Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/88836
Title: Palinostratigrafia Do Meso-Cenozoico Da Bacia Do Acre (Amazônia Sul Ocidental, Brasil)
Authors: Haag, Nei Ahrens
Orientador: Henriques, Maria Helena Paiva
Keywords: Palinologia; Estratigrafia; Paleoecologia; Paleobiogeografia; Cretácico-Miocênico; Bacia do Acre; Amazonia; Brasil; Palynology; Stratigraphy; Paleoecology; Paleobiogeography; Cretaceous-Miocene; Acre Basin; Brazil
Issue Date: 29-Nov-2019
Project: Biocronoestratigrafia e paleoecologia com base no potencial fossilífero do Cretáceo-Neógeno da Bacia do Acre, Vale do Juruá, Amazônia sul ocidental, processo nº 012000.001631/2010-32 
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Este trabalho reporta os principais resultados obtidos através da análise das associações palinológicas reconhecidas no registro estratigráfico de afloramentos de rochas Meso-Cenozoicas no sudoeste da Bacia do Acre, no Parque Nacional da Serra do Divisor e no Vale do Juruá, e inclui o registro inédito de elementos marinhos no SW da Amazônia (Brasil) para aquele intervalo estratigráfico. As associações do Parque Nacional da Serra do Divisor foram coletadas nas formações Moa, Rio Azul e Divisor, e permitiram atribuir uma idade Aptiano Superior/Cenomaniano-Turoniano para a primeira, Turoniano-Maastrichtiano para a segunda e Maastrichtiano-Paleogênico para a última, todas baseadas em evidências palinológicas. Essas unidades foram relacionadas previamente a ambientes essencialmente flúvio-deltaicos; no entanto, a partir da análise da composição das associações palinológicas, em todas elas foi reconhecida uma grande abundância de elementos marinhos, nomeadamente de acritarcas, dinoflagelados e palinoforamíniferos, táxons já referidos em outras bacias do Domínio Tétisiano, que permitem fundamentar a existência de uma conexão entre aquele e o Pacífico, através do “Corredor Hispânico”, ativo desde o Jurássico inferior. A palinoflora reconhecida é muito semelhante àquela identificada na mesma faixa latitudinal durante o Cretácico (Albiano-Maastrichtiano) de outras regiões do globo, como Colômbia, Peru, Venezuela, Congo, Sudão, Sudão do Sul, Senegal, Gabão, Egito, Nigéria, Marrocos, Israel e Índia, e é indicadora de clima quente e úmido, com alguma aridez, combinando perfeitamente com o alcance palinológico do norte de Gondwana. Em relação ao Vale do Juruá, onde aflora a Formação Repouso, subjacente à Formação Solimões, as associações palinológiacas permitiram atribuir-lhe uma idade Eocênico Médio-Miocênico Inferior, persistindo a presença de elementos marinhos como acritarcas, dinoflagelados e escolecodontes, além de grande quantidade de algas e esporos. O registro de grupos de vertebrados extintos típicos de ambientes aquáticos ou aquático/marinho ou úmido, representados por toxodontídeos, crocodilianos, quelônios (todos de grande porte), roedores e vários grupos de peixes, permitem inferir a existência de condições flúvio-deltaicas a marinhas ao longo do Paleogênico na região sudoeste da Bacia do Acre. A palinoflora foi dominada por plantas aquáticas, pteridófitas, epífitas, lianas, gramíneas, arbustos e algumas ilhas de floresta, representadas por espécies arbóreas como Poaceae, Fabaceae, Cheirolepidiaceae, Arcaceae, Podocarpaceae, Bombacaceae, Ulmaceae, Euphorbiaceae, entre outras de médio e grande porte. Os palinomorfos e o registro de vertebrados sugerem que o clima no sudoeste da Amazônia, durante o Cretácico Superior até ao Miocênico Inferior, seria quente e úmido, apresentando condições ecológicas muito diferentes daquelas hoje existentes, caracterizadas pela presença de vegetação densa, com grandes árvores cobrindo quase toda a região norte da América do Sul, onde muitos dos animais de grande porte, conhecidos no registro fóssil, não se poderiam deslocar. A Amazônia é a maior e a mais biodiversa floresta tropical no mundo; este estudo representa um contributo para a compreensão das origens e evolução da sua biodiversidade e geodiversidade atuais.
This work reports the main results obtained through the analysis of the palynological assemblages recognized in the stratigraphic record of Meso-Cenozoic rocks outcropping in the southwest of the Acre Basin at the National Park of Serra do Divisor and at the Juruá Valley. They include the unpublished record of marine elements in the SW of the Amazon (Brazil) for that stratigraphic interval. Assemblages from the National Park of Serra do Divisor were collected at the Moa, Rio Azul e Divisor formations, and provided an Upper Aptian to Cenomanian-Turonian age for the first one, Turonian-Maastrichtian for the second one, and Maastrichtian-Paleogene for the last one, all based on palynological evidences. These units were previously related to essentially fluvial-deltaic environments; however, from the analysis of the composition of the palynological assemblages there is a great abundance of marine elements in all the stratigraphic units, namely the presence of acritarchs, dinoflagellates and palinoforaminifera, taxa already recognized in other basins of the Tethysian Domain, which allow to establish a seaway between Tethys and the Pacific, through the "Hispanic Corridor", operating since the lower Jurassic. The recognized palinoflora is very similar to that identified in the same latitudinal belt during the Cretaceous (Albian-Maastrichtian) from other regions of the globe, such as Colombia, Peru, Venezuela, Congo, Sudan, South Sudan, Senegal, Gabon, Egypt, Nigeria, Morocco, Israel and India, which have been subject to a hot and humid climate, with some aridity, thus perfectly matching the palynological range of the northern Gondwana. Regarding the Juruá Valley, which refers to the Repouso Formation, underlying the Solimões Formation, the palynological assemblages enable to assign it a Middle Eocene-Lower Miocene age. They also show the presence of marine elements such as acritarchs, dinoflagellates and escolecodonts, as well as a great amount of algae and spores. The record of extinct groups of vertebrates with aquatic or aquatic/marine or wet mode of life, represented by toxodontids, crocodilians, chelonians (all large), rodents and various groups of fish, allow to infer the existence of marine to fluvial-deltaic conditions throughout the Paleogene at the southwest region of the Acre Basin. The palinoflora was dominated by aquatic plants, epiphytes, lianas, pteridophytes, grasses, shrubs and some forest islands, represented by arboreal specimens of Poaceae, Fabaceae, Cheirolepidiaceae, Arcaceae, Podocarpaceae, Bombacaceae, Ulmaceae, Euphorbiaceae, among others, of medium and large size. The palynomorphs and the vertebrate record suggest that the climate in the southwest of the Amazonia, during the Upper Cretaceous to the Lower Miocene, would be hot and humid, displaying ecological conditions very different from those recognized today, characterized by the presence of dense vegetation, with large trees covering almost the entire northern region of South America, where many of the large animals known in the fossil record could not move. The Amazon is the largest and most biodiverse tropical forest in the world; this study represents a contribution to the understanding of the origins and evolution of its current biodiversity and geodiversity.
Description: Tese de Doutoramento em Geologia, Processos Geológicos, apresentada ao Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/88836
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCTUC Ciências da Terra - Teses de Doutoramento
UC - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Palinostratigrafia Do Meso Cenozoico Da Bacia Do Acre Amazonia Sul Ocidental Brasil.pdf13.15 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

166
checked on Oct 8, 2021

Download(s)

367
checked on Oct 8, 2021

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.