Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/84310
Title: Dor em cuidados paliativos : desafios á sua compreensão
Authors: Coelho, Joana Veiga e 
Orientador: Dourado, Marília de Assunção Rodrigues Ferreira
Keywords: Cuidados paliativos; Avaliação da dor; Oncologia
Issue Date: Mar-2012
Abstract: Introdução: A par da evolução científica e tecnológica assistimos ao aumento da esperança média de vida e, em consequência, à maior prevalência das doenças crónicas. Este facto impôs novos desafios à Medicina que, para além da cura da patologia, tem que se focar no alívio sintomático e na melhoria da qualidade de vida dos doentes em situações de doença incurável e progressiva. É aqui que se enquadram os cuidados paliativos cujo principal objectivo é a promoção da qualidade de vida associada ao controlo de sintomas. A dor é o sintoma mais frequente de doença e aquele que mais preocupa os médicos, os doentes e as famílias pelo sofrimento que ela encerra e pela dificuldade em controlá-la. Objectivos: Com este trabalho pretendemos contribuir para o melhor conhecimento acerca da fisiopatologia, dos desafios ao diagnóstico, das co-morbilidades e da terapêutica da dor crónica o que poderá contribuir para optimizar o tratamento da dor em cuidados paliativos. Desenvolvimento: A dor é uma experiência subjectiva complexa, que surge da interacção de diversos factores. É fundamental avaliar a dor devido à influência que esta exerce no estado físico e psicológico/emocional do doente, condicionando as actividades do quotidiano, e muitas vezes conduzindo ao isolamento social. A dor pode surgir como sintoma acompanhante da doença ou ser uma doença em si, sendo frequente em cuidados paliativos. A sua presença agrava a condição patológica inicial ou, pelo contrário, é exacerbada por outras condições patológicas prévias. São muitas as ferramentas já existentes para avaliar a dor, mas por vezes a aplicação das mesmas é limitada pela condição do doente ou pela deficiente relação médico-doente. A avaliação é um passo fundamental para a prescrição da terapêutica adequada. Para o tratamento da dor estão disponíveis terapêuticas farmacológicas e não farmacológicas. Ainda assim, é elevado o número de doentes com dor crónica não tratada e/ou controlada, porque não respondem aos tratamentos, porque estão sub-medicados ou não estão a fazer a terapêutica orientada para o tipo de dor e condição individual. Conclusão: Sendo a dor um dos sintomas mais frequentes em doentes em cuidados paliativos é fundamental o seu correcto diagnóstico e tratamento, com vista a melhoria da qualidade de vida dos doentes. O profissional de saúde deve conhecer a fisiopatologia, os métodos de avaliação, as co-morbilidades e as terapêuticas disponíveis, para abordar a dor de uma forma eficaz.
Introduction: Along with scientific and technological developments we have witnessed an increase in life expectancy and therefore a higher prevalence of chronic diseases. This has imposed new challenges on Medicine which, in addition to curing the disease, must also focus on the symptomatic relief and improve quality of life of patients in situations of incurable and progressive disease. This is where palliative care falls into place, aiming to promote quality of life and symptomatic relief. Pain is the most common symptom of disease and the one that most worries doctors, patients and families, for the suffering it causes and the difficulty in controlling it. Objectives: With this work we intend to contribute to increase knowledge about the pathophysiology, challenges of the diagnosis, comorbidities and treatment of chronic pain and to optimize the treatment of pain in palliative care. Development: Pain is a complex and subjective experience which arises from the interaction of various factors. It is essential to assess the pain because of the influence it has on the physical and psychological state of the patient, affecting daily living activities, and often leading to social isolation. Pain may occur as a symptom accompanying the disease or as a disease itself, frequently occurring in palliative care. The presence of pain aggravates the initial pathological condition, or by contrast, is exacerbated by other prior pathological conditions. There are many existing tools to assess pain, but sometimes their implementation is limited either by the condition of the patient or by poor doctor-patient relationship. The assessment is a key step in the implementation of appropriate therapy. There are pharmacological and non-pharmacological therapies available for the treatment of pain. Still, the number of patients with untreated chronic pain is high and many do not respond to available treatments, while others are not undergoing the appropriate therapy directed at the specific type of pain and individual condition. Conclusion: Since pain is one of the most common symptoms in patients in palliative care, its proper diagnosis and treatment are essential, with a view to improving the quality of life for patients. The health professional should know the pathophysiology, assessment methods, comorbidities and therapies available to address pain effectively.
Description: Trabalho final de mestrado integrado em Medicina área científica de Medicina, apresentado á Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/84310
Rights: openAccess
Appears in Collections:FMUC Medicina - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
1ºparte.pdf109.31 kBAdobe PDFView/Open
2ªParte.pdf520.07 kBAdobe PDFView/Open
Capa.pdf31.46 kBAdobe PDFView/Open
contracapa.pdf150.13 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

136
checked on Sep 24, 2020

Download(s) 50

570
checked on Sep 24, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.