Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/82237
Title: Prevenção em Saúde Oral Infantil nos Cuidados de Saúde Primários: Evidência e Situação em Portugal
Other Titles: Infant Oral Health Prevention in Primary Care: Evidence and Current Situation in Portugal
Authors: Fernandes, Ana Rita Encarnação 
Orientador: Caniço, Hernâni Pombas
Caetano, Inês Rosendo Carvalho e Silva
Keywords: Saúde oral; Cuidados primários; Cáries dentárias; Crianças; Programa Nacional de Promoção de Saúde Oral; Oral health; Primary care; Dental cavities; Children; Programa Nacional de Promoção de Saúde Oral
Issue Date: 22-May-2017
Serial title, monograph or event: Prevenção em Saúde Oral Infantil nos Cuidados de Saúde Primários: Evidência e Situação em Portugal
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: Introdução: A cárie dentária é a doença crónica mais prevalente nas crianças, no entanto muitas delas não têm acesso a cuidados dentários. Os cuidados primários mostraram, por diversas razões, serem um excelente meio para a promoção de saúde oral e a prevenção de doenças da cavidade oral.Materiais e Métodos: A pesquisa bibliográfica para a elaboração desta revisão foi obtida através da plataforma Pubmed, Dentistry and Oral Sciences Source, National Guideline Clearinghouse, Direcção Geral de Saúde, Ordem dos Médicos Dentistas e através do “Estudo Geral – Repositório Científico da Universidade de Coimbra”. Para atribuição dos níveis de evidência e forças de recomendação foi usada a escala adaptada Strength of recommendation taxonomy (SORT), da American Family Physician.Resultados: A avaliação de risco de cárie (ARC) é recomendada (Grau de recomendação C) por algumas instituições. Não existe evidência suficiente acerca da precisão do uso da ferramenta de ARC. A escovagem dos dentes, duas vezes ao dia, é recomendada (Grau de recomendação A) em geral a todas as crianças menores de 18 anos, utilizando pastas com valores de flúor entre 1000-1500 ppmF. Evidências de boa qualidade mostraram a eficácia deste tipo de intervenção. A suplementação de flúor é recomendada (Grau de recomendação B) em geral às crianças maiores de 6 meses de idade e cuja água de abastecimento tenha níveis insuficientes de flúor. Estudos de alguma qualidade, mostram que a suplementação diminui o risco de cárie. A aplicação de verniz de flúor é recomendada por algumas instituições a todas as crianças menores de 5 ou 7 anos, pelo menos 1 vez ao ano, e por outras instituições a crianças de alto risco, no mínimo a cada 6 meses. (Grau de recomendação B) Existem evidências, de alguma qualidade, que a aplicação de verniz de flúor diminui a prevalência de cárie. A educação oral e a entrevista motivacional (EM) são recomendadas (Grau de recomendação B). Não existem evidências dos benefícios da educação dos pais acerca da higiene oral. Evidências mostram que a EM muda alguns comportamentos relacionados com a saúde oral. A referenciação é recomendada em crianças nas quais já ocorreu a primeira erupção dentária e em crianças com alto risco de cárie. Não existem evidências dos efeitos diretos da referenciação na incidência de cárie. A cárie dentária provoca disfunção familiar. Uma correta abordagem familiar contribui para melhor identificação dos grupos de risco e para melhor saúde da família.Conclusão: A escovagem com pasta de dentes fluoretada, a suplementação sistémica de flúor e a aplicação de verniz fluoretado mostraram ser intervenções viáveis em cuidados primários que podem ser eficazes na prevenção de cáries dentárias. A utilização da EM por médicos não dentistas mostrou ter sucesso na mudança de alguns comportamentos relacionados com a saúde oral. É necessária investigação para validação da precisão e utilidade da ferramenta de ARC, para esclarecer os efeitos da educação oral e referenciação na cárie dentária e para definir a frequência e idade de iniciação e finalização ideal da aplicação do verniz de flúor.
Introduction: Dental cavity is the most prevalent chronic disease in children, although many of them do not have access to dental care. For several reasons, primary care showed to be an excellent route to promoting oral health and preventing diseases of the oral cavity.Materials and Methods: Bibliographic research for writing this review was obtained through the Pubmed, Dentistry and Oral Sciences Source, National Guideline Clearinghouse platform, “Direcção Geral de Saúde”, “Ordem dos Médicos Dentistas” and “Estudo Geral – Repositório Científico da Universidade de Coimbra”. In order to attribute levels of evidence and strength of recommendation, the adapted scale Strength of recommendation taxonomy (SORT), from the American Family Physician was used.Results: The dental cavity risk evaluation is recommended (C-level recommendation) by some institutions, despite de low strength of recommendation. There is not enough evidence on the accuracy of using the dental cavity risk evaluation tool, of its validity, of the effects on the dental cavity prevalence and of the confidence level of primary care professionals for using it. Brushing the teeth two times each day is generally recommended (A-level recommendation) to all children under 18 years of age, using toothpaste with fluoride levels between 1000 and 1500 ppmF. Evidence of good quality showed the efficacy of this type of intervention. Dietary fluoride supplements are generally recommended (B-level recommendation) to children over 6 months of age and whose water supply has insufficient fluoride levels. Studies of fair-quality show that supplementation reduces the risk of dental cavities. Fluoride varnish is recommended by some institutions to all children under 5 or 7 years old at least once a year, and by other institutions it is recommended to children with high risk at least every 6 months. (B-level recommendation) There is evidence that supports that motivational interview can influence behavior changes related with oral health. Oral education and motivational interview are recommended. (B-level recommendation) There is no evidence of the benefits of parental education on oral hygiene. Evidence of some quality show that the motivational interview shows success in changing some of the behaviors related to oral health. It is recommended that the children who have had their first dental eruption are referenced to a dentist within 6 months, and not after 1 year of age, and also in children at high risk of dental cavities. Despite these recommendations, there is no evidence of the direct effects of referral in dental cavity incidence. Dental cavity leads to family dysfunction. A correct familiar approach contributed to an improvement of the identification of groups at risk and to a better familiar health.Conclusion: Brushing the teeth with fluoride toothpaste, systemic supplementation with fluoride and the application of fluoride varnish revealed to be viable interventions in primary care, and might be efficient in preventing dental cavities. The use of the motivational interview by non-dental doctors demonstrated success in changing some behaviors related to oral health. There is need for investigations for validating the accuracy and use fullness of the dental cavity risk evaluation tool, for clarifying the effects of oral education and referral in case of dental cavity, as well as to define the frequency and the ideal ages of initiation and finalization for the application of fluoride varnish.
Description: Trabalho de Projeto do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/82237
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese Final.pdf752.58 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

441
checked on Sep 24, 2021

Download(s) 50

945
checked on Sep 24, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons