Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/82541
Title: Estudo da enxaqueca em idade pediátrica nos cuidados de saúde primários da região Centro de Portugal
Other Titles: Pediatric migraine study in primary health care at central region of Portugal
Authors: Freitas, Elsa Rafaela Lopes 
Orientador: Palavra, Filipe Manuel Farto
Caetano, Inês Rosendo Carvalho e Silva
Keywords: Enxaqueca; Crianças e Adolescentes; Cuidados de saúde primários; Diagnóstico; Tratamento; Migraine; Children; Primary health care; Diagnosis; Treatment
Issue Date: 8-Jun-2018
Serial title, monograph or event: Estudo da enxaqueca em idade pediátrica nos cuidados de saúde primários da região Centro de Portugal
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Introdução e objetivo: A enxaqueca é uma cefaleia primária que pode surgir em idade pediátrica. Ainda assim, a prevalência desta entidade é efetivamente desconhecida no nosso país. O objetivo deste estudo é caracterizar uma população de crianças e adolescentes com diagnóstico de enxaqueca, no que diz respeito à estimativa da sua prevalência, ao intervalo de tempo até ao diagnóstico e ao tratamento, considerando dados provenientes dos cuidados de saúde primários da região Centro de Portugal.Materiais e Métodos: Estudo observacional e multicêntrico de uma amostra de 117 indivíduos com idade compreendida entre os 0 e os 17 anos e 364 dias, de onze unidades de cuidados de saúde primários da região Centro de Portugal. Todos os indivíduos com o diagnóstico de enxaqueca codificado no sistema informático dessas unidades foram recrutados sequencialmente, à medida que compareciam às consultas. Foram todos entrevistados de acordo com um guião pré-definido, com vista à recolha das variáveis demográficas, clínicas e epidemiológicas que foram estabelecidas no protocolo do estudo. Resultados: Considerando a população de doentes pediátricos inscritos nas Unidades de Saúde que participaram no estudo, a prevalência estimada de enxaqueca pediátrica foi de 0.35%. O intervalo de tempo decorrido entre o início dos sintomas e a concretização do diagnóstico correspondeu a uma mediana de 1.3 anos (intervalo interquartil de 0 a 3 anos). Apenas 22.2% faziam terapêutica farmacológica profilática de crises, maioritariamente prescrita pelo Neurologista Pediátrico, sendo que 69.2% se encontravam adequadamente tratados quanto à classe farmacológica em uso e 53.8% quanto à posologia dos referidos medicamentos. A utilização de terapêutica abortiva de crise verificou-se em 97.2% dos casos, sobretudo prescrita pelo Médico de Família. As classes farmacológicas mais utilizadas foram os analgésicos simples (65.7%) e anti-inflamatórios não esteróides (AINE) (50.0%). Apenas uma minoria reportava o uso de triptanos (2.9%). A automedicação foi reportada em 12.5% dos casos. Apenas 1 indivíduo reportava a utilização de um fármaco não indicado para tratamento de crise da enxaqueca, particularmente em idade pediátrica. Recorriam à terapêutica não farmacológica 66.7% dos doentes.Conclusão: A enxaqueca pediátrica ainda permanece subdiagnosticada e há um atraso importante no diagnóstico destes doentes. Apesar da adequada abordagem terapêutica na crise, a instituição de terapêutica profilática ainda é reduzida. A terapêutica não farmacológica, apesar de simples e inócua, não é feita pela totalidade das crianças e adolescentes. A implementação de programas educacionais que envolvam não só os médicos, como também a população em geral, pode ser uma estratégia importante, para otimização da intervenção clínica sobre a enxaqueca pediátrica. Mais estudos serão necessários para clarificar estas matérias.
Introduction and objective: Migraine is a primary headache that can occur in pediatric age. Nevertheless, the prevalence of this entity is indeed unknown in our country. The aim of this study is to characterize a population of children and adolescents with a diagnosis of migraine, regarding the estimation of its prevalence, the time interval until the diagnosis and the treatment, considering data from primary health care in Central Portugal. Materials and Methods: Observational and multicenter study of a sample of 117 individuals aged 0-17 years and 364 days, from eleven primary care units in the central region of Portugal. All individuals with the diagnosis of migraine encoded in the computer system of these units were recruited sequentially, as they attended consultations. They were all interviewed according to a pre-defined script, in order to collect the demographic, clinical and epidemiological variables that were established in the study protocol. Results: Considering the population of pediatric patients registered in the Health Units participating in the study, the estimated prevalence of pediatric migraine was 0.35%. The time elapsed between the onset of symptoms and the diagnosis was a median of 1.3 years (interquartile range 0-3 years). Only 22.2% used prophylactic drug therapy, mostly prescribed by Pediatric Neurologists, and 69.2% were adequately treated, considering the pharmacological class in use and 53.8% considering drugs’ dosage. The use of abortive therapy was verified in 97.2% of the cases, mainly prescribed by the General Practitioners. The most commonly used pharmacological classes were simple analgesics (65.7%) and non-steroidal anti-inflammatory drugs (NSAIDs) (50.0%). Only a minority reported using triptans (2.9%). Self-medication was reported in 12.5% ​​of the cases. Only 1 individual reported using a drug not indicated for treatment of migraine crisis, particularly in pediatric age. Non-pharmacological therapy was used by 66.7% of patients. Conclusions: Pediatric migraine still remains underdiagnosed and there is a significant delay in identifying these patients. Despite the adequate therapeutic approach in the crisis, the institution of prophylactic therapy is still reduced. Non-pharmacological therapy, although simple and innocuous, is not done by all children and adolescents. The implementation of educational programs involving not only physicians but also the general population can be an important strategy to optimize the clinical intervention on pediatric migraine. More studies will be needed to clarify these matters.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/82541
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Trabalho Final - Março 2018 - Elsa Rafaela Lopes Freitas.pdf2.02 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s) 50

431
checked on Sep 27, 2022

Download(s) 50

360
checked on Sep 27, 2022

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons