Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/86301
Title: Estudo de células com actividade reguladora, no sangue periférico, em doentes com artrite reumatóide
Authors: Correia, Pedro Miguel Gonçalves 
Orientador: Silva, José António Pereira da
Duarte, Cátia Cristina Marques
Keywords: Artrite Reumatóide; Células T reguladoras; Células dendríticas linfoplasmocitóides,; Indoleamina 2,3-dioxigenase; Auto-imunidade
Issue Date: 2011
Abstract: Introdução: A Artrite Reumatóide (AR) é uma doença inflamatória auto-imune crónica, caracterizada por inflamação sinovial articular, que é orquestrada tanto por imunidade inata como por respostas adaptativas. Recentemente tem sido dada atenção à contribuição de várias sub-populações de células dendríticas (DCs), em particular à função das células dendríticas linfoplasmocitóides (pDCs). As pDCs provavelmente desempenham um papel central no restabelecimento de tolerância imunológica através da expansão e/ou indução de células T reguladoras (Tregs). Tal evidência tem despertado o interesse em explorar estratégias de restabelecimento de tolerância imunológica e atingir supressão da doença a longo prazo. Objectivos: O presente estudo foi efectuado de forma a explorar o número e função de pDCs e Tregs, e portanto a sua contribuição, em doentes com Artrite Reumatóide. Métodos: Os doentes com Artrite Reumatóide foram agrupados de acordo com a actividade da doença segundo a definição EULAR em grupo de baixa actividade (DAS28 3v<3,2) e grupo de Moderada-Alta Actividade (DAS28 3v>3,2). A proporção e os números absolutos de pDCs e Tregs foram avaliados por citometria de fluxo no sangue periférico de doentes com AR e grupo controlo (GC). Depois do sorting de células a quantificação genética da expressão de mRNA para o FOXP3, TGF-1, IDO e ICOS-L foi feita através de PCR em tempo real. Resultados: Verificámos, em doentes com AR, níveis inferiores de número absoluto e frequência de Tregs bem como uma tendência para o aumento de expressão génica de FoxP3 e TGF-1, em comparação com GC. De forma similar, a frequência e número absoluto de pDCs foram mais baixos em ambos os grupos com AR do que no GC. O decréscimo em número absoluto foi particularmente marcado em doentes com alta actividade de doença (AAD). Também neste grupo a expressão génica de IDO pelas pDCs estava aumentada quando comparada com os controlos saudáveis, no entanto não foi detectada diferença estatística em relação à expressão génica de ICOS-L. Conclusão: O presente estudo demonstra uma notável depleção de pDCs e Tregs no sangue periférico de doentes com AR, o que associado à sua função, percepcionada como anti-inflamatória, enfatiza o papel crucial das Tregs na manutenção da auto-tolerância imunológica.
Introduction: Rheumatoid arthritis (RA) is a chronic inflammatory autoimmune disease characterized by articular synovial inflammation, which is orchestrated by both innate and adaptive immune responses. Recently, attention has focused upon the relative contribution of distinct DC subsets to inflammatory processes, particularly in the function of plasmacytoid dendritic cells (pDC). pDCs likely play a central role in re-establishing immune tolerance via the expansion and/or induction of Treg cells. This has increased the interest in exploring strategies to re-establish immune tolerance and provide long-term disease suppression. Objective: The present study was undertaken to explore the number and function of pDCs and Tregs, and therefore their contribution, in patients with RA. Methods: The proportion and absolute numbers of pDCs and Tregs were evaluated by flow cytometry in the peripheral blood of patients with RA. In addition, after cell sorting, we quantified the mRNA expression of IDO, ICOS-L, Foxp3 and TGF-1 among these cell subsets by real time PCR. Results: We noted in RA patients a lower absolute number and frequency of peripheral Tregs and a trend for an increase in FoxP3 and TGF-1 gene expression compared to NC. In a similar way, peripheral pDCs frequency and absolute numbers were lower in both RA groups than in NC group. The decrease of absolute numbers was particularly marked in those patients with high disease activity. Also, in this latter group the IDO gene expression was increased in pDCs when compared to healthy subjects, while in ICOS-L gene expression, no significant differences were found between the studied groups. Conclusion: In summary, this study demonstrates that the notable pDC and Treg depletion in blood circulation of RA patients, associated with their net anti-inflammatory function, emphasizes the crucial role for Treg cells in maintaining immunological self-tolerance.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina área científica de Reumatologia, apresentado á Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/86301
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Show full item record

Page view(s)

166
checked on Jul 9, 2020

Download(s)

63
checked on Jul 9, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.