Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/891
Title: Subtipos circulantes e resistência genotípica na infecção pelo vírus da imunodificiência humana tipo 1
Authors: Duque, Vítor Manuel Jorge 
Orientador: Silvestre, Meliço
Cunha, Saraiva da
Keywords: Clínica de Doenças Infecciosas; Infecção por HIV; Sida
Issue Date: 13-Jul-2005
Citation: DUQUE, Vitor Manuel Jorge - Subtipos circulantes e resistência genotípica na infecção pelo vírus da imunodificiência humana tipo 1. Coimbra, 2004.
Abstract: Durante o ano de 2000, a epidemiologia molecular da infecção HIV-1 na região centro de Portugal foi caracterizada por uma grande diversidade genética de subtipos (subtipo B-52,9%, subtipo G-23%, subtipo C-5,8%, subtipo D-2,8%, subtipo F-1,9% e subtipo A -1,9%) e de formas recombinantes (CRF02_AG-8,7% e de formas com padrões de recombinação únicos BPRCRT, BPRGRT, DPRGRT) em circulação. A introdução de subtipos não-B tem sido efectuada a partir de África desde 1992, por exposição heterossexual com disseminação para outras categorias de transmissão após 1997. Parecem estar criadas em Portugal as condições que poderão facilitar o aparecimento de novas formas recombinantes. A prevalência de mutações de resistência (3,8%) na infecção HIV-1 crónica foi baixa no ano de 2000, estando próxima de outros países europeus. Encontrámos uma elevada prevalência (96,6%) de resistência genotípica, no grupo de doentes (n=73) em falência terapêutica. As mutações de resistência aos inibidores da transcriptase inversa análogos da timidina foram observadas em 58,4% dos casos, com predomínio de T215Y. A mutação de resistência mais frequente foi a M184V (75,3%). As mutações mais frequentes de resistência aos inibidores da protease foram M46I, L90M e D30N. Este aspecto pode estar associado no futuro, com um risco aumentado de transmissão de estirpes HIV-1 resistentes à terapêutica anti-retrovírica entre a população recentemente infectada. O uso dos testes de resistência genotípica na prática clínica e a possibilidade de modificar a terapêutica numa fase precoce da falência terapêutica de acordo com as suas indicações, pode contribuir para uma utilização mais racional dos fármacos disponíveis preservando-se futuras opções terapêuticas.
Description: Tese de doutoramento em Medicina, na especialidade de Medicina Interna (Clínica de Doenças Infecciosas e Parasitárias) apresentada à Fac. de Medicina de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/891
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s) 50

377
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.