Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/86111
Title: EN: The role of fisheries in yellow-legged gulls' diet
Other Titles: PT: O papel das pescas na dieta das gaivotas de patas amarelas.
Authors: Veríssimo, Sara Nujo 
Orientador: Ramos, Jaime Albino
Paiva, Vítor Hugo Rodrigues
Keywords: Gaivota-de-patas-amarelas; dieta; ecologia trófica; pescas; Yellow-legged gull; diet; trophic ecology; fisheries
Issue Date: 13-Jul-2018
Serial title, monograph or event: EN: The role of fisheries in yellow-legged gulls' diet
Place of publication or event: Departamento de Ciências da Vida, FCTUC
Abstract: Na Península Ibérica, as atividades pesqueiras são de grande importância económica. Estas práticas podem desempenhar um papel importante na subsistência de aves marinhas, principalmente através das rejeições da pesca que representam uma fonte previsível de alimento para algumas espécies destas aves. As gaivotas estão entre as aves marinhas mais oportunistas, beneficiando destas rejeições. Tendo isso em conta, o nosso objetivo foi perceber o papel das pescas na dieta de diversas populações de gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis). Com o uso de amostras de dieta e análise de isótopos estáveis, estudámos e comparámos a dieta de gaivotas de quatro colónias distintas ao longo da costa sudoeste da Península Ibérica (ilhas Deserta, Pessegueiro, Berlenga e Sálvora), durante as épocas reprodutoras e não reprodutoras de 2016 e 2017. Além disso, comparámos a dieta com os dados do peixe desembarcado na lota de portos que se situam nas redondezas de cada colónia, a fim de analisar a dependência destas gaivotas pelo alimento fornecido pelas práticas pesqueiras.A principal fonte de alimento das gaivotas da Deserta e do Pessegueiro foi peixe, em contraste com os crustáceos encontrados na dieta das gaivotas de Sálvora e da Berlenga. Os isótopos estáveis também revelaram diferenças entre as escolhas alimentares das aves das quatro colónias. As crias de todas as colónias apresentaram valores semelhantes de isótopos estáveis (amostras de 2017), enquanto os valores de isótopos estáveis para os adultos variaram entre colónias, épocas e anos. Durante a época reprodutora de 2016, as gaivotas da Deserta e da Berlenga apresentaram um nicho isotópico restrito, respetivamente com presas de alto e baixo nível trófico. Esta segregação trófica foi formada pela presença de peixes e crustáceos na dieta das gaivotas da Deserta e da Berlenga, respetivamente. No entanto, durante a época de alimentação das crias de 2017, apenas as gaivotas da colónia do Pessegueiro apresentaram uma dieta especializada. Para as épocas de incubação e pós-reprodutora, os resultados foram semelhantes aos do período de alimentação das crias, com as gaivotas do Pessegueiro a exibirem uma dieta mais especializada. No geral, a dieta e os valores isotópicos das quatro colónias sugerem uma grande plasticidade por parte das gaivotas-de-patas-amarelas na procura de alimento, como mostrado em estudos anteriores. A dieta das gaivotas do Pessegueiro, embora restrita, também apresentou mudanças sazonais, notadas principalmente durante a época pós-reprodutora com o grande consumo de frutos de Corema album. Quanto às mudanças anuais, durante a época pré-reprodutora de 2016, as gaivotas do Pessegueiro consumiram maioritariamente crustáceos, em contraste com a alta ingestão de peixe em 2017. O oposto aconteceu na dieta das gaivotas da Berlenga que aumentaram o consumo de peixe durante a época pré-reprodutora de 2017, divergindo da dieta rica em crustáceos observada nas outras épocas. Em relação às rejeições da pesca, as gaivotas da Deserta e do Pessegueiro apresentaram uma correlação significativa entre a percentagem de ocorrência das principais espécies de peixes presentes na dieta e a quantidade desembarcada dos mesmos no porto de pesca mais próximo. No entanto, esta relação variou entre anos e épocas. Neste sentido, as gaivotas da Deserta apresentaram uma relação significativa com os peixes desembarcados durante o período pré-reprodutor de cada ano, enquanto as gaivotas do Pessegueiro apresentaram uma relação significativa durante a época pós-reprodutora, período com maior quantidade de desembarques perto da colónia.Com este estudo, fomos capazes de discernir, não apenas as mudanças anuais e sazonais na dieta e ecologia trófica das gaivotas-de-patas-amarelas durante 2016 e 2017, mas também o quanto as diferentes populações de gaivotas dependem das rejeições da pesca. Além disso, os nossos resultados fornecem alguma informação sobre a influência que a nova política de rejeições, imposta pela Comissão Europeia, poderá ter nas populações desta gaivota. As gaivotas-de-patas-amarelas são aves marinhas altamente plásticas e generalistas nas práticas de procura de alimento. São capazes de usar outras atividades humanas como fonte de alimento, minimizando assim os custos energéticos. Estas características, juntamente com as nossas conclusões, sugerem que, a longo prazo, a proibição de rejeições não deverá afetar de forma notória a população desta espécie de gaivota. No entanto, mais estudos deverão ajudar para melhor entender o efeito desta proibição nas populações de Larus michahellis.
In the Iberian Peninsula, fishing activities are of great importance for the economy. These practices can play an important role in seabirds’ livelihood, mostly through fisheries’ discards which represent a predictable food source for some seabird species. Gulls are among the most opportunistic seabirds, benefiting from these rejections. Taking this into account, our aim was to understand the role of fisheries in the diet of diverse yellow-legged gull populations (Larus michahellis). Using diet samples and stable isotopes analysis, we studied and compared the diet of gulls from four different colonies along the southwest coast of the Iberian Peninsula (Deserta, Pessegueiro, Berlenga and Sálvora islands), during the breeding and non-breeding seasons of 2016 and 2017. In addition, we compared the diet with fish landing data in order to analyse the gulls’ dependence on food subsidies provided by fishery discards.Fish was the main food source for Deserta and Pessegueiro gulls, in contrast with crustaceans for Sálvora and Berlenga gulls. Stable isotopes also revealed differences among the dietary choices of birds from the four distinct colonies. Chicks of the four different colonies presented similar stable isotope values (2017 samples), while the stable isotope values for adults changed among colonies, seasons and years. In the breeding season of 2016, Deserta and Berlenga gulls exhibited a restricted isotopic niche, respectively with prey of high and low trophic level. This trophic segregation was shaped by the presence of fish and crustaceans in the diet of birds from Deserta and Berlenga, respectively. However, during the 2017 chick-rearing, only gulls from Pessegueiro colony site showed a specialist diet. For the incubation and post-breeding season, the results were similar to those of the chick-rearing period, with Pessegueiro gulls revealing a more specialist diet. Overall, the diet and stable isotopic values from the four distinct colonies suggest a large foraging plasticity of yellow-legged gulls, as shown by previous studies. The diet of Pessegueiro gulls, although restrict, also presented seasonal changes, mostly noticed during the post-breeding season with a great consumption of Corema album fruits. As for the annual changes, during the pre-breeding of 2016 gulls from Pessegueiro ate mostly crustaceans, in contrast with the high fish intake in 2017. The opposite happen with Berlenga gulls which increased their fish consumption during the 2017 pre-breeding season, diverging from a diet rich in crustaceans, as observed in other seasons. Regarding fish discards, gulls from Deserta and Pessegueiro showed a significant correlation between the percentage of occurrence of the main fish prey items in the diet and their amount landed in the nearby fishing port. However, this relationship varied between years and seasons. This meaning, Deserta gulls presented a significant relationship with fish landings during the pre-breeding period of each year, whereas Pessegueiro gulls exhibited a significant relationship during the post-breeding season, the period when more fish was landed in the nearby fishing port. With this study, we were capable to discern, not only the annual and seasonal shifts in yellow-legged gulls’ diet and trophic ecology during 2016 and 2017, but also how much the different gull populations rely on fishing discards. Moreover, our results provide some insights about the influence that the new discard ban policy, imposed by the European Commission, might have on these gull populations. Yellow-legged gulls are highly plastic and generalist seabirds. They are capable of using other human activities as a source of food, thus minimizing energetic constraints. These traits, alongside with our conclusions, suggest that in the long-term, the discard ban should not affect notoriously the populations of this gull species. Nonetheless, further studies should help better understand the effect of the discard ban on Larus michahellis populations.
Description: Dissertação de Mestrado em Ecologia apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia
URI: http://hdl.handle.net/10316/86111
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação_SaraVeríssimo.pdf3.33 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

324
checked on Nov 30, 2021

Download(s) 50

290
checked on Nov 30, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons