Hypertension" e "Dyslipidemia". Resultados: A maioria dos estudos analisados defende que ambas as patologias partilham muitos dos mesmos mecanismos fisiopatológicos e sustentam uma relação entre elas, referindo que os componentes da SM condicionam um aumento do stress oxidativo, de adipocinas, citocinas e de enzimas proteolíticas, e são responsáveis pela apoptose de condrócitos e osteócitos, com uma consequente degradação cartilaginosa. Porém, nem todas as adipocinas são pró-inflamatórias e em alguns casos a relação entre os componentes da SM e a OA deixou de ser significativa após ajuste para o Índice de Massa Corporal (IMC). A composição da dieta parece influenciar a progressão da doença.Discussão e Conclusão: A definição de um novo fenótipo de OA e a associação da patologia degenerativa articular com a hiperglicemia, a inflamação sistémica subclínica, o aumento da pressão arterial e a lipotoxididade abrem caminho para uma nova abordagem clínica ao seu desenvolvimento e progressão. As limitações dos estudos analisados relacionaram-se com viés de sobrecarga articular e com o facto de o IMC não ser a medida ideal a utilizar uma vez que não distingue entre massa gorda e massa magra. Para comprovar o papel da SM na etiopatogenia da OA e para explorar novas abordagens terapêuticas, serão necessários estudos futuros com amostras mais abrangentes e critérios mais adequados. Porém, tendo em conta os resultados analisados e a prevalência da SM, recomenda-se que o controlo dos fatores predisponentes seja incluído no tratamento médico e na prevenção da OA.
Introduction: Obesity plays an important role in the development of Osteoarthritis (OA) due to joint overload. However, the presence of osteoarthritis in non-stressed joints and the higher prevalence of Metabolic Syndrome (MS) in the population with OA compared to the non-OA population (59% vs 23%) suggests that metabolic factors may also be implicated in the etiology and pathogenesis of OA. A relationship between the two conditions will have clinical implications, since early control of MS components through lifestyle modification and pharmacotherapy may favourably influence the progression and severity of OA.Methods: A research of articles published between 2008-2018 was performed in the PubMed and Embase using the terms MeSH "Metabolic Syndrome", "Osteoarthritis", "Hyperglycemia", "Adipokines", "Hypertension" and "Dyslipidemia".Results: Most of the studies analysed mention that both pathologies share many of the same pathophysiological mechanisms and support a relationship between them, indicating that the components of MS increase oxidative stress, adipokines, cytokines and proteolytic enzymes, and are responsible by the chondrocytes and osteocytes apoptosis, with a consequent cartilaginous degradation. However, not all adipokines are proinflammatory and in some cases the relationship between the components of MS and OA is no longer significant after adjustment for the Body Mass Index (BMI). The composition of the diet seems to influence the progression of the disease.Discussion and Conclusion: The definition of a new OA phenotype, and the association of degenerative joint pathology with hyperglycemia, low-grade system inflammation, increased blood pressure and lipid toxicity, lead to a new clinical approach on its development and progression. The limitations of the studies analysed were related with joint overload bias and with the fact that BMI is not the ideal measure to be used since it does not distinguish between fat mass and lean mass. To prove the role of MS in the pathogenesis of OA and to explore new therapeutic approaches, further studies, with more comprehensive samples and more appropriate criteria, are needed. However, considering the results analysed and the prevalence of MS, the management of the predisposing factors should be included in the medical treatment and in the prevention of OA.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/89697
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
trabalho_final_MartaLages_2012182869.pdf1.06 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s)

2
checked on Jul 9, 2020

Download(s)

1
checked on Jul 9, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons