Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/88790
Title: Adapting Bradbury: A Cinema of Wonder and Warning
Authors: Carpenter, Markus Arno
Orientador: Branco, Sérgio Dias
Keywords: Adaptatation; Cinema; Screenplay; Bradbury; Novel; Performance Media; Adaptation Theory; Short Story
Issue Date: 10-Oct-2019
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: “Adaptando Bradbury: um Cinema de Maravilha e Aviso” é uma análise do trabalho do autor norte americano Ray Bradbury em media de performance, com foco específico em três adaptações para cinema. Cada uma delas representa diferentes gêneros e graus variados de envolvimento do autor no processo adaptativo. Um grande número de contos e romances de Bradbury foi originalmente concebido para performance, e ele realmente referiu-se a si mesmo como um “escritor híbrido,” convidando-nos a pensar nos seus textos como já a caminho da sua adaptação para teatro/cinema, ou como contendo elementos de outros media. (Touponce, ed. Review 9). Ao longo da tese, procuro concluir que Bradbury era inerentemente um escritor cinematográfico e “performativo” que tendia a mover seu trabalho nessa direção por causa do entendimento intuitivo de que o seu trabalho alcançaria a sua expressão mais completa em performance. Além disso, que ele tinha um sentido único das potencialidades do cinema, o que fez dele um singularmente astuto, se não o melhor adaptador do seu próprio trabalho. Em preparação para a análise dos filmes, os três primeiros capítulos conterão informações básicas de experiências e influências que moldaram o estilo e o trabalho característicos do autor e uma revisão critica da literatura sobre o autor. O envolvimento geral de Bradbury com a indústria cinematográfica começou no início de sua carreira e foi extenso. Por isso, alguma atenção será dada á adaptação de trabalho anterior do autor para outras formas de expressão artística, como a banda desenhada, rádio e cinema de animação, para além dos filmes em análise. Como membro da associação de guionistas, fundador da Screenwriter's Film Society e professor frequentemente convidado da escola de cinema da UCLA, ele desenvolveu e adotou suas próprias ideias sobre o cinema em geral e a prática adaptativa, que serão resumidas. Além disso, os elementos característicos da escrita de Bradbury que auguram a sua adaptação para o cinema serão destacados. Serão analisadas as características únicas e compartilhadas do escrito e do filme e suas respetivas possibilidades de narração, seguido de um levantamento da teoria adaptativa, incluindo perspetivas de cineastas e outros escritores na ilustração das práticas adaptativas comuns. Finalmente, uma abordagem “pluralista,” tal como é delineada por Linda Hutcheon, adotando uma abordagem sociológica à medida que o contexto de criação e receção de um texto é levado em conta, vendo adaptações como obras autônomas que são suas “próprias coisas palimpsestes.” Isto é, textos que são apropriados por indivíduos particulares sujeitos a várias condições, artísticas, comerciais e culturais. Embora não divagando da teoria do cinema, descrevo o esquema de “aberto” e “fechado” de Leo Braudy para descrever uma “atitude” que um filme toma em relação aos objetos animados e inanimados que ele contém e ao seu “potencial invisível.” O tratamento visual do material apoia técnicas narrativas na criação de significado e a abordagem aberta / fechada destaca a dialética do confinamento em busca de liberdade ou liberdade submetendo-se a graus de confinamento que é particularmente apropriado para o trabalho de Bradbury. Seguindo essas diretrizes teóricas para uma análise mais completa do filme como um trabalho adaptado, a análise de cada capítulo começa com o exame do (s) texto (s) fonte do filme, antes de uma visão geral da história da produção, realizador, elenco e equipa técnico, e após a análise do filme. A análise de fundo para o Fahrenheit 451 é extensa, pois havia textos “precursores” que contribuíram para o romance. Informações consideráveis sobre o diretor François Truffaut são incluídas para iluminar a sua motivação para o projeto, tão diferente de seus outros, e sua estética pessoal que marca o filme. O roteiro de Bradbury (1994) para um remake não produzido é visitado no final do capítulo. O capítulo sobre The Wonderful Ice Cream Suit contrasta e compara o teleponto anterior de Bradbury, peça teatral e musical, e analisa o trabalho teatral e a estética do autor antes de analisar o filme do roteiro de Bradbury. O capítulo sobre Something Wicked This Way Comes explora o tratamento de tela original do autor que antecede o romance publicado e temas espirituais comuns no trabalho de Bradbury. Um capítulo conclusivo consolida as afirmações da tese com a análise de suporte de várias outras adaptações do autor, a saber, Moby Dick, de John Huston, e episódios do Ray Bradbury Theatre, produzidos para a Televisão.
“Adapting Bradbury: a Cinema of Wonder and Warning” is an examination of author Ray Bradbury’s work in performance media, with specific focus on three cinema adaptations. Each of these represents different genre and varying degrees of the author’s involvement in the adaptive process. A large number of Bradbury’s short stories and novels were originally conceived for performance, and he actually referred to himself as a “hybrid writer,” inviting us to think of his texts as already on the way to another medium or as containing elements of other media” (Touponce, ed. Review 9). Throughout the thesis I seek to establish that Bradbury was inherently a cinematic and “performative” writer that tended to move his work in this direction because of an intuitive understanding that it would reach its fullest expression in performance. Also, that he had a unique sense of the potentialities of cinema, which in turn I will argue made him a singularly astute, if not the best adaptor of his own work. In preparation for analysis of the films, the first three chapters will contain background information of experiences and influences that shaped the author’s distinctive style and work. A critical overview is presented and summary of scholarship to date. Bradbury’s general engagement with the film industry began early in his career and was extensive, so some attention will be given to the author’s earlier cross-media work apart from the films under analysis. As a member of the screenwriters’ guild, founder of the Screenwriter’s Film Society and a frequent guest lecturer at the UCLA film school, he developed and espoused his own ideas about the cinema in general and adaptive practice, which will be summarized. Furthermore, characteristic elements from Bradbury’s writing that hold promise for cinema adaptation will be highlighted. Of necessity, an examination of the shared and unique characteristics of print and film and their respective possibilities of narration will be followed by a survey of adaptive theory, included insights from filmmakers and other writers in illustration of common adaptive practices. Finally, a “pluralist” approach is adopted as outlined by Linda Hutcheon embracing a sociological turn as the context of creation and reception of a text are taken into account, viewing adaptations as autonomous works that are their “own palimpsestic things.” That is, texts that are appropriated by particular individuals subject to various conditions, artistic, commercial and cultural. While not digressing into film theory I outline Leo Braudy’s schema of “opened” and “closed” to describe an “attitude” a film takes toward both the animate and inanimate objects it contains and their “invisible potential.” The visual treatments of material also support narrative techniques in creation of meaning and the open/closed approach highlights the dialectic of confinement seeking freedom or freedom submitting to degrees of confinement which is particularly appropriate for Bradbury’s work. Following these theoretical guidelines and for fuller analysis of the film as an adapted work, each chapter analysis begins with examination of the film’s source text(s), before an overview of production history, director, cast and crew before analysis of the film itself. Background analysis for Fahrenheit 451 is extensive since there were “precursor” texts contributing to the novel. Considerable information on director François Truffaut is included to illuminate his motivation for the project, so unlike his others, and his personal aesthetics which mark the film. Bradbury’s screenplay (1994) for an unproduced remake is visited at the end of the chapter. The chapter on The Wonderful Ice Cream Suit contrasts and compares Bradbury’s prior teleplay, stage play and musical, and surveys the author’s theatrical work and aesthetic before analyzing the film from Bradbury’s screenplay. The chapter on Something Wicked This Way Comes explores the author’s original screen treatment that predates the published novel, and common spiritual themes in Bradbury’s work. A concluding chapter consolidates thesis assertions with supporting analysis of several of the author’s other adaptations, namely John Huston’s Moby Dick and episodes of The Ray Bradbury Theater, produced for Television.
Description: Doutoramento em Estudos Artísticos, Artes/Fílmicos e da Imagem, Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/88790
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Artes - Teses de Doutoramento
UC - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Adapting Bradbury.pdf3.6 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

11
checked on Mar 31, 2020

Download(s)

47
checked on Mar 31, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons